Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Geral

Justiça impede paródia à Folha

21 fevereiro 2013 - 10h57Reprodução

O Tribunal de Justiça de São Paulo impediu nesta quarta-feira (20) o uso de conteúdo e do domínio do blog Falha de S. Paulo, que satirizava o jornal Folha de S. Paulo. A decisão segue a mesma linha das obtidas anteriormente pelo jornal.

Criado pelos irmãos Mário e Lino Bocchini, o blog funcionou durante 21 dias em 2010. Ele trazia comentários irônicos sobre notícias da Folha e montagens com imagens do jornal. Desde que o site foi proibido, os seus criadores mantêm o domínio desculpeanossafalha.com.br, pelo qual falam sobre o processo e trazem mensagens de apoio.

Em sua ação, a Folha argumenta que o site causava confusão em seu leitor. A defesa do jornal diz que o blog fazia uso da marca, do projeto gráfico e de conteúdos protegidos. Segundo a Folha, a questão era objetiva sobre direito de marca e não tinha ligação com  liberdade de expressão.

Em sua sustentação no tribunal nesta quarta, o jornal também argumentou que o site tinha um vínculo com a revista CartaCapital. A Falha mantinha uma lista de favoritos com um link para o site da revista. Além disso, eles criaram uma promoção no Twitter para sortear assinaturas semestrais da revista para os seguidores por conta própria. A CartaCapital, porém, informou que não tem nenhuma ligação com os irmãos ou o site.

A defesa, por sua vez, alegava que impedir o blog seria um cerceamento a liberdade de expressão. “A Folha critica a tudo e a todos. Chamam o governador do estado de ‘picolé de chuchu’. Porém, quando satirizada, quando passa de pedra à vidraça, ela recorre ao Poder Judiciário para restringir a liberdade de expressão e o faz disfarçadamente, escondida por trás de uma alegação de violação de marca,” disse o advogado de defesa Luis Borreli Júnior em sua sustentação oral.

O relator do caso, desembargador João Francisco Moreira Viegas, acatou o argumento da Folha de S. Paulo. “A questão se coloca de uma forma equivocada pelos réus. A discussão que se trava aqui não é sobre direito de livre expressão, não é isso que se discute. Ela tem um viés patrimonial, e é por isso que ela tem que ser julgada,” disse o magistrado. Os outros dois desembargadores da quinta turma do tribunal seguiram a sua decisão.

O jornalista Lino Bocchini diz que a decisão abre um precedente muito perigoso. “Ela abre uma jurisprudência perigosíssima. Isso vai balizar outras decisões na Justiça e inspirar outras empresas a fazer o mesmo.”

Os reús aguardam a publicação da decisão para definir quais recursos serão tomados.

Via Carta Capital

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Você tem alguma história de terror real legal para contar? Mande para o JD1 Notícias
Geral
Trecho da Rui Barbosa será interditado durante uma semana
Geral
Shoppings da Capital se unem à CDL para ajudar famílias afetadas pelo temporal
Geral
Para custear exame de filho com DMD, mãe faz barras de chocolate para vender
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge
Geral
Procon-MS e Detran notificam autoescolas por práticas contra clientes
Geral
Governo muda data da prova de seleção de estagiários
Geral
Para não cuidar de idoso, família procura filhos do primeiro casamento em MS
Geral
Com pandemia, religiosos evangelizam até por ligação

Mais Lidas

Polícia
Homem pula o muro e flagra a ex-mulher com outro e transtornado agride ela e tranca os dois
Brasil
Vídeo: Homem se desespera ao ver que racha com os amigos acabou em morte
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge