Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Geral

Mudança no SOS Criança gera polêmica e investigação do MP

26 julho 2012 - 09h40Arquivo / Campo Grande News

O SOS Criança, órgão mantido pelo Governo do Estado em Campo Grande, que é responsável por receber denúncias de abusos e maus-tratos contra criança e adolescente vai mudar para SOS Direitos Humanos. A mudança gerou polêmica e foi instaurado inquérito pelo MPE (Ministério Público Estadual) para investigar o fim do serviço.

A denúncia foi feita pelo Conselho Tutelar Sul, que teme ficar sobrecarregado com o fim do programa. Conforme os conselheiros, a medida vai acabar com a equipe que apura a procedência das denúncias.

A Secretária de Estado Tânia Garib, titular da Setas (Secretaria de Estado de Assistência Social), explicou que o SOS criança, que hoje atende pelo fone 0800 647 1323 será ampliado e incorporado ao disque-100.

Além de violência a crianças e adolescentes, o serviço passará a atender denúncias de violação de direitos da pessoa com deficiência, idoso, e o público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Trangêneros).

De acordo com Tânia, o órgão que atua há 19 anos em Mato Grosso do Sul tem a função de receber a denúncia e encaminhá-las para que sejam tomadas providências. “Nosso dever é receber a denúncia e encaminhar para o órgão competente”.

Os casos são encaminhados a órgãos como a DPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Serviço de Acolhimento, Conselhos Tutelares e Ministério Público.

O Estado, afirma a secretária, não pode fazer o papel do Conselho Tutelar e conselheiro. “As funções do conselheiro está claro no ECA (Estatuto da Criança e Adolescente), disse, afirmando que o serviço será melhorado e reordenado de acordo com a legislação.

De acordo com Tânia, hoje Campo Grande tem três Conselhos Tutelares, cada um com 5 conselheiros que são responsáveis por receber a denúncia, apurar e encaminhar para os órgãos responsáveis.

Os Municípios, afirma Tânia, são dotados de acordo com suas necessidades para atender a demanda. “Enquanto não estiver funcionando perfeitamente o disque-100, com equipe treinada para atendimento, nós não vamos desativar o 0800", garante.

Por mês o SOS Criança recebe 250 denúncias. A secretária acredita que com a mudança o número de ligações deve aumentar. O serviço funciona na Casa da Cidadania, na rua Candido Mariano, nº 713.

Procurado pela reportagem para comentar o caso, a assessoria de imprensa do MPE informou que o promotor de Justiça, Paulo Henrique Iunes - responsável pelo inquérito - está de licença e deve retornar na próxima segunda-feira.

A Conselheira Andréia Almeida Silva, que há quatro anos trabalha no Conselho Tutelar Sul, questiona. "Se o SOS Criança não vai mais averiguar se a denúncia é procedente ou não, quem vai fazer?

“A pergunta é quem vai fazer o trabalho do órgão. O Conselho Tutelar Sul atende 229 bairros. Precisamos de auxílio do município para ampliar e qualificar uma equipe, que antes era feita pelo Estado por 10 técnicos preparados para apurar a denúncia e ouvir as vítimas de abuso sexual”.

Conforme Andréia, o conselho está aguardando uma reunião com os responsáveis, que respondem pelo município, para ver quem fará o papel do SOS Criança.

Via Campo Grande News

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
"A grande culpa é de Sheiza", diz esteticista denunciada pela morte de estudante brasileira
Geral
Motociclista morre ao perder controle em curva e bater em árvore na praça do Preto Velho
Geral
Alguém viu o 'Spyke'? criança se frustra, ao perder seu amiguinho
Geral
Sexta-feira terá live de Gusttavo Lima e Daniel, Duda Beat e Nando Reis
Geral
Heber Xavier renuncia Santa Casa
Geral
Agehab deve entregar 352 apartamentos ainda este ano na capital
Geral
Live debaterá pandemia entre idosos
Geral
Vídeo: Mulher encontra cobra em saco de laranjas do Atacadão
Geral
Sanesul elabora medidas para não faltar abastecimento de água em Corumbá
Geral
Militar do exército morre em acidente de trânsito na capital

Mais Lidas

Brasil
Motorista morre ao sofrer descarga elétrica em fazenda
Geral
"A grande culpa é de Sheiza", diz esteticista denunciada pela morte de estudante brasileira
Cidade
Procon Estadual autua seis agências bancarias na capital
Polícia
Jovem é alvejado com seis tiros em espetinho no MS