Menu
Busca terça, 26 de setembro de 2023
(67) 99647-9098
Gov Setembro Amarelo - Set23
Geral

Prédio desaba e pessoas são soterradas em Recife

O edifício estava interditado por ordem judicial desde 2010 porém foi reocupado em 2012

07 julho 2023 - 14h02Yara Deckner, com G1
Sebrae Informe Publicitario

Na manhã desta sexta-feira (7), parte de um prédio desabou, no bairro do Janga, em Paulista, no Grande Recife. Há, ao menos, 19 vítimas: duas pessoas morreram e duas foram resgatadas com vida. Outras 15 pessoas estão desaparecidas sob os escombros, incluindo crianças, segundo o Corpo de Bombeiros. O desabamento ocorreu às 6h07. O prédio fica na Rua Dr. Luiz Inácio de Andrade Lima e faz parte do Conjunto Beira-Mar. Segundo os bombeiros, um dos blocos desabou totalmente; e outro, parcialmente. Os nomes das vítimas não foram divulgados.

Foram encontrados mortos, em meio aos destroços, um homem de 45 anos e um adolescente de 12 anos. As vítimas resgatadas com vida são uma adolescente de 15 anos e uma mulher de 65 anos. Ambas sofreram fraturas. Um vídeo mostra o momento em que a jovem de 15 anos é encontrada sob os escombros. Ela foi levada para o Hospital da Restauração, no Recife, passou por exames e encontra-se estável. A outra vítima resgatada sob os escombros foi levada para o Hospital Miguel Arraes, em Paulista, com politraumatismo. Ela fez exames, encontra-se estável e aguarda transferência para outra unidade de saúde.

Outras quatro pessoas sofreram ferimentos leves e também foram levadas para o Hospital Miguel Arraes, que informou que elas devem ter alta até o fim desta sexta."É um trabalho que a gente conta com o auxílio dos cães, que já indicaram onde a gente tem essas possíveis vítimas. As vítimas que estão responsivas foi mais fácil, porque com nosso estímulo, elas nos responderam. Estamos mantendo essas frentes de trabalho, mas é um trabalho que tem que ser feito com calma, com cautela, porque são pessoas que estão sob escombros e a gente obviamente está com a intenção de tirá-las com vida local", disse.

Esse tipo de prédio, que é popularmente conhecido como "prédio caixão", tem térreo e três andares e, em cada pavimento há quatro apartamentos. O edifício estava interditado por ordem judicial desde 2010, de acordo com a prefeitura de Paulista. No entanto, foi reocupado em 2012. Uma vistoria foi feita em 2018 e confirmou a interdição, mas os moradores seguiram no local. Não há informação se as pessoas estavam em algum programa habitacional ou se recebiam algum tipo de suporte para deixarem o local de risco.

Uma mulher que não quis se identificar disse que a irmã, Maria da Conceição, morava no edifício com os filhos.“A gente ocupou aí porque não tinha onde morar. Minha irmã e os filhos dela estavam lá. Moravam cinco filhos com ela aí. A gente está sem notícia dela”, disse.

As buscas por vítimas seguem no local, com participação de 50 bombeiros e 40 voluntários. Cães farejadores também são utilizados na operação para encontrar pessoas.

Sebrae Informe Publicitario

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Falhou: Luísa Mell é condenada a pagar R$ 20 mil por invadir casa e levar 4 cães
Geral
Torcedora é presa em flagrante após roubar 14 celulares no Morumbi
Geral
Pesquisa mostra aumento de suicídio entre jovens indígenas de MS
Geral
Viu o Puppey? Mãe procura por cachorro de estimação da filha autista
Geral
Crea-MS realiza leilão com veículos e eletrodomésticos
Geral
INSS começa a ligar para segurados que aguardam perícia; saiba o número
Geral
Governo vai investir R$ 2 bilhões para segurança na Amazônia Legal, diz secretário
Geral
Assistentes, psicólogos e motoristas de ambulância são convocados na Capital
Geral
Confira os trechos interditados da BR-163 nesta segunda-feira
Geral
Ministério Público de MS atinge 100% de desempenho em transparência

Mais Lidas

Polícia
Após 3 horas de busca, Bombeiros encontram corpo de Kauan em Campo Grande
Cidade
Pai não sabia que filho foi para riacho: 'não era para ele estar aqui'
Internacional
Imagens fortes: Vídeo mostra homem sendo triturado por máquina
Justiça
Estaca zero: Justiça anula liminar e tutores voltam a ser multados em condomínio