Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Geral

Prêmio Nobel da Paz de 2012 vai para a União Europeia

12 outubro 2012 - 18h31AP

O Prêmio Nobel da Paz de 2012 foi atribuído nesta sexta-feira (12) à União Europeia. O anúncio foi feito em Oslo, pelo comitê que outorga o prêmio desde 1901.

O comitê justificou o prêmio citando o papel que o bloco europeu exerce, há longo tempo, para promover a união do continente.

A União Europeia e as instituições que a precederam em sua formação "contribuíram durante mais de seis décadas para a paz e a reconciliação, a democracia e os direitos humanos", disse Thorbjoern Jagland, presidente do comitê do Nobel.

O comitê saudou o bloco, atualmente com 27 países, por ter reconstruído a região após a Segunda Guerra Mundial e o por ter semeado a estabilidade nos países do antigo bloco comunista, após a queda do Muro de Berlim, em 1989.

"Durante um período de 70 anos, Alemanha e França se enfrentaram em três guerras (1870, 1914-18 e 1939-45). Hoje em dia, uma guerra entre Alemanha e França é impensável", disse Jagland.

"Isto demonstra como, através de um esforço bem encaminhado e da construção da confiança mútua, inimigos históricos podem virar sócios próximos", completou, sem deixar de lembrar também das "graves dificuldades econômicas e problemas sociais consideráveis" que o bloco atualmente enfrenta.

Surpresa
A surpreendente premiação da União Europeia ocorre em um momento em que o bloco político e econômico é abalado por uma forte crise econômica, que põe à prova a unidade regional, com profundas divisões entre os países do sul do continente, como Portugal, Grécia, Itália e Espanha, muito afetados pela crise da dívida e sob pesadas políticas de austeridade, e os do norte, mais ricos, liderados pela Alemanha.

A Noruega, anfitriã do Nobel da Paz, não é integrante da UE e não pretende aderir ao bloco, segundo seu premiê.

A TV pública do país, a NRK, antecipou o nome do vencedor, cerca de uma hora antes do anúncio oficial.

O prêmio, equivalente a US$ 1,2 milhão, vai ser entregue em uma cerimônia em Oslo em 10 de dezembro.

História
Nascida das ruínas da Segunda Guerra Mundial e sob o estímulo dos seis países signatários do Tratado de Roma em 1957, a União Europeia, então batizada de Comunidade Europeia, ajudou a estabilizar um continente havia séculos acostumado aos conflitos.

Apesar das crises registradas durante seu crescimento, o bloco teve sucesso ao unir os destinos de antigos inimigos.

Virou o maior mercado comum e uma grande potência econômica mundial, onde a livre circulação de bens, pessoas, serviços e capitais está garantida.

Ao longo dos anos, o projeto se expandiu até englobar 27 Estados situados dos dois lados da antiga Cortina de Ferro, que separava os países ocidentais das nações do bloco comunista.

O espaço tem grandes divergências econômicas, sociais e culturais.

Dos 27 países da União Europeia, 17 estabeleceram uma união monetária, a Eurozona.

A história da União Europeia foi marcada por outros momentos graves, que questionaram sua missão e eficácia, como a de sua impotência ante a explosão da guerra dos Bálcãs após a desintegração da Iugoslávia e a tardia intervenção para acabar com o conflito na Bósnia (1992-1995).

A atribuição do Nobel provoca certa controvérsia por conta do papel da União Europeia no âmbito diplomático, no momento em que o bloco tenta reforçar o papel para derrubar o regime de Bashar al-Assad na Síria e impedir o programa nuclear do Irã.

"É um prêmio realmente estranho, ainda mais neste momento de crise e controvérsia sobre as políticas econômicas e financeiras da União Europeia", opinou Mariano Aguirre, diretor do Centro de Paz NOREF, com sede em Oslo. "Mas internamente, ela tem sido um projeto de sucesso, que tem conseguido manter a paz entre seus membros com acordos econômicos, políticos, sociais, culturais e de segurança."

Diversidade de ganhadores
O Nobel é escolhido por um comitê norueguês de cinco membros, apontados pelo Parlamento da Noruega.

Geralmente, a tendência é optar pela diversidade dos ganhadores.

No ano passado, venceram o prêmio três mulheres ativistas: a presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, a militante Leymah Gbowee, também liberiana, e a jornalista e ativista iemenita Tawakkul Karman.

No ano retrasado, o ativista chinês pró-democracia Liu Xiaobo foi o ganhador.

Em 2009, o prêmio foi dado ao presidente dos EUA, Barack Obama, por conta de seus esforços em relação à questão nuclear.

Desde 1901
Estabelecido em 1901, o Prêmio Nobel tem o objetivo de reconhecer pessoas que tiveram atuações marcantes nas área da física, da química, da medicina, da literatura, da paz -e, desde 1968, também da economia.

O prêmio foi estabelecido pelo cientista e inventor sueco Alfred Nobel, criador da dinamite, que morreu em 1895. Ele criou uma fundação para administrá-lo.

Todos os prêmios são concedidos em Estocolmo, capital da Suécia, a não ser o da paz, que é dado em Oslo, capital da Noruega.

Na época em que Nobel era vivo, a Noruega e a Suécia estavam unidas numa monarquia - que durou até 1905, quando a Noruega tornou-se um reino independente.

Em seu testamento, Nobel determinou que o prêmio da Paz deveria ser decidido por um comitê norueguês.

Os laureados com o prêmio são escolhidos de uma lista de nomeados, que não é divulgada previamente.

Portanto, apesar de haver sempre muitos palpites e "favoritos", é muito difícil saber realmente quem vai vencer.

Muitas vezes, o escolhido passa longe das previsões divulgadas pela imprensa na semana da premiação.

Em 2012, a União Europeia derrotou nas previsões outros candidatos que apareciam bem situados nas apostas prévias, como vários ativistas russos e bielorrussos, o filósofo americano Gene Sharp, a afegã Sima Samar e o bispo mexicano José Raúl Vera López.

Via G1

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Barco que naufragou no Rio Paraguai não tinha autorização para transporte turístico
Geral
Corpo de Bombeiros divulga balanço das operações do mês de setembro
Geral
Durante uso drogas, casal vai parar dentro de córrego no Nova Jerusalém
Geral
Mega-Sena deve pagar neste sábado R$ 26,5 milhões
Geral
Vídeo - Energisa terá até helicóptero para possível vendaval
Geral
Vídeo - "Seremos eficientes", garante Marquinhos sobre vendaval
Geral
Ministro do TSE fala sobre confiabilidade de urnas eletrônicas ao JD1 Notícias
Geral
Pfizer tem alta eficácia contra Covid em crianças, diz estudo
Geral
Depois da capital, Estado também decreta ponto facultativo dia 1° de novembro
Geral
Ao vivo: Corpo de Bombeiros fala sobre plano de prevenção para tempestade prevista no fim de semana

Mais Lidas

Clima
Áudio: Atenção - tabela do Inmet é real, não é fake
Clima
Vídeo: Força-tarefa está pronta para novo vendaval
Internacional
Alec Baldwin dispara com arma cenográfica e mata diretora de fotografia
Clima
Previsão de chuva com ventos assusta