Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Geral

Primeiro medicamento contra leishmaniose em cães no Brasil é aprovado

Milteforan deve ser comercializado a partir de 2017

15 setembro 2016 - 11h49Da redação

O primeiro medicamento para tratamento de leishmaniose em cães no Brasil, chamado de Milteforan, foi aprovado na semana passada pelo Ministério da Agricultura. O órgão prevê que o remédio seja comercializado no país a partir do ano que vem.  A doença é considerada um dos maiores problemas de saúde pública enfrentados em Campo Grande, que, segundo o veterinário André Fonseca, tem um índice de infecção de um em cada dez cães da Capital.

O controle da doença ainda é cercada de polêmicas. Enquanto médicos veterinários defendem tratamento dos animais infectados, órgãos públicos defendem a eutanásia método mais eficaz para a diminuição na proliferação da doença. Em junho deste ano, após uma interpelação da ONG Abrigo dos Bichos, Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF 3)  a nulidade da Portaria interministerial dos ministérios da Saúde e Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Portaria n° 1.426/2008, que proíbe o tratamento de cães com Leishmaniose Visceral Canina por meio de produtos de uso humano. Pela falta de medicamentos veterinários disponíveis para o combate à doença, o tratamento acabava por se tornar ilegal. Na 3º Região, composta por São Paulo e Mato Grosso do Sul, agora o tratamento é permitido também com medicamentos de uso humano.

A partir de 2017, o tratamento será permitido em todo o país através do Milteforan, primeiro medicamento de uso veterinário para tratamento da doença aprovado no país. Ainda assim, em nota técnica emitida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o órgão ressalta que o tratamento de cães com leishmaniose não se configura como medida de saúde pública para controle da doença e que o tratamento "trata-se única e exclusivamente de uma escolha do proprietário do animal, de caráter individual". 

Doença

A leishmaniose é transmitida pelo mosquito-palha, atraído por lugares com matéria orgânica e sujeira e tem hábito noturno. As recomendações para evitar e doença é de manter sempre o quintal e o canil limpos, além de utilizar de uso de repelentes e de lugares telados, evitando assim, a picada do mosquito, tanto em humanos quanto em cães. Nos cães, os sintomas da leishmaniose são: emagrecimento, descamação e queda de pêlo, lesões ao redor dos olhos e lacrimejamento, lesões em pontas de orelhas, focinho e patas, ficar muito quieto (apatia) e crescimento exagerado das unhas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Inscrições para residência médica no Hospital Regional já estão abertas
Geral
Energia: Com fatura de R$ 834, consumidor relata "conta subiu demais"
Geral
Cantor Fernando, da dupla com Sorocaba, sofre acidente de carro nesta terça
Geral
Caminhoneiro é feito refém por dois dias durante assalto na fronteira
Geral
Comerciantes fazem protesto pela reabertura da fronteira
Geral
"O corpo é o de menos”, diz jovem no Dia Nacional da Luta PCD
Geral
“Só sintomas leves”, diz Reinaldo ao JD1
Geral
Solidariedade: Grupo no Facebook incentiva doações
Geral
Encontrada adolescente que estava desaparecida há 4 dias na capital
Geral
Índios invadem fazenda e causam prejuízo de aproximadamente R$ 500 mil

Mais Lidas

Brasil
Vídeo: Assaltante é agredido pela população e sofre ferimentos na cabeça
Geral
Inscrições para residência médica no Hospital Regional já estão abertas
Polícia
Motorista é preso por atropelar ciclista na contra-mão e arrastar bicicleta pela rua
Polícia
Jovem sai para cortar cabelo e seu cadáver é encontrado em decomposição