Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

'Prisão maculou carreira', afirma advogado de atriz pornô em MS

17 agosto 2011 - 09h47Reprodução TV Morena

O advogado de defesa da atriz pornô Juliana Assis Novaes Cardoso, presa em flagrante na quarta-feira passada (10) por suspeita de receptação de carro roubado em Mato Grosso do Sul, informou que irá pedir ao judiciário a liberação provisória da cliente nos próximos dias.

Abdallah Maksoud Neto disse que a prisão estaria maculando a carreira dela, e que ele está confiante em obter a soltura da atriz, conhecida no meio artístico como Júlia Fontanelli. "Estamos aguardando a chegada de documentação comprobatória de que ela é ré primária, tem bons antecedentes e exerce uma profissão, tem um trabalho lícito", afirma.

A atriz pornô, que diz ter mais de 200 filmes no currículo, nega a participação no crime e afirma que adquiriu o automóvel de terceiros em São Paulo, onde mora. Segundo a atriz, ela e o marido viajavam ao Paraguai para fazer compras no momento do flagrante feito por policiais rodoviários na BR-163.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ciclista tem a cabeça esmagada por carreta em acidente
Geral
Parque das Nações terá memorial da Sanesul
Geral
Coronel David percorrerá o estado em apoio a Bolsonaro, no fim de semana
Geral
Usuários reclamam de excesso de ligações e Claro tem 15 linhas bloqueadas
Geral
Caminhão pega fogo na MS-395 e chamas atingem vegetação
Geral
Vídeo mostra onça morta em rodovia da capital
Geral
Procon-MS notifica 16 postos no norte de MS
Geral
Agehab suspende inscrição durante processo de seleção de residências
Geral
Associação de moradores receberá metade do salário de Reinaldo, em junho
Geral
Estado entrega projeto que prorroga abono por mais 12 meses

Mais Lidas

Geral
Bosque dos Ipês terá exposição de animais marinhos de dez metros
Polícia
Homem bêbado pede para descansar e morre no sofá do vizinho
Clima
Temperatura volta a cair nesta quarta-feira, em Mato Grosso do Sul
Polícia
Massacre deixa seis mortos na fronteira