Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS outubro20
Geral

Receita, PF e MPF fazem operação de combate a fraudes no Fisco

17 agosto 2011 - 09h36Reprodução TV Bahia e G1 SP

A Receita Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram hoje a Operação Alquimia, com o objetivo de combater organização criminosa, composta por quase 300 empresas, suspeita de fraudar o Fisco. As ações ocorrem simultaneamente em 17 estados, mais o Distrito Federal. O prejuízo aos cofres públicos, pelo não recolhimento dos tributos devidos, pode chegar a R$ 1 bilhão.

Os órgãos apuram indícios encontrados em investigações de prática de diversos crimes, como sonegação fiscal, fraude à execução fiscal, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. A PF classifica a operação como uma das maiores do gênero nos últimos anos no país.

De acordo com a Receita, são cumpridos 31 mandados de prisão, 63 conduções coercitivas (quando a pessoa é levada para prestar esclarecimentos na delegacia) e 129 mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e nas empresas supostamente ligadas à organização criminosa. A PF diz, ainda, que ocorre o sequestro de bens de 62 pessoas físicas e 195 pessoas jurídicas.

Os estados onde ocorre a operação são: Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Sergipe. De acordo com a PF, que executa a operação em conjunto com a Receita, ações apenas de sequestro de bens acontecem também nos estados de Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí, além do Distrito Federal.

Segundo a PF, a organizaçaõ criminosa é composta por empresários estabelecidos principalmente nos estados da Bahia e São Paulo. Na Bahia, devem ser cumpridos no estado 23 dos 31 mandados expedidos.

De acordo com a PF, houve uma busca em Brasília e condução coercitiva, mas ainda não há informações sobre o suposto envolvimento dela nas fraudes investigadas.

Participam da operação cerca de 90 auditores fiscais da Receita e aproximadamente de 500 policiais federais.

A Receita já fiscalizou 11 empresas do grupo investigado, com um total de R$ 110 milhões em créditos tributários constituídos. "Um dos resultados esperados com a operação é a satisfação desta dívida junto ao Fisco", diz a Receita, em nota.

Investigações

As investigações tiveram início quando a Receita Federal detectou indícios de crimes contra a ordem tributária em uma das empresas do grupo. Havia também a suspeita de existência de fraudes na constituição de empresas utilizadas como "laranjas".

O esquema seria utilizado para forjar operações comerciais e financeiras com intuito de não recolher os tributos devidos ao Fisco. Para isso, os órgãos investigam a utilização de empresas interpostas (laranjas), empresas sediadas em paraísos fiscais, factorings (atividade de fomento mercantil) e até fundos de investimento utilizados na suposta fraude.

De acordo com a PF, a organização criminosa investigada é composta por quase 300 empresas nacionais e estrangeiras, sendo que as últimas têm sua maioria sediada nas Ilhas Virgens Britânicas. Das empresas diretamente envolvidas nos fatos apurados, identificou-se que pelo menos 50 são "laranjas".

Com informações do G1.

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Avó vende rifa para pagar cirurgia da neta
Geral
Neila é 14ª profissional da enfermagem que morre de coronavírus no MS
Geral
Justiça do Trabalho retomará audiências presenciais em MS
Geral
Terminais de ônibus voltam a funcionar normalmente em Campo Grande
Geral
Adelaido, da CDL, está com coronavírus: "não foi por falta de cuidado"
Geral
Eliana perde o celular dentro da mansão e decide comprar outro
Geral
São Paulo: 94 % dos acidentes de trânsito são com homens
Geral
Idoso com hérnia de 30 kg luta há quatro anos por cirurgia
Geral
Mulher luta por cirurgia para retirar seios gigantes
Geral
Pastores emitem nota de repúdio depois de escândalo envolvendo pastor presidente

Mais Lidas

Polícia
Carta de arrependimento é escrita por advogado que matou PM no trânsito
Cidade
Detran-MS promete agilizar atendimento utilizando totens de serviços
Economia
Dólar fecha em queda pelo segundo dia seguido
Justiça
Em sessão "sofrida", MS ganha julgamento do gás boliviano