Menu
Busca sábado, 20 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Reparos antigos na Ernesto Geisel ameaçam ceder e preocupam comerciantes

12 janeiro 2011 - 15h48
Marcado por alagamentos em dias de chuva, o trecho da avenida Ernesto Geisel onde há o encontro dos córregos Segredo e Prosa, formando o Rio Anhanduí, tem sido motivo de preocupação para comerciantes. Reparos mal feitos em uma das obras mais antigas da cidade deixam o local vulnerável, segundo o testemunho quem trabalha ou vive no local e convive de perto com os prejuízos provocados pelas chuvas e pela enxurrada. Dono de um estabelecimento de peças e acessórios para motos bem em frente ao problema, Washington da Silva, 41 anos, lembra que há 4 anos parte da placa de concreto na lateral do córrego desabou, levando com ela um trecho da Ernesto Geisel. Na época, o local ficou completamente interditado, o que segundo ele, representou 50% a menos nas vendas. “Só os clientes que estavam fidelizados que vinham”, conta Washington, “Ficou interditado por 40 dias”. O engenheiro Cláudio Anache foi ao local a pedido do comerciante para avaliar os riscos. Ele constatou que no reparo feito há 4 anos não foi dada importância suficiente para as placas ao lado daquela que desabou e que também ameaçavam cair. “Foi feita uma obra paliativa, onde observei que há outras paredes em condições de cair, onde foram colocadas chapas de ferro para segurá-las, o que não resolverá. Observa-se que o asfalto nas imediações já está em processo de recalque”, avaliou Anache. Nota-se no local a abertura de um buraco no canteiro entre o córrego e a avenida. A impressão é que a parede está novamente sendo empurrada. Na opinião do engenheiro, a obra feita em gestões passadas já não é suficiente diante das mudanças que o local sofreu. “Há uma parede de concreto muito fina pela altura e pressão do volume de terra existente. Vejo claramente que há a necessidade de uma galeria de concreto”, avalia. Um dos sinais observados pelo engenheiro é justamente o alagamento. O asfalto está afundando aos poucos. Quando chove, a água empossa. Washington conta que a enxurrada só não invade a loja dele porque a construção é feita em altura maior que o nível da avenida. “Se cair outra placa dessas aí haverá perda no comércio. Aqui direto fica criando buraco. Aí eles colocam uma camada de massa asfáltica que não resolve”, diz o comerciante. Após as chuvas do último fim de semana, outro sinal indicou fragilidade em obras feitas em outros pontos da cidade. Pedras foram trazidas pela correnteza e ficaram depositadas onde os dois córregos se juntam. A suspeita do comerciante é que tenham vindo pelo Prosa. “Eu fico preocupado em como a Fernando Corrêa da Costa está por baixo com essas erosões”, disse Washington. Problema novo - Do lado oposto na Ernesto Geisel, o estudante de 15 anos Daniel Lucas Monteiro, que ajuda o pai na borracharia da família, chegou a filmar o transbordamento do rio Anhanduí nas chuvas do fim de semana passado. “A água começou a fazer ondas. Só não entraram aqui (borracharia) por causa da altura da calçada, que é tipo uma rampa”, conta o garoto que disse ainda nunca ter visto inundações por conta do rio no local.
pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
CCR-MSVia é notificada por falta de guichês de atendimento e troco para usuário
Geral
Sindivarejo realiza treinamento para gestão de e-social em maio
Geral
Sete em cada dez internautas pretendem comprar chocolate na Páscoa
Geral
“Em tempos de crise a solução é inovar”, diz empresária
Geral
Unesul, São Luiz e Eucatur são autuadas por não concederem gratuidade a idosos
Geral
Ministério divulga regras para policiamento comunitário
Geral
PRF inicia a "Operação Semana Santa" nas rodovias federais de MS
Geral
Siqueira contesta financiamento para beneficiar caminhoneiros
Geral
Fiems apresenta projeto e firma parceria com Prefeitura de Ponta Porã
Geral
Guarda Metropolitana atua em esquema especial para evitar "massacres"

Mais Lidas

Polícia
Corpo de mulher é encontrado amarrado em árvore às margens da BR-262
Geral
“Em tempos de crise a solução é inovar”, diz empresária
Cidade
Morre no Rio, aos 40 anos, MC Sapão
Polícia
Jovem tem bicicleta furtada em estacionamento de supermercado