Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Geral

Reparos antigos na Ernesto Geisel ameaçam ceder e preocupam comerciantes

12 janeiro 2011 - 15h48
Marcado por alagamentos em dias de chuva, o trecho da avenida Ernesto Geisel onde há o encontro dos córregos Segredo e Prosa, formando o Rio Anhanduí, tem sido motivo de preocupação para comerciantes. Reparos mal feitos em uma das obras mais antigas da cidade deixam o local vulnerável, segundo o testemunho quem trabalha ou vive no local e convive de perto com os prejuízos provocados pelas chuvas e pela enxurrada. Dono de um estabelecimento de peças e acessórios para motos bem em frente ao problema, Washington da Silva, 41 anos, lembra que há 4 anos parte da placa de concreto na lateral do córrego desabou, levando com ela um trecho da Ernesto Geisel. Na época, o local ficou completamente interditado, o que segundo ele, representou 50% a menos nas vendas. “Só os clientes que estavam fidelizados que vinham”, conta Washington, “Ficou interditado por 40 dias”. O engenheiro Cláudio Anache foi ao local a pedido do comerciante para avaliar os riscos. Ele constatou que no reparo feito há 4 anos não foi dada importância suficiente para as placas ao lado daquela que desabou e que também ameaçavam cair. “Foi feita uma obra paliativa, onde observei que há outras paredes em condições de cair, onde foram colocadas chapas de ferro para segurá-las, o que não resolverá. Observa-se que o asfalto nas imediações já está em processo de recalque”, avaliou Anache. Nota-se no local a abertura de um buraco no canteiro entre o córrego e a avenida. A impressão é que a parede está novamente sendo empurrada. Na opinião do engenheiro, a obra feita em gestões passadas já não é suficiente diante das mudanças que o local sofreu. “Há uma parede de concreto muito fina pela altura e pressão do volume de terra existente. Vejo claramente que há a necessidade de uma galeria de concreto”, avalia. Um dos sinais observados pelo engenheiro é justamente o alagamento. O asfalto está afundando aos poucos. Quando chove, a água empossa. Washington conta que a enxurrada só não invade a loja dele porque a construção é feita em altura maior que o nível da avenida. “Se cair outra placa dessas aí haverá perda no comércio. Aqui direto fica criando buraco. Aí eles colocam uma camada de massa asfáltica que não resolve”, diz o comerciante. Após as chuvas do último fim de semana, outro sinal indicou fragilidade em obras feitas em outros pontos da cidade. Pedras foram trazidas pela correnteza e ficaram depositadas onde os dois córregos se juntam. A suspeita do comerciante é que tenham vindo pelo Prosa. “Eu fico preocupado em como a Fernando Corrêa da Costa está por baixo com essas erosões”, disse Washington. Problema novo - Do lado oposto na Ernesto Geisel, o estudante de 15 anos Daniel Lucas Monteiro, que ajuda o pai na borracharia da família, chegou a filmar o transbordamento do rio Anhanduí nas chuvas do fim de semana passado. “A água começou a fazer ondas. Só não entraram aqui (borracharia) por causa da altura da calçada, que é tipo uma rampa”, conta o garoto que disse ainda nunca ter visto inundações por conta do rio no local.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ajude: Enzo tem leucemia e 21 dias para comprar remédio de R$ 160 mil
Geral
Detran inicia primeiro leilão de 2020
Geral
Brasil registra mais de 200 ataques contra jornalistas em 2019, aponta relatório
Geral
Reinaldo lançará "pacotão de obras", resultado do Governo Presente
Geral
Dona de Alf quer justiça depois de sacrifício no CCZ, “sem autorização”
Geral
Valor de renovação de vistoria será reduzido em até 5 vezes
Geral
Colégio Adventista nega ter rejeitado aluno com síndrome
Geral
Agepen determina novas regras para visitação em unidades prisionais
Geral
Missa de 7º de Struck será nesta quarta, em Sidrolândia
Geral
Vídeo - Cão não aceita ficar no carro e buzina até ser "resgatado"

Mais Lidas

Clima
Previsão é de chuva na capital com aviso do Inmet de perigo potencial
Cidade
Odilon Júnior participa de ato para regularização fundiária na “Favela do Linhão”
Economia
Campo Grande é campeã em novas empresas em 2019
Polícia
Quatro homens foram autuados em R$16 mil por exploração ilegal de madeira