Menu
Busca sexta, 17 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Geral

Repelente caseiro não espanta mosquito da dengue

15 outubro 2011 - 06h17Arquivo

Repelentes feitos em casa a base de citronela, andiroba e outras substâncias oleosas, segundo pesquisadores e médicos veterinários não são um meio eficaz de afastar o mosquito da dengue.

No máximo diminui a concentração por uma hora e, garantem picadas em uma pele cheirosa. De acordo com a médica veterinária do setor entomologia do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), Elaine Araújo, "as receitas caseiras funcionam menos que os repelentes com produtos químicos. O correto mesmo é não deixar depósitos de água acumulada, pois combatemos a larva e não deixamos que ela cresça".

"Não adianta fazer os repelentes caseiros, evite a coleção de água parada no ralo, calha. A receita caseira pode fazer efeito em até 50% dos casos, mas dura pouco tempo. Óleos e cravo da índia não funcionam nem para os pescadores", informou a médica veterinária.

A justificativa é partilhada com o resultado de pesquisas feitas na Unesp de Botucatu, que testaram as principais receitas caseiras para afastar o Aedes aegypti. Os resultados foram divulgados pela revista "Unesp Ciência".

Com a chegada do verão, época em que os casos de dengue disparam, as fórmulas mágicas e "naturais" proliferam quase tão rápido quanto o mosquito que transmite a doença, ganhando espaço em correntes de e-mail, redes sociais e até em alguns programas de televisão.

"O maior perigo é a falsa sensação de segurança. As pessoas aplicam essas substâncias achando que vão estar protegidas contra a doença, mas, na verdade, estão vulneráveis", diz Hélio Miot, professor de Dermatologia e um dos coordenadores da pesquisa, que será publicada na "Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical".

Para combater o mosquito diariamente, Elaine Araújo, não recomenda usar repelentes comprados todos os dias, pois "podem intoxicar o organismo de quem estiver usando prolongadamente". Além disso, a médica veterinária explica que o mosquito da dengue vem se adaptando ao longo do tempo em água limpa e hoje, está migrando até as fossas.

A dengue possui quatro tipos de sorotipos, sendo que a hemorrágica pode ser desenvolvida em qualquer um deles, e pode até matar uma pessoa.

Teste

Na Unesp, para realizar o experimento, os cientistas usaram andiroba, cravo-da-índia, citronela, óleo de soja e outros produtos que a crença popular diz afastar o mosquito.

"Eles afastaram os mosquitos por um curto período. Algumas centenas de segundos apenas. Nenhum superou os repelentes industrializados", avaliou Hélio Miot.

Velas

As velas à base de citronela e andiroba, porém, podem fazer diferença."Qualquer meio que bagunce esses sensores já ajuda. Acender fogueiras é um método muito antigo de espantar insetos", diz Miot.

"Qualquer vela, mesmo as comuns, vai contribuir. Isso, porém, só funciona em ambientes fechados e com tamanho restrito. Numa varanda, por exemplo, não serviria pra nada", completou o pesquisador da Unesp.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Carreta com pluma de algodão pega fogo na MS-395
Geral
Casal quase é levado pela chuva em Itaporã
Geral
Peão de 50 anos morre esmagado por cavalo no Pantanal
Vídeos
Vídeo: Menina de 10 anos cai em cisterna de 15 metros
Vídeos
Vídeo: Corna arrasta 'Ruivinha' pelos cabelos após descobrir traição
Geral
Capital libera 100% de lotação em bares e eventos, sem plano de biossegurança
Geral
Motociclista morre após bater de frente com picape em MS
Geral
Procon/MS defende PIX e alerta consumidor não cair em golpes
Geral
Chuva da primavera pode ser insuficiente para amenizar seca no Rio Paraguai
Geral
Mãe lamenta morte de jovem que bateu em caçamba de entulhos

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Onda onda, olha a onda", Brasil pode ser atingido por tsunami
Geral
Esacheu perde eleição para Jary Castro na Santa Casa
Polícia
Pedreiro morre ao cair do segundo andar de obra no Alphaville 4
Polícia
Vídeo: Homem é flagrado “encoxando” mulher em coletivo na Capital