Menu
Busca sábado, 16 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Geral

Repelente caseiro não espanta mosquito da dengue

15 outubro 2011 - 06h17Arquivo

Repelentes feitos em casa a base de citronela, andiroba e outras substâncias oleosas, segundo pesquisadores e médicos veterinários não são um meio eficaz de afastar o mosquito da dengue.

No máximo diminui a concentração por uma hora e, garantem picadas em uma pele cheirosa. De acordo com a médica veterinária do setor entomologia do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), Elaine Araújo, "as receitas caseiras funcionam menos que os repelentes com produtos químicos. O correto mesmo é não deixar depósitos de água acumulada, pois combatemos a larva e não deixamos que ela cresça".

"Não adianta fazer os repelentes caseiros, evite a coleção de água parada no ralo, calha. A receita caseira pode fazer efeito em até 50% dos casos, mas dura pouco tempo. Óleos e cravo da índia não funcionam nem para os pescadores", informou a médica veterinária.

A justificativa é partilhada com o resultado de pesquisas feitas na Unesp de Botucatu, que testaram as principais receitas caseiras para afastar o Aedes aegypti. Os resultados foram divulgados pela revista "Unesp Ciência".

Com a chegada do verão, época em que os casos de dengue disparam, as fórmulas mágicas e "naturais" proliferam quase tão rápido quanto o mosquito que transmite a doença, ganhando espaço em correntes de e-mail, redes sociais e até em alguns programas de televisão.

"O maior perigo é a falsa sensação de segurança. As pessoas aplicam essas substâncias achando que vão estar protegidas contra a doença, mas, na verdade, estão vulneráveis", diz Hélio Miot, professor de Dermatologia e um dos coordenadores da pesquisa, que será publicada na "Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical".

Para combater o mosquito diariamente, Elaine Araújo, não recomenda usar repelentes comprados todos os dias, pois "podem intoxicar o organismo de quem estiver usando prolongadamente". Além disso, a médica veterinária explica que o mosquito da dengue vem se adaptando ao longo do tempo em água limpa e hoje, está migrando até as fossas.

A dengue possui quatro tipos de sorotipos, sendo que a hemorrágica pode ser desenvolvida em qualquer um deles, e pode até matar uma pessoa.

Teste

Na Unesp, para realizar o experimento, os cientistas usaram andiroba, cravo-da-índia, citronela, óleo de soja e outros produtos que a crença popular diz afastar o mosquito.

"Eles afastaram os mosquitos por um curto período. Algumas centenas de segundos apenas. Nenhum superou os repelentes industrializados", avaliou Hélio Miot.

Velas

As velas à base de citronela e andiroba, porém, podem fazer diferença."Qualquer meio que bagunce esses sensores já ajuda. Acender fogueiras é um método muito antigo de espantar insetos", diz Miot.

"Qualquer vela, mesmo as comuns, vai contribuir. Isso, porém, só funciona em ambientes fechados e com tamanho restrito. Numa varanda, por exemplo, não serviria pra nada", completou o pesquisador da Unesp.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Lewandowski determina que governo federal forneça oxigênio e insumos a hospitais de Manaus
Geral
"Vai com bum bum tam tam, viva o Butantan!": MC Fioti grava clipe sobre a CoronaVac
Geral
COVID: Itália proíbe voos brasileiros e orienta viajantes
Geral
Doguinho tem rins e fígado afetados após ser picado por escorpião e família pede ajuda
Geral
TJ ganha reconhecimento facial
Geral
Vídeo: Mentora fitness corre de biquíni na Afonso Pena
Geral
Defensoria Pública de MS pretende evitar prisões irregulares
Geral
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 13 milhões no sábado
Geral
Polícia Federal abre concurso com 1.500 vagas
Geral
Sindicato dos Bancários se manifesta contra reestruturação no Banco do Brasil

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio