Menu
Busca sábado, 20 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Rios que alimentam o Pantanal podem ganhar 62 novas hidrelétricas

22 abril 2011 - 10h17Arquivo
Queimadas, exploração agropecuária desordenada, pesca predatória - essas ameaças ao ecossistema do Pantanal são conhecidas. Hoje, no entanto, ambientalistas apontam para um problema novo: a construção de hidrelétricas na região.

As usinas tiram proveito da queda natural entre o Planalto Central do Brasil e a planície onde fica o Pantanal. Hoje já existem 37 barragens em rios que alimentam a região e mais 62 hidrelétricas estão em construção ou em estudos. Quase todas são pequenas centrais que produzem pouca energia.

O pesquisador Paulo Petry, de uma entidade internacional de proteção do meio ambiente, diz que as usinas alteram o regime anual de cheias e secas que é responsável pela biodiversidade do Pantanal. Ele compara os barramentos a coágulos na circulação sanguínea de uma pessoa.

Pesca afetada

O município de Barão do Melgaço já foi um dos maiores produtores de peixe de água doce do Pantanal. Os pescadores das margens do Rio Cuiabá tiravam os pintados, os pacus, que eram vendidos em vários estados do brasil. Já não é assim. Muita coisa mudou por aqui.

Os pescadores são unânimes: a construção de uma barragem rio acima provocou uma queda drástica na quantidade de peixes.

Eles não estão conseguindo mais chegar aonde eles chegavam antes e a água não tem mais as mesmas características quando eles sobem os rios. isso dificulta o processo de reprodução deles.

As secretarias de Meio Ambiente de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, responsáveis pela aprovação de quase todas as usinas da região, negam a existência de um grande impacto ambiental. E não pretendem barrar o plano de expansão das hidrelétricas.

“Nós precisamos de estudos cientificos, de algo concreto a fim de que possamos mudar procedimento, mudar os nossos roteiros e acompanhar como esta se desenvolvendo toda utilizaçao desta regiao do pantanal”, diz o secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, Alexander Maia.

“Até o momento, não existe nenhum estudo que indique enfim alguma coisa de alto risco, ou coisa que o valha”, afirma o secretário de Meio Ambiente de Mato grossso do Sul, Carlos Alberto Said Menezes.

Cachoeira

As usinas também são acusadas de destruir belezas naturais.

A cachoeira Sumidouro do Rio Correntes já foi a maior atração turística da cidade de Sonora. Mas a barragem Ponte de Pedra desviou 70% do volume de água para as comportas. Com apenas 30%, o lugar ainda é bonito, mas perdeu a antiga força natural que maravilhava os turistas que vinham de longe para conhecer este lugar.

“Foi discutido na época do projeto, todos sabiam que ia perder essa beleza natural, infelizmente é o preço que temos que pagar. Você nao consegue gerar energia eletrica se não aproveitar essa queda natural que existe”, diz o gerente de Meio Ambiente da usina, José Lourival Magri.

Com informações do portal G1.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Sete em cada dez internautas pretendem comprar chocolate na Páscoa
Geral
“Em tempos de crise a solução é inovar”, diz empresária
Geral
Unesul, São Luiz e Eucatur são autuadas por não concederem gratuidade a idosos
Geral
Ministério divulga regras para policiamento comunitário
Geral
PRF inicia a "Operação Semana Santa" nas rodovias federais de MS
Geral
Siqueira contesta financiamento para beneficiar caminhoneiros
Geral
Fiems apresenta projeto e firma parceria com Prefeitura de Ponta Porã
Geral
Guarda Metropolitana atua em esquema especial para evitar "massacres"
Geral
“Ponto de equilíbrio da democracia brasileira”, diz Reinaldo sobre o Exército
Geral
Vídeo - Em encontro sustentável, secretário de Marquinhos cai de patinete

Mais Lidas

Polícia
Empresário e funcionário morrem eletrocutados durante trabalho
Polícia
Corpo de mulher é encontrado amarrado em árvore às margens da BR-262
Justiça
Julgamento de juiz é adiado
Polícia
Motorista é encontrado morto com 14 facadas