Menu
Busca domingo, 25 de julho de 2021
(67) 99647-9098
TJMS julho-21
Geral

Sob efeito do álcool, afogamentos são comuns até para quem sabe nadar

O Corpo de Bombeiros alerta para esses acidentes, em especial nessa época do ano, período de férias e calor

20 janeiro 2019 - 12h51Da redação

O consumo de bebida alcoólica nos momentos de lazer em piscinas, rios e mares traz um grande risco aos banhistas. Sob o efeito de álcool, perde-se a capacidade respiratória, capacidade motora, equilíbrio e força muscular, o que pode acabar em afogamento. As tragédias acontecem até mesmo com quem sabe nadar. O Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul alerta para esses acidentes, em especial nessa época do ano, período de férias e calor.

“A ingestão de bebida alcoólica tem sido um fator complicador. Rios, mares e piscinas já são perigosos se não houver atenção, se o indivíduo beber, isso pode ser ainda pior. Até mesmo para quem sabe nadar, o álcool é fatal”, explicou o tenente do Corpo de Bombeiros Diego Baumgardt, mergulhador e especialista em salvamento aquático.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram registrados 50 atendimentos por afogamento em 2018 e 56 em 2017 no Estado. Nos primeiros 17 dias de 2019, foram contabilizados três afogamentos em Mato Grosso do Sul, um na Capital e dois no interior. Não há informações de quantas vítimas estariam  alcoolizadas nesses somatórios.

Segundo relatos do tenente, no começo do ano, um homem de 60 anos, morador de Rio Negro, morreu afogado na Cachoeira do Rio do Peixe depois de entrar no rio alcoolizado. “Ele era conhecido na região como guia por conhecer tanto o local. Além disso, ele sabia nadar”, explicou. A vítima estava com familiares na cachoeira no dia da tragédia e ele mesmo já havia alertado sobre lugares onde parentes não deviam ficar.

“Familiares relataram que ele estava visivelmente alcoolizado. Ele começou a se debater na água, em um lugar mais afastado das outras pessoas, e como ele sabia nadar e conhecia muito bem o local, acharam que ele estava brincando. Só perceberam que não era brincadeira quando ficou apenas o boné boiando na água e ele sumiu no rio”, conta o tenente. A água turva quase impossibilita a visão e, nesses casos, a dificuldade de encontrar o indivíduo sem equipamentos de mergulho é de dificuldade extrema.  

Além da bebida alcoólica, a falta de sinalização em rios e lagos pode ser fator determinante para a ocorrência de acidentes. “Muitos balneários e rios não estão certificados pelo Corpo de Bombeiros e por isso não possui placas de advertência como: ‘Não pule’, ‘Cuidado com pedras’ e outras sinalizações importantes para os banhistas”, ressaltou Baumgardt.

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Confira os links de acesso para ver os shows em casa neste sábado
Geral
TJMS anuncia leilão de 77 lotes de veículos
Geral
'Jantar eleitoral': A nova tentativa de golpe com nome de Geraldo Resende
Geral
Idoso sai para ir ao dentista e desaparece em Campo Grande
Geral
Atriz pornô deixou gravação após diretor sugerir cena com cruz
Geral
Governo ajudará a achar solução para perdas com geada
Geral
Murilo segue internado em SP
Geral
Será liberado mais um acesso ao Parque dos Poderes neste sábado
Geral
Joice Hasselman acorda em poça de sangue e diz não saber o que houve
Geral
TJ-MS irá digitalizar 100% dos processos físicos até setembro

Mais Lidas

Polícia
Mãe e filha são ameaçadas e têm carro riscado ao pedir para vizinha abaixar o som
Polícia
Pais são presos suspeitos de torturar, abusar e matar filho de 1 ano
Polícia
Funcionária esquece cartão em sacola de roupas e cliente gasta R$ 856
Polícia
Atirador em gol rebaixado faz uma vítima no Moreninhas III