Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Sob efeito do álcool, afogamentos são comuns até para quem sabe nadar

O Corpo de Bombeiros alerta para esses acidentes, em especial nessa época do ano, período de férias e calor

20 janeiro 2019 - 12h51Da redação

O consumo de bebida alcoólica nos momentos de lazer em piscinas, rios e mares traz um grande risco aos banhistas. Sob o efeito de álcool, perde-se a capacidade respiratória, capacidade motora, equilíbrio e força muscular, o que pode acabar em afogamento. As tragédias acontecem até mesmo com quem sabe nadar. O Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul alerta para esses acidentes, em especial nessa época do ano, período de férias e calor.

“A ingestão de bebida alcoólica tem sido um fator complicador. Rios, mares e piscinas já são perigosos se não houver atenção, se o indivíduo beber, isso pode ser ainda pior. Até mesmo para quem sabe nadar, o álcool é fatal”, explicou o tenente do Corpo de Bombeiros Diego Baumgardt, mergulhador e especialista em salvamento aquático.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram registrados 50 atendimentos por afogamento em 2018 e 56 em 2017 no Estado. Nos primeiros 17 dias de 2019, foram contabilizados três afogamentos em Mato Grosso do Sul, um na Capital e dois no interior. Não há informações de quantas vítimas estariam  alcoolizadas nesses somatórios.

Segundo relatos do tenente, no começo do ano, um homem de 60 anos, morador de Rio Negro, morreu afogado na Cachoeira do Rio do Peixe depois de entrar no rio alcoolizado. “Ele era conhecido na região como guia por conhecer tanto o local. Além disso, ele sabia nadar”, explicou. A vítima estava com familiares na cachoeira no dia da tragédia e ele mesmo já havia alertado sobre lugares onde parentes não deviam ficar.

“Familiares relataram que ele estava visivelmente alcoolizado. Ele começou a se debater na água, em um lugar mais afastado das outras pessoas, e como ele sabia nadar e conhecia muito bem o local, acharam que ele estava brincando. Só perceberam que não era brincadeira quando ficou apenas o boné boiando na água e ele sumiu no rio”, conta o tenente. A água turva quase impossibilita a visão e, nesses casos, a dificuldade de encontrar o indivíduo sem equipamentos de mergulho é de dificuldade extrema.  

Além da bebida alcoólica, a falta de sinalização em rios e lagos pode ser fator determinante para a ocorrência de acidentes. “Muitos balneários e rios não estão certificados pelo Corpo de Bombeiros e por isso não possui placas de advertência como: ‘Não pule’, ‘Cuidado com pedras’ e outras sinalizações importantes para os banhistas”, ressaltou Baumgardt.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo - Águia Negra lamenta morte de ex-jogador
Brasil
Ex-estrela do programa Raul Gil comete suicídio
Cidade
Com suspeita de pneumonia, bebê é resgatado por helicóptero
Geral
Distritos de Jaraguari serão asfaltados nos próximos dias
Geral
Avianca cancela 50 voos em Campo Grande
Geral
TRE divulga gabarito do processo seletivo para estagiários de ensino médio
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira
Geral
Seminário em memória às vítimas de acidente de trabalho acontece nesta segunda, na capital
Geral
Canal eletrônico de ouvidoria da Agepan completa um ano
Geral
Status de área livre de aftosa sem vacinação é oportunidade estratégica para MS

Mais Lidas

Polícia
Casal morre em acidente na MS-164
Polícia
Jovem morre afogado em piscina do Corumbaense Futebol Clube
Saúde
Ibuprofeno e cetoprofeno podem agravar infecções
Geral
Mega acumula e poderá pagar R$ 90 milhões na quarta-feira