Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Geral

Zeca promete ‘acabar’ com impostos cobrados dos micros e pequenos empresários

01 julho 2010 - 09h54Celso Bejarano

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio do Santos, o Zeca do PT, disse hoje à tarde, após a convenção do partido, que um de seus “primeiros atos”, em caso de vitória sobre o governador André Puccinelli, candidato à reeleição do PMDB, será o de “acabar” com os impostos estaduais cobrados dos micro e pequenos empresários.

“Vamos extinguir com a ditadura fiscal imposta aqui nos dias de hoje”, disse ele em coletiva de imprensa, no auditório do hotel Jandaia, área central de Campo Grande. O candidato não detalhou o número de favorecidos com o projeto prometido.

Disse, contudo, que os micros e pequenos empresários são vítimas do que ele chamou de “bitributação”. Isto é, o segmento estaria pagando um imposto sobre uma mercadoria a duas fontes.

Outra medida aplicada por Zeca, se eleito, segundo ele, tem a ver com um projeto criado no início de seu governo, em 1999, batizado de Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de Mato Grosso do Sul).

Esse fundo é arrecadado por meio de impostos captados de negócios que envolvem o transporte de grãos e animais, e o recurso aplicado em melhorias das estradas, por exemplo.

O candidato petista disse que quer “rever” o projeto para não cometer “injustiça com o contribuinte”. Ele disse “desconfiar” que o tributo estaria sendo mal aproveitado.

Campanha

Ainda na coletiva de imprensa, Zeca do PT disse que não teme a candidatura de Puccinelli, que conquistou uma aliança composta por 14 partidos; já o petista acertou hoje coligação com sete partidos. “vamos vencer as eleições nas ruas, no corpo o corpo, não temo quem tem mais dinheiro. E mais: em 1998, quando vencemos, tínhamos seis alianças, e se levarmos em conta essa comparação estamos melhor agora”, disse ele.

Zeca do PT disse que sua campanha deva custar em torno de R$ 10 milhões, dinheiro que, segundo ele deve ser arrecadado por meio de doação feita pelo partido estadual e nacional e também de pessoas que estariam interessadas em ajudá-lo.

“Tem grandes fazendeiros, grandes empresários, descontentes, a fim de nos ajudar”, disse ele. Já o candidato do PMDB, André Puccinelli, prevê um gasto maior. Ele disse nesta semana que sua campanha deva consumir entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões.

 

Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ganhador da Mega-Sena pode levar R$ 2,5 mi neste sábado
Geral
Atenção: Nota MS Premiada sorteará R$ 300 mil neste sábado
Geral
Heber Xavier assume Santa Casa
Geral
Hospital Regional de Ponta Porã instala estrutura para pacientes com dengue
Geral
Campanha ajuda pessoas necessitadas na capital durante pandemia de Covid-19
Geral
AO VIVO – Atualização de casos de coronavírus em MS
Geral
Reinaldo adota linha mais discreta, é criticado, mas resultados são bons
Geral
Acordo permitirá que intercambistas remarquem viagens gratuitamente
Geral
Sorteio da Nota MS Premiada permanece neste sábado
Geral
Sem se preocupar com pandemia, prefeito quer 13% de aumento no salário

Mais Lidas

Polícia
Homem que fazia "disque entrega" de drogas é preso após perseguição
Saúde
Pesquisa aponta que isolamento vertical aumenta perigo de mortes
Polícia
Homem é preso após furtar bicicleta de loja no centro de Campo Grande
Geral
Ganhador da Mega-Sena pode levar R$ 2,5 mi neste sábado