Menu
Busca quarta, 24 de fevereiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo - campanha estado que cresce - Topo
Internacional

Aos 90 anos, morre Carlos Menem, ex-presidente da Argentina

Ele é o político governou o país por mais tempo sem interrupção (1989-1999)

15 fevereiro 2021 - 10h37Marcos Tenório, com informações Agência Estadão

Morreu aos 90 anos, o ex-presidente argentino Carlos Saúl Menem, na manhã deste domingo (14), em uma clínica de Buenos Aires. Ele é o político governou o país por mais tempo sem interrupção (1989-1999).

O ex-chefe do Executivo argentino ocupava o cargo de senador por La Rioja desde 2005 e participou até o ano passado de reuniões virtuais da Casa. Em julho, uma pneumonia o levou a ser internado e desde então seu quadro de saúde vinha piorando.

O presidente Alberto Fernández decretou três dias de luto nacional. “Sempre eleito na democracia, foi governador de La Rioja, presidente da Nação e senador nacional. Durante a ditadura foi perseguido e preso. Todo o meu amor vai para Zulema, Zulemita e todos aqueles que o choram hoje”, escreveu Fernández no Twitter.

 

 

Em 1991, sua gestão introduziu a paridade do dólar com o peso argentino em um plano formulado com o seu então ministro da Economia Domingo Cavallo. Ele conseguiu frear a hiperinflação, mas quando deixou o governo o país enfrentou uma séria recessão, que culminou na grave crise de 2001, durante a presidência de Fernando de la Rúa.

Ultraliberal, a gestão Menem promoveu a desregulamentação da economia e a privatização das principais empresas públicas, com inúmeras denúncias de corrupção. O desfecho de sua década de governo, marcada pelo particular gosto por automóveis e relação com celebridades, tornou-o um alvo da esquerda peronista, em particular do kirchnerismo.

Em 2001, ficou preso por quase seis meses, acusado na investigação de venda ilegal de armas para a Croácia e Equador. Em 2018, o processo foi extinto. Em 2015, foi condenado a quatro anos e meio de prisão, sob acusação de pagamento de propina. No ano passado, foi absolvido em um julgamento por encobrir o atentado contra a Associação Mutual Israelita-Argentina, que deixou 85 mortes.

Pouco depois, foi condenado a três anos em ação por suposta fraude na venda de um imóvel da Sociedade Rural, em Palermo. Nenhuma dos processos teve sentença definitiva e o mandato como senador lhe garantiu vantagens processuais. De acordo com o jornal La Nación, ele passou os últimos anos em um apartamento no bairro de Belgrano, ao lado de sua filha.

cartorio2RI

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Filhote de cachorro nasce com 6 patas em "milagre" veterinário
Internacional
Foragido, homem não aguenta ficar com a família e se entrega à polícia
Internacional
Vídeo: Mulheres se fingem de idosas para tomar vacina contra Covid-19
Internacional
Rússia identifica primeiros casos de gripe aviária H5N8 em humanos
Internacional
Mãe foge com namorado da filha após neto nascer
Internacional
Homem se mata, após atirar diversas vezes contra esposa na fronteira
Internacional
Onda de frio deixa um morto e mais de 4 milhões sem energia no Texas
Internacional
Índia detecta variantes brasileira e sul-africana do coronavírus
Internacional
Fala de Boateng deixou ex perturbada, diz amiga de modelo encontrada morta
Internacional
Modelo é achada morta uma semana após término com namorado

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio