Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS nov21
Internacional

Biden se pronuncia e critica falta de reação do Afeganistão

Acordo de paz para retirada das tropas norte-americanas do país asiático foi assinado em 2020 por Donald Trump

17 agosto 2021 - 07h29Sarah Chaves, com informações da CNN e G1

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se pronunciou pela primeira vez após a retirada de militares norte-americanos do Afeganistão na noite de segunda-feira (16), e reiterou que o país agiu certo.

A medida abriu caminho para a tomada do controle do Afeganistão pelo grupo extremista Talibã. "Eu mantenho com firmeza minha posição", reforçou Biden em discurso. O presidente ainda reconheceu que o avanço do Talibã pegou de surpresa o governo americano."Isso tudo realmente se desenrolou mais rápido do que pensávamos".

Cumprindo um plano que se iniciou ainda no governo Donald Trump, os EUA iniciaram neste ano a retirada dos militares americanos que estavam há 20 anos em solo afegão

Com a saída dos americanos, o Talibã ganhou terreno sobre as forças oficialistas apoiadas por Washington até que, neste fim de semana, o grupo extremista tomou Cabul, a capital afegã.

Biden também criticou a falta de reação das forças oficiais afegãs diante da ofensiva Talibã. "Os EUA não podem participar e morrer em uma guerra em que nem o próprio Afeganistão está disposto a lutar", disse.

Além disso, no pronunciamento, Biden defendeu que os EUA conseguiram retirar o risco do grupo terrorista Al-Qaeda — que era aliado do Talibã e esteve por trás dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Segundo o presidente dos EUA, o foco da missão americana nunca foi "construir uma nova nação" no Afeganistão, e sim reduzir o risco do terrorismo.

Biden criticou também a falta de um cessar-fogo, de um acordo ou de qualquer outra garantia de que não haveria mais ataques a partir de 1º de maio de 2021— data estipulada na gestão Trump para a retirada dos militares americanos. Segundo o presidente, haverá resposta caso o Talibã ataque combatentes ou civis americanos.

"A reposta dos EUA será ágil e contundente", disse Biden.


EUA e Afeganistão: 2001

Os EUA atacaram o Afeganistão em 2001, em reação ao atentado do 11 de Setembro, e tiraram o grupo extremista do poder. O Talibã foi acusado pelos americanos de esconder e financiar membros da Al-Qaeda, grupo terrorista comandado por Osama bin Laden e responsável pelo atentado.

Em fevereiro de 2020, o então presidente americano, Donald Trump, assinou acordo de paz com o Talibã que previa a retirada total das tropas do país até abril deste ano. Assim, já empossado, Biden manteve o acordo e adiou a saída completa para o fim deste mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Bélgica detecta 1º caso de nova variante do coronavírus na Europa
Internacional
Agência reguladora do Chile aprova CoronaVac em crianças maiores de 3 anos
Internacional
Papai Noel vive romance gay em propaganda dos correios da Noruega
Internacional
Apaixonado, jogador italiano transferiu R$ 4,3 milhões para fake de atriz brasileira
Internacional
Grammy anuncia lista de indicados para o prêmio em 2022
Internacional
Acidente com ônibus deixa 45 pessoas mortas
Internacional
Rússia vai retomar importação de carnes bovina e suína do Brasil
Internacional
Em teste espacial, Nasa lança sonda para atingir e desviar asteroide
Internacional
Após acidente, motoqueiro fica pendurado em fio de alta tensão
Internacional
Noiva customiza vestido de casamento para noivo cego 'enxergar'

Mais Lidas

Geral
Amiga 'fura-olho' leva surra após esposa descobrir traição; assista
Geral
Queda de helicóptero deixa três mortos
Geral
Piloto corumbaense está entre os desaparecidos em queda de avião no mar
Polícia
Homem é detido com moto roubada no Terminal General Osório