Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Internacional

Incêndios na Austrália são uma catástrofe ecológica, aponta cientista

Segundo especialistas, demorará décadas para ser superado e exige apoio financeiro significativo e mudanças de políticas ambientais

14 janeiro 2020 - 15h31Marya Eduarda Lobo, com informações da Agência Brasil

Incêndios florestais das últimas semanas na Austrália demorará décadas para ser superado e exige apoio financeiro significativo e mudanças de políticas ambientais, advertem especialistas. É considerado uma ‘catástrofe ecológica’.

Segundo Stuart Blanch, cientista ambiental e um dos responsáveis pelo setor de reflorestamento da World Wide Fund – Austrália (WWFA), essas mudanças exigem, necessariamente, medidas concretas para evitar que continue a aumentar a temperatura.

Nas ultimas semanas, o fogo queimou uma area maior que Portugal, com sérios danos a ecossistemas, especialmente na costa leste do país, deixando varias espécies ameaçadas.

O numero de 1 bilhão de animais mortos baseia-se em estudo feito em 2007 por um grupo de cientistas especializados em répteis, mamíferos e outros animais que estimava que, em média, havia entre 150 e 160 animais vertebrados em cada hectare do ecossistema.

Em média, 80% desses animais são répteis, incluindo lagartos e cobras, 12% a 15% são aves e 5% a 8% são mamíferos, ficando fora do total morcegos, sapos, peixes e insetos, cujas populações não foram contabilizadas pelo estudo.

Novos levantamentos estão sendo feitos para determinar com mais precisão a presença desses e de outros animais nos vários ecossistemas da Austrália, para assim permitir avaliações mais detalhadas em casos como os atuais, acrescentou.

Segundo Blanch, ainda que os animais selvagens e as próprias florestas tenham se adaptado ao fogo ao longo de milhares de anos, não implica que os animais tenham conseguido escapar dos atuais incêndios, de dimensão e extensão fora do normal.

Falta de comida, cansaço dos animais, que têm de viajar grandes distâncias, e até os que ficam presos em vedações de propriedades agrícolas, acabam por , aumentar a perda de vida selvagem.

Anna Felton, da organização ambiental Wires - que administra uma rede de voluntários envolvidos no apoio à vida selvagem - diz que é impossível saber quantos animais morreram, mas que muitas espécies já estavam com problemas devido à falta de água e alimentos por causa da seca prolongada em vários locais.

A Wires diz que "nunca na sua história viu um momento de emergências paralelas como as que começaram em novembro" com os fogos a terem um impacto a longo prazo para os animais que sobreviveram.

Só em dezembro, a organização recebeu mais de 20 mil chamadas - mais 14% que no ano passado. Os voluntários da Wires fizeram mais de 3.300 salvamentos de animais.

Entre os animais em maior risco, Stuart Blanch destaca a população de coalas, "especialmente vulneráveis na costa leste" e que "devem ser consideradas sob ameaça de extinção" e o `Regent Honey Eater`, pássaro que já estava ameaçado e que perdeu praticamente todo o seu habitat.

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Homem arranca e come as próprias orelhas dentro da prisão
Internacional
Vídeo: mulher é espancada e executada a tiros por quatro homens
Internacional
Acidente aéreo na Ucrânia deixa 26 mortos
Internacional
Projeto piloto usa cães para detectar coronavírus em aeroporto
Internacional
Vídeo - Laboratório da Huawei explode e fica em chamas na China
Internacional
Vídeo: Idoso se confunde e tenta tirar álcool gel de máquina de raspadinha
Internacional
Marido abre a barriga de grávida para conferir o sexo do bebê
Internacional
Moradores se assustam com “ratazana gigante” retirada de esgoto
Internacional
Sem motivos ou explicações, Torre Eiffel, em Paris, foi esvaziada
Internacional
Noivo descobre traição antes do casamento e se vinga

Mais Lidas

Polícia
Mega busca nas margens da BR-163 para encontrar assaltantes
Saúde
“Rastrear” é aposta para barrar o avanço do coronavírus em MS
Polícia
Corpo de criança de 2 anos é encontrado no Rio Paraguai
Cidade
Quarta-feira prazo final para quitação de licenciamento para placas final 9