Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Assassinos e pedófilos podem ser soltos com decisão de Marco Aurélio, diz MPF

O ministro do STF determinou a soltura de condenados em segunda instância

19 dezembro 2018 - 17h34Da redação

A 2ª Câmara Criminal do Ministério Público Federal (MPF) divulgou nesta quarta-feira (19) uma nota sobre a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio, que determinou a soltura de todos os presos detidos em razão de condenações confirmadas em segunda instância.

No texto, os membros do MPF afirmam que a medida cautelar contribui para a insegurança jurídica e para o aumento da impunidade. O órgão reforça que a decisão pode colocar em liberdade, condenados por crimes gravíssimos como assassinos e pedófilos.

Veja a nota na íntegra:

NOTA - Medida Cautelar na Ação Declaratória de Constitucionalidade nº 54

Os membros integrantes da Câmara Criminal do Ministério Público Federal, surpreendidos e indignados com a medida cautelar tomada na Ação Declaratória de Constitucionalidade nº 54, de relatoria do Ministro Marco Aurélio, vêm se manifestar nos seguintes termos.

A referida medida cautelar, proferida na data de hoje, 19 de dezembro de 2018, “determinou a suspensão de execução de pena cuja decisão a encerrá-la ainda não haja transitado em julgado”. Isso significa que podem ser soltos os presos que estão detidos em razão de condenações após a 2ª instância da Justiça.

A decisão contraria o que já havia decidido o Plenário do STF que, por maioria, indeferiu as liminares nas ADCs 43 e 44 e entendeu que o art. 283 do Código de Processo Penal não impede o início da execução da pena após condenação em segunda instância, conforme prevaleceu no julgamento do Habeas Corpus 126292, bem como desrespeita a soberania do Júri.

Essa decisão monocrática, portanto, contribui para a insegurança jurídica e aumento da impunidade. Além do mais, pode significar a soltura de inúmeras pessoas com condenações por crimes gravíssimos como homicídio, latrocínio, estupro, pornografia infantil, participação em milícias, organizações e facções criminosas, corrupção, desvio de recursos públicos e fraudes a licitação, que prejudicam a real implementação de políticas públicas como as de saúde, educação e segurança pública.

Espera-se que o Plenário do STF, ciente da repercussão dessa medida cautelar tomada monocraticamente em dissonância do entendimento da maioria de seus membros, aprecie o quanto antes essa questão e garanta a efetividade do direito penal e dos bens jurídicos por ele tutelados.

Por fim, confiamos que o recurso da Procuradora-Geral da República contra a referida decisão seja acatado pela Presidência do Supremo Tribunal Federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Maioria do STF considera inconstitucional corte de salário de servidor
Justiça
Agente federal é absolvido de homicídio pela justiça
Justiça
Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento é lançado pela CNJ
Justiça
Dodge reafirma apoio à Lava Jato
Justiça
MPF solicita arquivamento de "inquérito das fake news"
Justiça
TJ manda destravar promoção de procuradores
Justiça
Moradora de MS terá direito de resposta após ser ofendida por apresentador da Band
Justiça
Mais de 2 mil processos serão eliminados em Angélica
Justiça
Jovem que causou acidente com morte de idosos vai a júri popular
Justiça
Fux decide que provas de investigação sobre hackers devem ser preservadas

Mais Lidas

Polícia
Família encontra jovem morto e suspeita é de suicídio
Polícia
Polícia apresenta acusado de estupro e roubo no Jardim Carioca
Polícia
Confusão em tabacaria da Moreninha termina em morte
Polícia
Rapaz é contatado por aplicativo para fazer corrida e desaparece