Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99647-9098
Sebrae
Justiça

Conduta de ex-presidente do TJMS é apurada após fuga de narcotraficante

Homem sentenciado a 126 anos rompeu tornozeleira e fugiu depois de 8 horas do benefício concedido

13 abril 2021 - 09h00Gabrielly Gonzalez

Corregedora Nacional de Justiça, ministra Maria Thereza de Assis Moura, deu continuidade ao procedimento administrativo de Divoncir Schreiner Maran, ex-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), por constatar indícios de infração disciplinar, que apura condutas do desembargador, devido à fuga de um narcotraficante.

Em abril de 2020, devido ao risco de contaminação pela Covid-19, Maran concedeu, durante plantão judicial, prisão domiciliar a um homem sentenciado a 126 anos de prisão. No entanto, apenas oito horas após o benefício, o condenado, Gerson Palermo, rompeu a tornozeleira eletrônica e fugiu.

O juiz Rodrigo Pedrini Marcos, da 1ª Vara Criminal de Três Lagoas (MS), formulou reclamação disciplinar e apresentou documentos para auxiliar na decisão. Ele apontou falta de cautela do desembargador ao conceder a prisão domiciliar.

Dossiê elaborado pelo juiz também indica que Maran não costumava conhecer de recursos em que a parte recorrente não deduzia a matéria no juízo de origem. Além disso, no mesmo dia, o desembargador não conheceu de outro Habeas Corpus, com o argumento de que não era um caso para ser apreciado em um plantão.

Maran chegou a afirmar que "tudo se vincula à análise de ato estritamente jurisdicional", e que a decisão estaria devidamente fundamentada de acordo com a periculosidade do caso. Mas a corregedora nacional considerou que o desembargador não prestou informações esclarecedoras que justificassem o arquivamento do processo.

"Não apenas o teor da decisão questionada deve ser analisado, mas também os fatores circundantes que podem ter ensejado a prática da falta disciplinar, bem como o a conduta incompatível com a dignidade, a honra e o decoro da função de magistrado, que possa extrapolar a independência funcional na formação do seu livre convencimento”, expôs Maria Thereza.

O Caso:

Palermo, de 61 anos, foi condenado por sequestrar um avião da Vasp e também por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ele estava na penitenciária de Segurança Máxima em Campo Grande. A defesa do preso alegou no pedido de habeas corpus à Justiça que Palermo era idoso, diabético, hipertenso e tinha problemas renais e que diante da pandemia deveria ser colocado em prisão domiciliar. O primeiro pedido foi negado, mas os advogados dele recorreram justificando constrangimento ilegal e no plantão judiciário o desembargador Divoncir acatou os argumentos e concedeu a liminar.

No dia 22 de abril Palermo já estava em liberdade e à noite rompeu a tornozeleira eletrônica que monitorava o cumprimento da prisão domiciliar, fugindo em seguida. No mesmo dia a liminar havia sido cassada por outro desembargador, Jonas Hass Silva Júnior, sob a justificativa que mesmo diante das afirmações sobre a saúde do preso, ele era considerado de alta periculosidade, com penas que somavam mais de 100 anos de prisão.

Com a fuga, a secretaria estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), comunicou as autoridades dos países que fazem fronteira com o Brasil por Mato Grosso do Sul e a Polícia Federal, para incluir Palermo na lista de procurados da Interpol. Palermo não foi recapturado.

Girafa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça de SP manda trocar IGPM por IPCA em duas ações sobre aluguel
Justiça
Justiça derruba bloqueio de R$22 milhões contra a Solurb
Justiça
STF deve concluir julgamento que confirma sobre parcialidade de Moro
Justiça
Daniel Castro será secretário geral dos ouvidores eleitorais
Justiça
Carrefour deposita R$ 1,1 milhão, mesmo viúva de João Alberto recusando acordo
Justiça
STF aceita por unanimidade denúncia contra Daniel Silveira
Justiça
Eduardo Cunha tem prisão revogada pelo TRF-4
Justiça
Tribunal de Justiça quer maximizar conciliações e mediações no Estado
Justiça
Entrar em presídio com chip de celular não é crime, decide STJ
Justiça
Conselho de Ética pede cassação do vereador Dr. Jairinho

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio