Menu
Busca segunda, 27 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Justiça

Desembargador Ruy Celso mantém milicianos presos

Elvis Elir e Frederico Maldonado tiveram o habeas corpus negado

09 novembro 2019 - 14h18Sarah Chaves

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), negou habeas corpus aos policiais Frederico Maldonado Arruda e Elvis Elir Camargo Lima que estão presos desde o dia 15 de outubro, por ordem do Ministério Público Estadual, acusados por organização criminosa.

A prisão preventiva dos suspeitos foi decretada para garantia da ordem pública. O pedido de revogação de prisão preventiva, foi feito pelo advogado das partes, Marcio Messias de Oliveira, que pediu prisão domiciliar a Frederico alegando bons antecedentes, e que deve ficar em casa por ser pai de família e estar acometido por um glaucoma.

Já o pedido de habeas corpus de Elvis Elir, feito também pelo advogado Márcio Messias, foi dada diante os argumentos de que o policial tem trabalho fixo, é pai de família de acordo com o art.319, decidido assim o habeas corpus em caráter excepcional, cabível apenas quando a decisão impugnada estiver eivada em flagrante.

O desembargador Ruy Cezar Barbosa Florence, indefiriu o pedido de habeas corpus, a Frederico pela acusação de criação de uma organização criminosa, com finalidade de praticar diversos homicídio. “Considerada pelo Ministério Público, uma verdadeira milícia privada. O suspeito juntamente com Elvis, utilizavam suas funções públicas em prol da família Name, e recebendo vantagens indevidas”, afirmou nos autos.

Frederico também era o responsável por trazer armas de fogo e munições da região da fronteira até campo Grande. O desembargador declarou ainda que as condições pessoais de Frederico não bastam para a concessão do benefício da liberdade provisória.

O pedido negado de Elvis se dá pelo envolvimento com a milícia envolvendo a família Name. “Inclusive com indício de que a organização teria determinado as execuções de Ilson Martins Figueiredo, Orlando da Silva Fernandes e Matheus Coutinho Xavier”, afirma o desembargador na decisão.

Embora os acusados aleguem residência fixa e ocupação lícita, tais fatos não tem peso na revogação de prisão preventiva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Criação de vagas de desembargador em MS é questionada pela OAB
Justiça
Assistente pedagógico é condenado a 12 anos por estupro de vulneráveis
Justiça
Internos farão manutenção de espaços públicos de Campo Grande
Justiça
STJ nega HC e Jamil segue preso em Mossoró
Justiça
Lei anticrime entra em vigor nesta quinta-feira
Justiça
MP acusa ex-presidente da Vale e outras 15 pessoas por 270 homicídios
Justiça
OAB quer esclarecimento do BNDES sobre auditoria de R$ 48 milhões
Justiça
Defesa diz que Valler não usou cocaína e que droga era de veterinária morta
Justiça
Em nota, MPF justifica mudança para Dourados, mas não responde sobre diárias
Justiça
Depois da “fuga” de Ponta Porã, MPF evita responder sobre diárias para idas à fronteira

Mais Lidas

Polícia
PRF e PM prendem meia tonelada de maconha durante abordagem na BR-163
Oportunidade
Funtrab divulga mais de 2,5 mil oportunidades de emprego no Estado
Saúde
Prefeitura entrega obra de revitalização da base do SAMU
Justiça
Criação de vagas de desembargador em MS é questionada pela OAB