Menu
Busca domingo, 22 de maio de 2022
(67) 99647-9098
Tjms Maio22
Justiça

“Em último caso, família autoriza exumação do corpo”, diz advogado sobre suposto filho de Jamil Name

A defesa explicou o caso em coletiva de imprensa realizada hoje (25)

25 janeiro 2022 - 10h55Rosana Lemes
O advogado da família de Jamil Name, morto na cadeia em junho de 2021, afirma que exame de DNA realizado em 2005 prova que o empresário de Osasco (SP), Afrânio Alberto da Silva Brocuá, 57 não é filho de Jamil e que “em último caso, a família autoriza a exumação do corpo”. 
 
De acordo com a defesa de Name, o suposto filho esteve em Campo Grande, realizou o exame no Instituto de Perícias Cientificas do MS e foi constatado que Jamil Name não era pai biológico dele, mas o mesmo teve uma vitória, onde o reconheceram como filho por presunção, que é quando o pai se recusa a fazer o teste de DNA.
 
“O juiz de Osasco entendeu que Jamil Name se recusou a fazer o teste, mas na verdade ele aplicou uma súmula do STJ do Superior Tribunal de Justiça de maneira equivocada. Porque recusa é você de fato falar que não vai fazer o exame”, explica o advogado.
 
Ainda segundo ele, o que chama mais atenção é que Afrânio esperou mais de dez anos para propor uma ação na comarca de Osasco. “Ele soube que não era filho desde 2005 e esperou para propor a ação. Nessa ação, nunca houve recusa por parte de Jamil para se fazer o exame de DNA. Jamil só manifestou uma objeção à forma da coleta”.
 
De acordo com a defesa, Jamil queria que a coleta fosse simultânea, ou seja, que o material fosse coletado ao mesmo tempo e lacrado na presença dos advogados. 
 
O deputado estadual e também filho do empresário, Jamilson Lopes Name entrou com ação de produção antecipava de prova para que a paternidade de Afrânio seja definida por meio de exame de DNA, mesmo que para isso, seja preciso exumação. 
 
“Para colocar em prova que o teste é válido e seguro, o próprio deputado Jamilson se prontificou em outubro do ano passado a se dirigir ao IPC, que coletou o material genético dele, e fez o mesmo teste que o Afrânio fez pra provar que o material é de Jamil Name”, explicou O advogado que disse ainda que, se ele for filho de Jamil, terá o que é seu por direito.
 
Laudo de DNA mostra que material genético de Jamil se mostrou positivo com o do filho Jamilson. O mesmo material foi usado com Afrânio e o resultado foi negativo.
 
Uma das alegações de Afrânio para poder colocar em dúvida o exame feito em 2005, é que Jamil Name é uma pessoa conhecida e que ele não confia no exame realizado. Para ele, o material genético “não é de Jamil” .
Energisa

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Havan é condenada a pagar R$ 30 mil para funcionária
Justiça
Ministério da Justiça irá investigar Mastercard por elevar taxas de intercâmbio
Justiça
Alexandre Lacerda toma posse no MP e anuncia nova sede
Justiça
STF decide que é válido punir motorista que recusar bafômetro
Justiça
Justiça tem dificuldade em encontrar peritos para avaliar Adélio Bispo
Geral
STF anuncia parceria com TSE para programa de combate a desinformação
Justiça
Bolsonaro entra com ação na PGR contra Alexandre de Moraes
Justiça
Toffoli rejeita pedido de investigação contra Alexandre de Moraes feito por Bolsonaro
Justiça
Gabriel Monteiro vira réu na Justiça
Justiça
Três agências bancárias de Sidrolândia são autuadas pelo Procon MS

Mais Lidas

Polícia
Assassinato de jovem no Aero Rancho pode ter sido motivado por vingança
Polícia
JD1TV: Jovem de 21 anos é morto a tiros no Aero Rancho
Geral
O drama de Delinha
Polícia
Motociclista que morreu após acidente na Joaquim Murtinho não tinha CNH