Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Justiça

Farmácia terá que pagar R$ 20 mil à mulher que foi aliciada em atendimento

Após aplicar injeção intramuscular, funcionário tentou beijar a cliente a força

19 maio 2020 - 14h55Sarah Chaves, com informações da assessoria

O juiz da 3ª Vara Cível de Três Lagoas, Anderson Royer, julgou parcialmente procedente a ação de Indenização por Dano Moral ajuizada por uma mulher, condenando uma drogaria ao pagamento de R$ 20 mil de indenização por danos morais uma mulher, que foi  aliciada por um funcionário durante o atendimento.

O crime ocorreu em 12 de novembro de 2017, quando a mulher foi até a farmácia para adquirir um medicamento e solicitar a sua aplicação, por tratar-se de um fármaco injetável com aplicação intramuscular.

Na sala de aplicações, onde estavam apenas a autora e o farmacêutico responsável, após a aplicação do medicamento, a autora tentou levantar seu short, quando foi surpreendida pelo funcionário agarrando-lhe por trás e dizendo: "como você está cheirosa", momento em que tentou desvencilhar-se do rapaz e ao tentar abrir a porta e sair da sala de aplicações, foi segurada pelo braço, momento em que o funcionário pediu-lhe um beijo que, uma vez negado, houve nova investida, sendo mais uma vez negada.

Ao sair da farmácia, a vítima foi diretamente até a Delegacia, e após a conclusão do inquérito policial, o crime foi capitulado como crime de estupro em sua forma tentada, ocorrendo a prisão em flagrante do autor.

Entretanto, o Ministério Público entendeu tratar-se de crime de menor potencial ofensivo, encaminhando os autos ao Juizado Especial Criminal, onde foi proposto o benefício da transação penal, que foi aceito pela mulher.

A autora do processo que sofreu o auso, pediu responsabilização de R$ 25 mil por danos morais, por parte do estabelecimento, por omissão em zelar pela boa conduta de seus funcionários e com fundamento no Código de Defesa do Consumidor.

Porém a farmácia, contestou, alegando que conforme depoimento das testemunhas, no dia do ocorrido após a aplicação do medicamento a autora saiu da sala de vacinação tranquila, "não apresentando reações diferentes, e que as alegações iniciais não passam de infundada tentativa de alcance de enriquecimento ilícito".

Conforme a decisão, o juiz Anderson Royer, ressaltou que “é de conhecimento notório, e não precisa ser um profissional da área da saúde para saber, que no momento da realização do procedimento para aplicação de injeção nas nádegas, não faz parte do procedimento aproximar-se do ‘cangote’ do paciente”.

“Assim, o pleito indenizatório deve ser acolhido, com a condenação da requerida ao pagamento da indenização pelos danos morais ocasionados à autora”, frisou o juiz.

Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Nova diretoria da Aprems tomou posse nesta sexta-feira
Justiça
McDonalds indeniza cliente em R$ 10 mil por produto vencido
Justiça
"Houve uma conspiração", alega advogado de Flordelis
Justiça
Candidatos à eleição podem tirar certidões on-line pelo TJMS
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento
Justiça
Anhanguera deverá indenizar ex-aluna por cobrança indevida
Justiça
Ministério Público move ação contra contrato do Consórcio Guaicurus
Justiça
Mutirão DPVAT: 1.787 processos podem ser finalizados em 2020
Justiça
Judiciário retoma gradativamente as atividades presenciais nesta terça
Justiça
Juiz ouve testemunhas de acusação do assassinato de Carla nesta terça

Mais Lidas

Cidade
Coca-Cola abre vagas temporárias em Campo Grande
Polícia
Vídeo: Laboratório de cocaína em Pedro Juan Caballero é descoberto
Polícia
Dois são executados a tiros por pistoleiros na fronteira
Economia
Governo anuncia Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família