Menu
Busca quinta, 20 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Funcionário que tentou envenenar empresários vai a júri

Vítimas tomaram suco de laranja servido por funcionária do frigorífico

12 junho 2019 - 16h17Rauster Campitelli, com informações da assessoria

Entre os julgamentos previstos para essa semana nas varas do Tribunal do Júri da capital, está sendo realizado hoje (12) o júri popular do réu Juliano André Lins dos Anjos, acusado de tentativa de homicídio contra o empresário Reginaldo da Silva Maia, e seu pai, Geraldo Regis Maia. De acordo com o processo, o caso aconteceu no Frigorífico Beef Nobre, no bairro Nova Campo Grande. Juliano teria colocado veneno no suco das vítimas. O julgamento acontece no Fórum Heitor Medeiros.

Segundo os autos, Juliano André tentou matar seu patrão, Reginaldo da Silva Maia, proprietário do frigorífico, e o pecuarista Geraldo Regis Maia, no dia 16 de dezembro de 2009, utilizando veneno. As vítimas ingeriram suco de laranja, que foi servido pela funcionária deles no estabelecimento. Logo após ingerirem a bebida, eles começaram a passar mal e buscaram atendimento médico. Ambos foram medicados com suspeita de envenenamento.

De acordo com o depoimento de Reginaldo da Silva, a copeira levava o suco de laranja para ele e seu pai com frequência. Porém, no dia do ocorrido, ele percebeu que a bebida apresentava um odor muito forte, parecido com o cheiro de “tinner”, então tomou apenas meio copo do líquido. Aproximadamente cinco minutos depois, ele teve uma indisposição, ficou tonto e teve uma queda brusca da pressão arterial, sendo levado ao hospital junto com seu pai, que apresentou os mesmos sintomas.

Ambos receberam atendimento médico, sendo aplicados soro e antídoto contra veneno. Depois do ocorrido, a copeira foi intimada a prestar depoimento e esclareceu que, no dia, Juliano André Lins dos Anjos disse que queria falar com ela, questionando se ela comia da fruta e do suco de seu patrão disponíveis no estabelecimento. Ela respondeu que sim, momento em que o acusado a orientou a não comer e não tomar o suco.

Ela disse que, quando começou a preparar a bebida, o acusado foi até a copa e perguntou se tinha álcool. Ela disse que sim, e que ficava no banheiro, e o réu pediu para ela pegar. A mulher alega que, antes mesmo dela sair do interior do banheiro, o réu já estava no corredor atrás dela, momento em que entregou o álcool e retornou até a copa, para terminar a bebida.

Contou ainda que, quando terminou o suco, levou até o empresário e o pai. Ao retornar para a copa, percebeu que a bebida estava estranha, com um cheiro muito forte, semelhante ao de tinner. De modo que ela voltou para a sala das vítimas e pediu para que elas não bebessem o suco, porém eles já haviam tomado.

Prefeitura prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Najila comparece à delegacia com novo advogado
Justiça
Toffoli marca julgamento sobre porte de drogas e frete rodoviário
Justiça
Alexandre de Moraes suspende ações sobre demissão imotivada em estatal
Justiça
Juiz absolve garçom que esfaqueou Bolsonaro e manda interná-lo
Justiça
Incluindo figuras políticas, lista de testemunhas do "caso cheque" chama a atenção
Justiça
TRF1 mantém bloqueio de verbas a universidades
Justiça
Paulo Passos fará palestra de abertura do III Encontro Nacional do MP, em Brasília
Justiça
Judiciário lança painel de combate a notícias falsas
Justiça
São Gabriel ganha novo Fórum
Justiça
Julgado por estupro, professor pega pena de 40 anos

Mais Lidas

Cidade
Confira a lista de habilitados para sorteio de unidades habitacionais na capital
Cidade
Campo-grandenses se unem e ajudam família que caiu em golpe da falsa encomenda
Polícia
Pai mata filho de 7 anos após convencê-lo de que brincariam juntos
Polícia
Vídeo: Homem é executado por pistoleiros em oficina