Menu
Busca sábado, 24 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Funcionário que tentou envenenar empresários vai a júri

Vítimas tomaram suco de laranja servido por funcionária do frigorífico

12 junho 2019 - 16h17Rauster Campitelli, com informações da assessoria

Entre os julgamentos previstos para essa semana nas varas do Tribunal do Júri da capital, está sendo realizado hoje (12) o júri popular do réu Juliano André Lins dos Anjos, acusado de tentativa de homicídio contra o empresário Reginaldo da Silva Maia, e seu pai, Geraldo Regis Maia. De acordo com o processo, o caso aconteceu no Frigorífico Beef Nobre, no bairro Nova Campo Grande. Juliano teria colocado veneno no suco das vítimas. O julgamento acontece no Fórum Heitor Medeiros.

Segundo os autos, Juliano André tentou matar seu patrão, Reginaldo da Silva Maia, proprietário do frigorífico, e o pecuarista Geraldo Regis Maia, no dia 16 de dezembro de 2009, utilizando veneno. As vítimas ingeriram suco de laranja, que foi servido pela funcionária deles no estabelecimento. Logo após ingerirem a bebida, eles começaram a passar mal e buscaram atendimento médico. Ambos foram medicados com suspeita de envenenamento.

De acordo com o depoimento de Reginaldo da Silva, a copeira levava o suco de laranja para ele e seu pai com frequência. Porém, no dia do ocorrido, ele percebeu que a bebida apresentava um odor muito forte, parecido com o cheiro de “tinner”, então tomou apenas meio copo do líquido. Aproximadamente cinco minutos depois, ele teve uma indisposição, ficou tonto e teve uma queda brusca da pressão arterial, sendo levado ao hospital junto com seu pai, que apresentou os mesmos sintomas.

Ambos receberam atendimento médico, sendo aplicados soro e antídoto contra veneno. Depois do ocorrido, a copeira foi intimada a prestar depoimento e esclareceu que, no dia, Juliano André Lins dos Anjos disse que queria falar com ela, questionando se ela comia da fruta e do suco de seu patrão disponíveis no estabelecimento. Ela respondeu que sim, momento em que o acusado a orientou a não comer e não tomar o suco.

Ela disse que, quando começou a preparar a bebida, o acusado foi até a copa e perguntou se tinha álcool. Ela disse que sim, e que ficava no banheiro, e o réu pediu para ela pegar. A mulher alega que, antes mesmo dela sair do interior do banheiro, o réu já estava no corredor atrás dela, momento em que entregou o álcool e retornou até a copa, para terminar a bebida.

Contou ainda que, quando terminou o suco, levou até o empresário e o pai. Ao retornar para a copa, percebeu que a bebida estava estranha, com um cheiro muito forte, semelhante ao de tinner. De modo que ela voltou para a sala das vítimas e pediu para que elas não bebessem o suco, porém eles já haviam tomado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Maioria do STF considera inconstitucional corte de salário de servidor
Justiça
Agente federal é absolvido de homicídio pela justiça
Justiça
Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento é lançado pela CNJ
Justiça
Dodge reafirma apoio à Lava Jato
Justiça
MPF solicita arquivamento de "inquérito das fake news"
Justiça
TJ manda destravar promoção de procuradores
Justiça
Moradora de MS terá direito de resposta após ser ofendida por apresentador da Band
Justiça
Mais de 2 mil processos serão eliminados em Angélica
Justiça
Jovem que causou acidente com morte de idosos vai a júri popular
Justiça
Fux decide que provas de investigação sobre hackers devem ser preservadas

Mais Lidas

Geral
Confira a lista de sorteados cadastrados na EMHA
Polícia
Rapaz é contratado por aplicativo para fazer corrida e desaparece
Geral
Vereador e filho são encontrados mortos a tiros dentro de casa
Oportunidade
Processo Seletivo do Senar/MS tem salários que chegam a R$ 6,5 mil