Menu
Busca domingo, 13 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Assembleia Junho21
Justiça

Justiça de SP manda trocar IGPM por IPCA em duas ações sobre aluguel

Em Campo Grande, uma empresa também conseguiu a substituição do índice em negociação extrajudicial

05 maio 2021 - 14h01Gabrielly Gonzalez

Com o aumento de 32% do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) contra apenas 6% do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA),  duas lojas de shopping, em São Paulo, entraram com ação, após um não consenso sobre o contrato de aluguel, para que o valor dos alugueis não tivessem reajuste, visto que o funcionamento do estabelecimento reduziu, gerando também diminuição no fluxo das empresas.  

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) atribuiu duas decisões de Agravo de Instrumento em desfavor do shopping, permitindo a substituição do índice IGP-M pelo índice IPCA em contrato de aluguel.

A reportagem do JD1 Notícias conversou com a advogada Monique de Paula Borges, em que ela explica a possibilidade de rever o contrato em razão de modificações durante o decorrer dele, que a cláusula se torna abusiva e que fere o equilíbrio dos contratantes.

 “Também é possível questionar judicialmente a substituição do IGP-M pelo IPCA de forma retroativa em face da diferença de valores entre eles que ocasionou uma majoração excessiva aos locatários e compradores de imóveis financiados”, pontuou Monique.

Em Campo Grande, a advogada esclareceu sobre alguns estabelecimentos, no entanto os nomes não foram divulgados por sigilo profissional. Uma foi à justiça pedindo o aluguel em cima do IPCA. Outras duas, não precisaram ser apreciados, uma vez que existiram acordos com os contratantes. 

“Quando existe uma negociação, não precisa da ação. Mas quando o locador se mostra irredutível, o cliente precisa ir buscar seu direito na justiça, para ter reconhecido esse direito de substituição dos índices, mesmo que retroativo. Em razão do aumento excessivo que aquela cláusula ocasionou a uma das partes”, esclareceu. 

Ainda de acordo com a advogada, onerosidade excessiva para uma das partes, pode ser revista nos termos do art 6o inc V do CDC. 

Veja o artigo: 

ART 6° - São direitos básicos do consumidor:

        V - A modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;

Genetica 1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
TJMS distribuiu mais de 6 mil processos em maio
Justiça
Comércio formaliza mandado de segurança para barrar decreto do Prosseguir
Justiça
STF começa a julgar pedidos para suspender Copa América no Brasil
Justiça
No MS, quem maltratar animais pode pagar até R$ 8,1 mil
Justiça
STF decide que magistrados podem comandar Lojas Maçônicas
Justiça
Testemunha diz que foi "coagida" a mentir sobre 'Coffee Break'
Justiça
Intubado, Jamil Name tem prisão relaxada
Justiça
Justiça adia julgamento e medidores da Energisa seguem sem perícia
Justiça
Nos dias 3 e 4 de junho, não haverá expediente no Judiciário de MS
Justiça
Capital tem balcão virtual em 100% das varas

Mais Lidas

Geral
Ex-chiquitita ganha Porsche no 1º Dia dos Namorados
Geral
Vídeo: cadeiradas e vassouradas rolam soltas em 'quebra pau' no MC Donald's
Internacional
Em 40 segundos, pescador é engolido e cuspido vivo por baleia jubarte
Geral
Sérgio Murilo deve deixar secretaria