Menu
Busca segunda, 20 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Justiça

Lei de Abuso de Autoridade atrapalha na solução de crimes, diz Marcelo Vargas

Pela norma, a polícia está impedida de divulgar identidade de suspeitos de crimes

14 janeiro 2020 - 11h31Joilson Francelino e Priscilla Porangaba

O diretor-geral da Policia Civil de Mato Grosso do Sul, Marcelo Vargas, disse nesta manhã de terça-feira (14), que a Lei de Abuso de Autoridade trará uma perda significativa na solução de crimes.

Marcelo disse ao JD1 Notícias que uma das cláusulas da lei que pune a divulgação de imagens e identidade do autor ou suspeito é uma perda para a polícia. “Quando prendemos um estuprador, ou o autor de roubo e divulgamos a imagem dele, outras vítimas o reconhecem e fazem a denúncia”, explicou.

O diretor acrescenta que nas demandas reprimidas, que é quando a vítima sofre o abuso e não tem coragem de denunciar, a perda da divulgação de identificação do autor é maior ainda. “Em crimes de estupros, que muitas vítimas não registram, mas quando vêem que o autor foi preso, ai ela registra e permite que esclarecemos outros crimes, é a perda mais significativa”, finalizou.

Entenda a Lei de Abuso de Autoridade

Segundo o texto aprovado, as condutas das autoridades serão consideradas crimes caso praticadas com a finalidade específica de prejudicar alguém ou beneficiar a si próprio ou a terceiro, assim como "mero capricho" ou satisfação pessoal.

De acordo com a lei, qualquer agente público, servidor ou não, da administração direta, indireta ou fundacional de qualquer poder da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios estão sujeitos a responder por crimes de abuso de autoridade quando cometidos no exercícios de suas funções.

Outro ponto importante da lei é que os crimes de abuso de autoridade serão analisados com base em ação penal pública incondicionada, ou seja, não dependem de queixa do atingido para que a denúncia seja oferecida.

 O projeto prevê que as penas criminais aplicadas não dependem das sanções de natureza civil ou administrativa. Por outro lado, caso a pessoa seja inocentada na esfera criminal, ela não poderá ser condenada na esfera cível ou administrativa. O projeto altera as regras sobre prisão temporária: atualmente, o preso deverá ser colocado em liberdade imediatamente após cinco dias, prazo fixado para esse tipo de prisão, exceto nos casos em que seja transformada em prisão preventiva.

Com a nova regra, o mandado de prisão temporária expedido por um juiz deve conter necessariamente o período da duração da prisão e o dia em que o preso será libertado. O responsável pela custódia deverá colocar imediatamente o preso em liberdade, independentemente de nova ordem da autoridade judicial, exceto se já tiver sido comunicada a prorrogação da prisão temporária ou a decretação da prisão preventiva.

Passa a ser a crime de autoridade, passível de prisão de 3 meses a um ano, a violação de direitos e prerrogativas do advogado, tais como a inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho e sigilo de comunicação, a comunicação com clientes, a presença de representantes da OAB quando um advogado é preso em flagrante por motivo ligado ao exercício da advocacia.

A lei de abuso de autoridade também passa a considerar crime o magistrado que determinar "grampos", escutas ou qualquer outro tipo de interceptação de comunicação com objetivo não autorizado em lei. A punição prevista é entre 2 e 4 anos de reclusão, além de multa.

Prisão

O Congresso derrubou o veto e manteve a punição a juízes que determinem prisão ou outra medida que restrinja a liberdade, como recolhimento noturno, em desconformidade com a lei. A pena é de 1 a 4 anos de detenção.
 
Publicidade

Outra situação que agora pode ser punida até com prisão é se o responsável pela investigação atribuir culpa ao investigado antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação. Isso vale até mesmo por postagem em rede social. A pena vai de seis meses a dois anos de prisão.

Liberdade

Também pode ser punido o juiz que não substituir a prisão preventiva por medida cautelar ou não conceder liberdade provisória quando manifestamente cabível na legislação.

Prova contra si mesmo

O item prevê punir com detenção de um a quatro anos, mais multa, o agente público que obrigar o preso a produzir prova contra a si mesmo ou contra terceiro.

Identificação

Estabelece pena de seis meses a dois anos de detenção para a autoridade que deixar de se identificar ou identificar-se falsamente durante a prisão ou interrogatório.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Brasil fecha fronteira com Paraguai após fuga de presos neste domingo
Justiça
Prazo de juiz de garantias pode mudar investigação de Flávio e Lula
Justiça
Dourados não terá saneamento suspenso, garante diretor da Sanesul
Justiça
Paschoal Leandro avalia positivamente adiamento do 'juiz de garantias'
Justiça
Briga no Jatobá - Audiência de conciliação sobre “expulsão” de piloto será em março
Justiça
Força Nacional será enviada para amenizar conflitos em Dourados
Justiça
Cliente cai em golpe no Banco do Brasil e juiz decide culpa concorrente
Justiça
Odilon culpa Governo Federal por “fuga” do MPF de Ponta Porã
Justiça
Subdiretor do DOF manifesta preocupação com “fuga” do MPF da fronteira
Justiça
CNJ recebe 99 sugestões sobre juiz de garantias

Mais Lidas

Brasil
Vídeo - Eleição para síndico de condomínio termina em pancadaria
Polícia
Lista com nomes de fugitivos da prisão na fronteira é divulgada
Economia
Mato Grosso do Sul é o maior exportador de tilápia do Brasil
Justiça
Brasil fecha fronteira com Paraguai após fuga de presos neste domingo