Menu
Busca segunda, 06 de fevereiro de 2023
(67) 99647-9098
Justiça

Monark pode ser preso por apologia ao nazismo, diz MP

O mesmo vale para os responsáveis do Flow Podcast que podem pagar indenização

10 fevereiro 2022 - 13h15Sarah Chaves, com informações do G1
Sebrae Materia

O Ministério Público de São Paulo informou que o influencer Bruno Aib, conhecido como Monark, e os responsáveis pelo Flow Podcast, canal de entrevistas na internet, podem pagar indenizações e até ser presos caso sejam condenados pela Justiça por apologia do nazismo e discriminação contra judeus durante o programa ao vivo realizado na última segunda-feira (7). 

Na esfera cível, a Promotoria de Direitos Humanos investiga se Monark e o Flow Podcast usaram a internet para divulgar a defesa do nazismo e discriminação por procedência nacional. O Ministério Público pedirá à Justiça que os investigados paguem uma indenização, ainda a ser estipulada, por terem ofendido toda a comunidade judaica. Não caberia prisão nesse caso.

No entendimento dos promotores, há indícios de que o influencer e o programa cometeram dano social e dano moral coletivo contra o povo judeu.

Na esfera criminal, a Promotoria Criminal e a Polícia Civil vão apurar se Monark e o Flow Podcast usaram a web para defender o nazismo e discriminar judeus. Em caso de eventual condenação na Justiça, eles podem receber pena de até 5 anos de prisão ou pagar multa. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), a investigação criminal será feita pelo 78º Distrito Policial (DP), nos Jardins.

Em outras palavras, segundo a Promotoria, Monark e o Flow Podcast ofenderam todas as vítimas do Holocausto, que foi o genocídio de 6 milhões de judeus pela Alemanha do governante Adolf Hitler durante a Segunda Guerra Mundial.

Em caso de eventual condenação pelos danos causados, os investigados teriam de pagar quantias em dinheiro para um fundo que trataria sobre como combater discursos de ódio.

Investigações por Polícia, MP-SP e MPF

Monark e os responsáveis pelo Flow Podcast serão chamados pelas duas promotorias e pela Polícia Civil para explicarem a defesa de que deveria haver um "partido nazista reconhecido pela lei" e que "se um cara quisesse ser antijudeu, eu acho que ele tinha o direito de ser". As declarações foram dadas pelo influencer durante conversa com os deputados federais Kim Kataguiri (DEM-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP):

 

 

Sebrae Materia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
PGR denuncia mais 152 por participações em invasão em Brasília
Justiça
Daniel Silveira tem prisão mantida
Justiça
Marcos do Val será investigado por denúncia contra Silveira e Bolsonaro
Justiça
MPF pede a prisão do apresentador Sikêra Jr. por crime de racismo
Justiça
Moraes concede liberdade provisória ao ex-chefe da PMDF
Justiça
Comarca de Aquidauana selecionará estagiários de direito
Justiça
Telegram paga multa de R$ 1,2 milhão ao STF
Justiça
Câmara convoca candidatos de concurso público
Justiça
JD1TV: Sérgio Martins assume TJ e chama pai à mesa
Justiça
TCU pede informações para investigar causas da crise dos Yanomami

Mais Lidas

Polícia
JD1TV: Corpo é queimado em meio ao lixo no Santa Emília
Polícia
Queimado no Santa Emília foi "embrulhado" em sofá para ser carbonizado
Polícia
Jovem é esfaqueado e tem vísceras expostas no Itamaracá
Polícia
Esfaqueamento no Jardim Itamaracá foi motivado por ventilador roubado