Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Justiça

Por comentários racistas e saudações nazistas empresa deve pagar R$ 65 mil a funcionário judeu

Relatora considerou valor proporcional ao dano sofrido

29 julho 2021 - 17h38Mériele Oliveira, com informações da assessoria

A decisão que condenou em 1º grau uma empresa de autopeças de Osasco (SP) a pagar indenização por danos morais a um trabalhador judeu foi confirmada pela 18ª Turma do TRT da 2ª Região.

O referido funcionário havia sido contratado para ampliar o canal de vendas da companhia alegou que sofreu assédio moral e perseguição a partir de 2019 por parte de um diretor administrativo, o que culminou com sua rescisão contratual em 2020.

De acordo com o autor, o diretor reproduzia a saudação nazista, com o braço direito levantado e esticado durante reuniões da empresa; enaltecia a figura de Adolf Hitler de forma pública; afirmava que não gostava de trabalhar com latinos e zombava do shabbat (sábado) “dia do descanso” dos adeptos do judaísmo, que começa no pôr do sol de sexta-feira e termina no início da noite de sábado.

No entendimento da relatora do acórdão, Renata Beneti, a discriminação sofrida pelo reclamante é clara e foi confirmada por depoimentos de testemunhas durante o processo. A juíza afirmou ainda que o comportamento racista e discriminatório não pode ser tolerado, devendo a reclamada ser responsabilizada pelos atos praticados por seus representantes (artigo 932 do Código Civil).

Renata Beneti salienta que, além disso, o racismo constatado no caso não pode ser confundido com liberdade de opinião, já que atenta contra a dignidade humana e constitui crime inafiançável e imprescritível. 

"Registre-se que a liberdade de expressão garantida pelos arts. 5º, IV e 220 da Constituição não retira a natureza ilícita do comportamento do diretor administrativo, que responde civilmente por seus atos e declarações. Note-se que o próprio art. 5º, V, da Constituição Federal assegura direito de resposta e indenização por dano moral e material aos prejudicados, deixando claro que a liberdade de expressão do pensamento não é salvo conduto para a prática de atos ilícitos, tais como aqueles de cunho discriminatório", afirmou.

O valor da indenização, que já havia sido fixado em R$ 65 mil, foi mantido, já que a magistrada considerou que este se mostrou proporcional ao dano provocado. 

Ainda cabe recurso da decisão.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Adolescentes acima de 12 anos devem portar RG ao viajar
Justiça
Ter item de cultivo de maconha para uso próprio não é crime, conclui STJ
Justiça
De hoje até sexta-feira é realizada a Semana Nacional de Conciliação
Justiça
Hospital é condenado a pagar R$ 100 mil após paciente morrer ao cair de leito
Justiça
Família terá que indenizar município em R$ 300 mil por demolição de casa histórica
Justiça
Apesar da recusa de Aras, STF autoriza investigação na Precisa a pedido da CPI
Justiça
Operação Omertà: Jamilzinho defende família e aponta dedos a policiais em oitiva
Justiça
MPF autoriza a venda de criptomoedas apreendidas em operação
Justiça
Por unanimidade, STJ nega recurso de MPF e processo de Reinaldo Azambuja será desmembrado
Justiça
Defesa de Name apela à Justiça para desbloqueio de mais de R$ 18 milhões

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju