Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Justiça

Por unanimidade, CNJ aprova auxílio-moradia para magistrados

O valor do auxílio será de até R$ 4.377,73, com cinco critérios a serem atendidos

18 dezembro 2018 - 16h34Da redação com informações da Agência Brasil

Em sua última sessão do ano, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou nesta terça-feira (18), por unanimidade, numa votação de poucos segundos, a nova resolução para regulamentar o pagamento de auxílio-moradia aos magistrados brasileiros, no valor máximo de R$ 4.377,73.

A norma tem validade a partir de janeiro de 2019, mesmo mês em que os magistrados brasileiros devem receber o aumento de 16,38% nos salários, que acompanham o reajuste aprovado neste ano no Congresso para os vencimentos de ministros do Supremo.

Em 26 de novembro, o presidente Michel Temer sancionou o reajuste dos ministros do Supremo, após um acordo informal com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e com o ministro Luiz Fux, relator no STF de ao menos seis ações que questionam o benefício.

Até o mês passado, todos os magistrados brasileiros poderiam receber o auxílio-moradia, independentemente de ter residência própria no local de trabalho, por força de uma liminar (decisão provisória) expedida por Fux em 2014.

No mesmo dia em que Temer sancionou o reajuste, Fux revogou a liminar, interrompendo o pagamento do benefício a partir de janeiro para todos os magistrados e membros do Ministério Público, entre outras carreiras jurídicas. Na decisão, porém, ele determinou que o CNJ regulamentasse o tema, abrindo caminho para o retorno do auxílio-moradia.

Critérios

A resolução aprovada nesta terça-feira (18) prevê cinco critérios que devem ser atendidos para que o magistrado, seja no âmbito federal ou estadual, possa ter direito ao auxílio-moradia. Segundo estimativa preliminar do CNJ, aproximadamente 180 juízes teriam direito ao benefício sob tais critérios, cerca de 1% da magistratura. 

Os critérios são: que não haja imóvel funcional disponível; que cônjuge ou qualquer pessoa que resida com o magistrado não ocupe imóvel funcional; que o magistrado ou cônjuge não possua imóvel próprio na comarca em que vá atuar; que o magistrado esteja exercendo suas funções em comarca diversa do que a sua original; que o dinheiro seja gasto exclusivamente com moradia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça prorroga prazos em função de instabilidade
Justiça
Órgãos e associações de direito e justiça emitem nota oficial sobre a PEC 05/2021
Justiça
Jamilson Name tem pedido de desbloqueio de bens negado pela Justiça
Justiça
'O Facilitador' é multado em R$ 202 mil por abusos contra consumidores
Justiça
Processo seletivo para juízes leigos abre inscrições
Justiça
PEC 05/2021: proposta pode atrapalhar combate à corrupção, segundo membros do MP
Justiça
Inspeção periódica do CNJ será realizada no TJMS entre 18 e 22 de outubro
Justiça
Justiça do Trabalho afasta Sérgio Camargo da Fundação Palmares
Justiça
Estudante tem parcelamento de dívida negado pelo TJMS
Justiça
STF dá prazo de 22 dias a Daniel Silveira para alegações finais

Mais Lidas

Polícia
Jovem é encontrada morta ao lado da cama de hotel na fronteira
Cidade
Detran e Bombeiros recomendam que pessoas não saiam de casa
Polícia
Mãe é presa depois de consentir namoro da filha de 13 anos com rapaz de 20 anos
Clima
Vídeo: Tá chovendo ai? Tempestade com queda de granizo é registrada na capital