Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

STF retoma julgamento sobre venda de estatais sem aval legislativo

A pauta começou a ser debatida na semana passada

05 junho 2019 - 14h32Joilson Francelino, com informações da Agência Brasil

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) retomou na tarde de desta quarta-feira (5) o julgamento de três ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) que tratam da necessidade de aval legislativo para a privatização do controle acionário de empresas públicas e de sociedades de economia mista.

O julgamento começou na semana passada, quando foram feitas as sustentações orais contra e a favor da necessidade do aval ou de processo licitatório para as privatizações. A análise acabou adiada antes do voto do relator, ministro Ricardo Lewandowski, devido à falta de tempo hábil para a conclusão.

O STF deve decidir nesta quinta se confirma liminar proferida em junho do ano passado pelo próprio Lewandowski. Na ocasião, o ministro entendeu que a venda de ações de empresas públicas, sociedades de economia mista ou de suas subsidiárias ou controladas exige prévia autorização legislativa, sempre que se cuide de alienar o controle acionário.

Para Lewandowski, a dispensa de licitação só deve ocorrer no caso de venda de ações que não implique na perda de controle acionário, seja a empresa controlada pela esfera federal, estadual ou municipal.

A liminar de Lewandowski foi proferida uma ação direta de inconstitucionalidade protocolada pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, questionando dispositivos da Lei das Estatais (13.303/2016).

A decisão dos ministros sobre o caso terá impacto imediato principalmente para a Petrobras. Na semana passada, com base na decisão anterior de Lewandowski, o ministro Edson Fachin suspendeu a venda da Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG), uma empresa controlada pela petroleira estatal. O negócio foi fechado em abril no valor de US$ 8,6 bilhões, equivalente a R$ 34 bilhões, com o Grupo Engie, e prevê a transferência de 90% das ações da subsidiária.

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Denúncias anônimas podem estabelecer procedimentos administrativos no MP
Justiça
STF suspende uso da Taxa Referencial
Justiça
STJ confirma decisão do TJ-MS, em ação de 39 anos
Justiça
Desembargador Ruy Celso mantém milicianos presos
Justiça
Crianças terão espaço especial para testemunhar em tribunais
Justiça
Slimes com bórax é proibido no MS
Justiça
Defesa quer que Name Filho volte para a capital
Justiça
MPMS denuncia suspeitos de assassinar servidora com barra de ferro
Justiça
Em nota, Odilon diz que TRF-3 está “apenas verificando a regularidade”
Justiça
CCJ aprova PEC que torna feminicídio crime imprescritível

Mais Lidas

Polícia
Aos 84 anos, "vovó" é presa dirigindo bêbada após sair de baile
Polícia
Jovem morre fuzilado e mulher é ferida por estilhaços
Polícia
Jovem motociclista morre após bater em meio-fio e ser arremessado em rio
Geral
Ingrid está desaparecida há mais de 20 dias e mãe faz apelo