Menu
Busca terça, 25 de janeiro de 2022
(67) 99647-9098
Governo - conta energia
Justiça

STJ: servidor de tribunal tem que comprovar vacina contra covid-19

A medida entrará em vigor a partir de 1º de fevereiro

04 janeiro 2022 - 14h11Pedro Molina, com Agência Brasil

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, negou ontem (3) um habeas corpus pedido por um servidor do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) que requereu um salvo-conduto para ir ao trabalho sem precisar comprovar vacinação contra covid-19.

Em dezembro do ano passado, o TRF3 editou uma portaria exigindo o comprovante de vacinação para que qualquer pessoa acesse as dependências do tribunal, cuja sede fica em São Paulo. Também é possível entrar no local com teste negativo para a doença, contando que este tenha sido feito nas últimas 72 horas.

O servidor do tribunal alegou ao STJ que as regras violam sua liberdade de locomoção e o livre exercício de sua atividade profissional, que estaria protegidos pela Constituição. O presidente do STJ rejeitou os argumentos, lembrando que o Supremo Tribunal Federal (STF) já julgou a questão e entendeu ser constitucional a obrigatoriedade de vacinação para acessar locais de acesso público.

Em julgamento de diferentes ações diretas de inconstitucionalidade, o Supremo já “entendeu pela validade da política de vacinação obrigatória, autorizando a exigência de comprovante de vacinação, de quarentena ou de teste de contágio para ingresso em determinados locais ou para a prática de certas atividades, descartado o uso da força”, destacou Martins.

O ministro afirmou que “inexiste constrangimento ilegal decorrente da exigência de comprovante de vacinação” e lembrou que novas cepas do novo coronavírus continuam a surgir, o que representa uma ameaça à saúde e à vida dos brasileiros.

O próprio STJ passará a exigir o comprovante de vacinação para ingresso no tribunal a partir de 1º de fevereiro, quando deverá retomar também os julgamentos inteiramente presenciais, da mesma forma como já faz o STF desde o ano passado.

Trata-se de “medida necessária ao resguardo de bens jurídicos irrenunciáveis, sobretudo quando se tem notícia da propagação de nova e perigosa cepa do vírus Sars-Cov-19, que já está presente em vários países, inclusive, com casos já detectados no Brasil”, escreveu Martins. O próprio ministro contraiu a doença nos últimos dias, e tem despachado de casa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça condena homem que teve Covid e saiu de isolamento para ver jogo
Justiça
Justiça de MS tem dois novos desembargadores
Justiça
Jovens falsamente acusados de roubo são absolvidos depois de 1 mês apreendidos
Justiça
Justiça ordena que Banco do Brasil coloque trabalhadores em home-office
Justiça
STF cobra estados e o DF sobre aplicação de vacinas erradas nas crianças
Justiça
TJMS elege novo desembargador
Justiça
Ministro Barroso avalia banir o Telegram no Brasil
Justiça
Esther, Jaceguara e Siufi na lista tríplice
Justiça
Justiça rejeita pedido de prisão contra Bonner por incentivo à vacinação
Justiça
Por "má-fé", Ministério Público é condenado em São Paulo

Mais Lidas

Polícia
Mulher é encontrada morta em motel de luxo da Capital
Polícia
Médico de MS morre em praia da Bahia
Polícia
Perita teria recebido visita antes de ser encontrada morta em motel de luxo
Polícia
JD1TV: Mulher encontrada morta em motel de luxo era agente do Imol