Menu
Busca segunda, 17 de janeiro de 2022
(67) 99647-9098
Justiça

Vereador Tiago Vargas perde na Justiça e terá que excluir vídeo que ofende governador de MS

Vereador ofendeu Reinaldo Azambuja, ao dizer "você deveria estar preso, seu corrupto, seu canalha”

17 novembro 2021 - 07h44Matheus Rondon

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), informou que por maioria dos votos, que determinou que o vereador Tiago Vargas (PSD), exclua imediatamente um vídeo onde o vereador ataca o governador ao afirmar: “Reinaldo Azambuja, você não tem vergonha na cara, um dos piores bandidos do Estado é você, você deveria estar preso, seu corrupto, seu canalha”.

No último dia cinco, Vargas passou a ser réu após a juíza da 3ª Vara Criminal, Eucélia Moreira Cassal, acolher denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPMS), em que é acusado de calúnia, injúria e difamação. A defesa prévia do vereador foi apresentada no início da tarde de terça-feira (16)

As acusações foram feitas fora do contexto em que o vídeo foi gravado, durante blitz da Polícia Militar. Em primeira instância, os advogados de Tiago Vargas conseguiram convencer o magistrado de que, por ser vereador, ele teria imunidade ao fazer manifestações públicas mesmo fora das atividades legislativas. Ary Raghiant ingressou então com recurso no TJMS pedindo que a decisão fosse revista.

Na terça, os desembargadores da 1ª Câmara Cível decidiram por maioria acolher os argumentos do advogado de Reinaldo Azambuja e determinaram a imediata retirada do vídeo das redes sociais de Tiago Vargas, sob pena de punição.

No agravo de instrumento Raghiant assinala que é inquestionável que Vargas se valeu da “prerrogativa” da imunidade com a única intenção de ofender o governador. E destaca que “a jurisprudência firmou entendimento no sentido de que a imunidade material não abrange manifestações dissociadas do exercício do mandato, de modo que, seus excessos possuem o condão de afastar a garantia constitucional (art. 29, VIII, da CF/88)”.

O advogado traz ainda a decisão do ministro Luiz Fux, de setembro de 2017. Num dos trechos, Raghiant cita: “A imunidade parlamentar material, estabelecida para fins de proteção republicana ao livre exercício do mandato, não confere aos parlamentares o direito de empregar expediente fraudulento, artificioso ou ardiloso, voltado a alterar a verdade da informação, com o fim de desqualificar ou imputar fato desonroso à reputação de terceiros. Consectariamente, cuidando-se de manifestação veiculada por meio de ampla divulgação (rede social), destituída, ao menos de uma análise prelibatória, de relação intrínseca com o livre exercício da função parlamentar, deve ser afastada da incidência de imunidade prevista no art. 53 da CF”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça rejeita pedido de prisão contra Bonner por incentivo à vacinação
Justiça
Por "má-fé", Ministério Público é condenado em São Paulo
Justiça
Gato Frajola ganha na justiça direito a guarda comunitária
Justiça
MP entrega nova lista sêxtupla para Tribunal de Justiça
Justiça
Gol terá de contratar serviço de busca para localizar cachorra perdida em aeroporto
Justiça
Juíza manda reduzir jornada de mãe de criança com deficiência
Justiça
MPF oficia Twitter para esclarecer ausência de canal de denúncias de fake news sobre Covid
Justiça
Lewandowski extingue pedido sobre vacinação de crianças
Justiça
Procuradoria abre investigação com base na CPI da Pandemia
Justiça
Confira o calendário oficial aprovado pelo TSE para eleições de 2022

Mais Lidas

Geral
Procura por Tânia entra no oitavo dia; militares seguem sem encontrar pistas da idosa
Polícia
Corpo de idosa é encontrado nua e com ferimentos na cabeça próximo a cemitério
Polícia
Motociclista morre após bater na traseira de caminhão parado na Vila Popular
Polícia
Idosa morre após ser arremessada de carro em acidente na BR-060