Menu
Busca domingo, 24 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Entrevista

“Labirinto” protege “erros” da Energisa

Inmetro, Procon e AEM, não tem poder para fiscalizar, a não ser mediante solicitação do consumidor

02 novembro 2019 - 13h20Sarah Chaves

O diretor do Laboratório de Calibração de Massa e Energia Elétrica da Agência Estadual de Metrologia (AEM), Alex Balero Lessa, conversou com o JD1 Notícias em esclarecimento à ação do órgão que é delegado do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) na fiscalização dos relógios da Energisa no em Mato Grosso do Sul.

A fiscalização dos aparelhos medidores feita pelo órgão, segundo Alex, só acontece quando há um pedido do consumidor que desconfia de alguma irregularidade. “Então, a própria Energisa vai recolher o relógio, colocar em um invólucro lacrado e depois mandar para a agência de metrologia, e o consumidor pode acompanhar a verificação em laboratório através de agendamento”, explana.

A Energisa também pode fazer a solicitação de aferição sem precisar do pedido do consumidor, em caso de suspeita de fraude ou roubo de energia, deverá recolher o relógio e informar o consumidor da necessidade de aferição.
A AEM fiscaliza em média 100 medidores por semana, Alex explica que somente na última semana houve 53 agendamentos. “Desses, nem 10% dos consumidores solicitantes vão acompanhar a verificação. Mesmo assim o consumidor irá ter o laudo técnico da situação do aparelho”, afirma.

Mesmo que algumas pessoas solicitem a fiscalização diretamente com a agência de metrologia o Inmetro não tem como fazer a verificação sem o pedido passar pela Energisa. “O consumidor não tem como falar diretamente com o setor de metrologia. A Energisa não pode mexer no medidor, nem abrir, ela não tem autonomia para essa atividade, então o que ela disser não tem validade”, ressaltou.

“Vem para verificação também os que são alvo da justiça, onde a própria vai e determina a retirada do relógio pela empresa de energia, e em alguns casos a justiça designa um perito judicial para acompanhar ou levar o relógio até a AEM”, disse Alex.
De acordo com o técnico metrológico da AEM e engenheiro eletricista, Rodrigo Martinez da Silva, a ação que a agência deve tomar quando encontra algum erro é o que está previsto na portaria do Inmetro. “Quando vem da Justiça, pelo consumidor, a gente faz a parte metrológica, fazemos o que a lei permite segundo as portarias nº 285 de 2008 e nº 587 de 2012. Nós somos um órgão metrológico e vamos apenas a verificar o medidor, emitir um laudo dos possíveis erros ou não, para a Energisa, e para o consumidor caso ele esteja junto na verificação ou ligue solicitando”, afirma.

O engenheiro responsável pela medição esclarece que, casos assim, são raros. “O registro do medidor elétrico marcando a mais do que o consumo real é menos de 1%, existe, sim, os que possuem erros, mas não são todos. A margem de erro durante a aferição para aparelho mecânico é 4% e para digital 1.3%”, finaliza. 

O JD1 Notícias, em busca de encontrar um órgão que fiscalize e puna qualquer fraude realizada pela empresa fornecedora de energia, entrou em contato com a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo (Decon) que designou a ação de fiscalização à Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS).

Procurado pelo JD1 Notícias, o superintendente do Procon, Marcelo Salomão, auxiliou que o melhor a ser feito é o consumidor ficar atento ao registrador do relógio. “Verifique diariamente o medidor, checa o consumo diário e faz uma planilha, anota, para entender o consumo. Se um dia a pessoa consumiu 10 Quilowatt-hora (KWH), e no outro dia o mesmo, e sempre com a mesma constância e de repente sobe para 30KWH, então o consumidor deve abrir uma reclamação”, recomenda.

Segundo Marcelo, se o valor cobrado não está de acordo com o consumo real, o Procon pode punir, através da perícia do Inmetro. “Se por ventura ficar configurado que o consumidor está pagando a mais do que consumiu, isso é abuso, o Procon não vai se omitir”, declarou o superintendente.

“Após a abertura de reclamação do cliente, nós [se referindo ao Porcon] notificamos a Energisa e pedimos explicação, junto com um comparativo de consumo entre o mês vigente e o último mês, então, notificamos a Energisa para mandar o relógio para verificação da agência de metrologia e se houver o erro, pedimos para a concessionária ressarcir o dano ao consumidor, chamamos isso de reclamação fundamentada não atendida ou atendida, está no código de defesa do consumidor que não pode pagar aquilo que não consumiu”, assegurou.

“Caso haja a confirmação de fraude no relógio, o consumidor deve entrar com uma ação na justiça, e dependendo da resposta da empresa de energia, o Procon abre um processo coletivo de investigação contra a instituição,e se a reclamação não for  atendida o Procon multa a referida, com o valor de R$ 5 mil a R$ 50 mil, pode variar por consumidor”, finaliza o porta-voz do Procon.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Entrevista
AO VIVO - Mensalidades escolares na pandemia e ações da Defensoria Pública, com Fábio Rombi
Entrevista
AO VIVO – Ex-presidentes falam sobre crise no Brasil
Entrevista
AO VIVO – Entrevista com o ministro da Economia, Paulo Guedes
Entrevista
Ao vivo, Paulo Passos falará sobre atuação à frente do MP
Entrevista
Economia e produção em meio a pandemia
Entrevista
AO VIVO - Secretário Jaime Verruck fala, ao JD1, sobre o futuro da economia de MS após a pandemia
Entrevista
Jaime Verruck ao vivo no JD1 Notícias
Entrevista
Vídeo – "Estamos preparados para o enfrentamento", diz secretário municipal de Saúde
Entrevista
José Mauro, da Sesau, falará ao vivo no JD1 nesta quinta-feira
Entrevista
Ao vivo, Secretário de Saúde José Mauro Filho estará no JD1 nesta terça-feira

Mais Lidas

Polícia
Passageira trans diz ter sido puxada pelos cabelos e chama motorista de covarde
Polícia
Homem é preso com quase 400 kg de maconha que iriam para São Paulo
Polícia
Assessor de Trump diz que EUA devem barrar voos do Brasil
Saúde
Secretário de vigilância pede demissão do Ministério da Saúde