Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Entrevista

Vídeo: “Sendo vítima, a mulher tem que denunciar”, afirma Alexandre Saldanha

Em entrevista ao JD1, o promotor de Justiça do MP-MS debateu temas importantes sobre violência doméstica

07 dezembro 2019 - 07h37Mauro Silva

O Jornal de Domingo abordou, na entrevista dessa semana, o tema violência doméstica. O promotor de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, Alexandre Saldanha, tem muita experiência no assunto e esclareceu algumas questões.

JD1 Notícias – O que é a Lei Maria da Penha e para quê serve?

Alexandre Saldanha – A Lei Maria da Penha é uma legislação que veio para proteger a mulher em situação de risco, devido à violência que ela está sofrendo, mas também tem que incluir a violência de gênero: ela está apanhando de uma pessoa, mas é porque ela é mulher. Ou, ainda, essa lei foi promulgada para proteger toda e qualquer mulher em situação de violência psicológica, física e ela serve tanto para resolver questões de mulher para mulher, quando se trata de união homoafetiva; casais homens e mulheres, pode ser entre dois namorados... Algumas pessoas perguntam: ‘mas precisa estar casado?’, a resposta é não.  Aplica-se também caso estejam apenas namorando. É para isso que serve a Lei Maria da Penha.

JD1 Notícias – Existe a violência física e psicológica. Qual a diferença?

Alexandre Saldanha – A física é quando você fere a integridade física da pessoa, a pessoa leva um tapa, empurrão, caiu, torceu, se ralou, se ficou alguma lesão corporal... E a psicológica é tudo aquilo que fere a pessoa no âmbito interno dela. Ela tem um abalo moral, ou está sendo obsessivamente controlada, existe isolamento dos amigos e família. Isso é tido como um abuso mental, é violência psicológica.

JD1 Notícias – O senhor tem tido um trabalho nas escolas que leva esse tema. Como funciona esse trabalho? 

Alexandre Saldanha – Comecei em abril desse ano. Já estivemos em várias escolas públicas e particulares e mais de cinco mil alunos já foram beneficiados nas palestras. Para todas as escolas que queiram que as palestras ocorram lá, podem entrar em contato com a Promotoria, no (67) 3316-2882, ou por meio das redes sociais Instagram e Facebook. É só agendar que eu vou lá, explico todas as formas de violência que a mulher sofre e como fazer a denúncia. Sempre há muita interação das crianças e adolescentes, eles perguntam muito. A idade escolar é a partir do nono ano pra cima, porque se fosse abaixo teria que ser mais lúdica a palestra. A minha intenção é atender essa faixa de público.

JD1 Notícias – Como debater esse tema com crianças e adolescentes? É delicado?

Alexandre Saldanha – Eles entendem perfeitamente, é óbvio que nós tomamos cuidado com o vocabulário. As palestras sempre ocorrem de forma tranquila, a fim de conversar e tirar dúvidas. Algumas pessoas até perguntam acerca de algum caso concreto que estão vivenciando. A palestra tem 40 minutos e mais 20 minutos destinados a perguntas. Alguns perguntam ali no momento e outros têm vergonha, preferem perguntar pessoalmente. Eu não me importo com isso, podem vir para tirar dúvidas e fazer encaminhamento.

JD1 Notícias – A partir de qual momento a mulher pode dizer que está sofrendo uma violência doméstica? Como ela detecta isso?

Alexandre Saldanha – A partir do momento que ela está sendo cobrada dentro de casa, sobre o seu modo de ser, o seu modo de viver, se ela não consegue mais acessar seu WhatsApp, não consegue mais conversar com seus amigos e amigas, pois há aquele controle obsessivo sobre ela. Ela não pode mandar e-mail ou atender a um telefonema. O celular vibra e o parceiro já corre lá para ver quem é... Nesse momento, já existe a violência psicológica. E, daí, um dia, durante as situações do cotidiano, atividades da casa, criança doente, trocar uma fralda, tá todo mundo nervoso com a situação. Até que começam os xingamentos e um dia lá vem uma explosão, um soco, um pontapé. Então, antes que isso aconteça, quando a mulher perceber que está em um relacionamento tóxico – pois os exemplos ilustram exatamente isso – é necessário tomar as seguintes providências: denunciar, talvez procurar outro namorado, outro marido. O que não pode é viver nessa situação de violência eternamente.

JD1 Notícias – E quando a pessoa sofre violência, ela denuncia e tem direito à medida protetiva. O que isso significa?

Alexandre Saldanha – É o seguinte: a mulher vai até a Casa da Mulher Brasileira, que tem uma delegacia lá dentro; faz o Boletim de Ocorrência, demonstra quem foi o autor da violência e terá o direito à medida protetiva. O autor não poderá se aproximar da vítima a mais de 200, 300 metros. A partir daí, se ele entrar em contato, mandar um SMS, telefonar, for na casa dela, ele já está violando uma medida judicial. Se a pessoa já tem um crime por lesão corporal e quebrar a medida protetiva, vai somar mais um crime. Tem pessoas que violam por duas ou três vezes a medida protetiva. São dois ou três crimes para a pessoa cumprir depois. Não existe cesta básica prevista, e a pessoa terá que cumprir a pena, realmente. 

JD1 Notícas – A pessoa que sofre violência pode denunciar só na Casa da Mulher Brasileira? 

Alexandre Saldanha – Sendo vítima, a mulher tem que ir até a Casa da Mulher Brasileira. Lá tem a Delegacia da Polícia Civil para a mulher, temos a Polícia Militar, promotoria de justiça, juíza e psicólogos. Para lá também encaminhamos as mulheres. Se ela não quiser voltar para casa, nós encaminhamos para uma casa de acolhimento, onde ela poderá dormir e terá alimentação por três meses. E a família, o filho, serão encaminhados junto com a vítima, até que ela ache um lugar para viver.

JD1 Notícias – A respeito do trabalho nas escolas, há um material que o senhor divulga? Onde pode ser encontrado?

Alexandre Saldanha – No YouTube, ao procurar por “Alexandre Saldanha Maria da Penha” ou “Alexandre Saldanha promotor de justiça” a busca encontra um vídeo de 30 minutos, que contém o teor da palestra que eu dou nas escolas e ele também está segmentado em mais de 16 vídeos, que têm entre dois minutos e um minuto e meio. De modo que não é necessário encaminhar um vídeo grande, pois se há um trecho que interessa a alguma amiga ou familiar que precise de ajuda, é melhor mandar o vídeo menor pelo aplicativo. Nós temos também esse conteúdo no Facebook, que a busca pode ser feita da mesma forma e também no Instagram. Muita gente, que nunca teve contato com essas informações nas escolas, vem conversar comigo e dizer coisas como, ‘nossa, há muito tempo vem acontecendo isso que o senhor falou lá em casa’, porque a pessoa não tinha o acesso a essa informação. A intenção é propagar, por meio dos aplicativos, essas informações às pessoas, a fim de ajudar. De repente a criança ou o adolescente conversa com a mãe para que ela quebre esse ciclo. Ou com algum parente, ou amigo. Essa é a intenção, levar informação a todas as gerações.

JD1 Notícias – Em briga de homem com mulher, ou de mulher com mulher, mete-se a colher?

Alexandre Saldanha – Mete-se sim! Inclusive, se houver uma denúncia, ainda que de anônima, a pessoa que denunciou está exercendo sua cidadania. Temos que nos meter nessas situações e ajudar o vizinho, o irmão que talvez precise de uma ajuda. Às vezes, a vítima clama para que um vizinho ligue, pois ela não tem forças, ela está ali na situação de violência psicológica, de abuso mental e não tem forças. De modo que todos devem exercitar sua cidadania, por fazer uma denúncia, ainda que de forma anônima.

Assista a entrevista:

 

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Entrevista
AO VIVO - Tudo sobre fake news, agora no JD1
Entrevista
JD1 fala com especialista em fake news nesta terça
Entrevista
Live do JD1 traz especialista em fake news
Entrevista
“O sistema é muito forte e não vamos esmorecer”
Entrevista
AO VIVO - Direito do consumidor com Salomão, do Procon
Entrevista
Salomão do Procon-MS, daqui a pouco no JD1
Entrevista
JD1 entrevista Salomão, do Procon, nesta terça
Entrevista
“Com novas legislações, está cada dia mais difícil fazer polícia no Brasil”
Entrevista
JD1 entrevista Marcelo Vargas, da Polícia Civil, nesta quarta
Entrevista
Ao vivo: JD1 entrevista ex-ministro da Saúde, Mandetta

Mais Lidas

Esportes
AO VIVO: Flamengo e Fluminense na final da Taça Rio
Polícia
Trio é detido com R$ 400 mil em prata granulada clandestina
Política
Dourados fecha bares e academias por dez dias
Polícia
DNA aponta preso de São Paulo como autor de estupro em MS