Menu
Busca terça, 21 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Opinião

A retomada da indústria

Número de empresas e geração de empregos no setor avançou nos últimos anos

05 outubro 2019 - 15h00Sérgio Longen

Nossa perseverança insiste em dizer que o pior já passou, e de fato, pelos últimos indicadores, parece que pouco a pouco está passando. No início do ano de 2015, A FIEMS lançou o slogan “Indústria Resistente” e, claramente, a escolha desse slogan foi acertada porque demonstrou que o empresário industrial de Mato Grosso do Sul, apesar de todas as adversidades econômicas daquele momento, se manteve resistente, mesmo assim, alguns estabelecimentos industriais sucumbiram à crise, que, naquele momento, apontava PIB negativo, juros na casa dos dois dígitos e absoluta instabilidade política depois de uma eleição truncada de 2014.

Para se ter ideia, iniciamos 2015 com mais de 6.400 indústrias com até um empregado no Estado, já no ano seguinte, 2016, éramos menos de 6.100 e, em 2017, chegamos a 5.900 estabelecimentos industriais. Obviamente, a confirmação de que a crise econômica tinha afetado em cheio a indústria de Mato Grosso do Sul. Quando avaliamos a série histórica de emprego formal na indústria e os números de exportação, fica ainda mais claro de como a indústria daqui foi obrigada a se reinventar em um curto espaço de tempo.

Em que pese os altos investimentos de multinacionais, sobretudo da área de celulose, a serie aponta que entre 2013 e 2017 passamos de 141 mil empregados para 120 mil, ou seja, em quatro anos mais de 20 mil empregos na indústria foram perdidos. A exportação teve queda ainda mais impressionante, perdendo quase US$ 1 bilhão (R$ 4 bilhões) de 2014 a 2016. Porém, a “Indústria Resistente” de nosso Estado se manteve perseverante e com foco na retomada. A famosa frase “nada resiste ao trabalho” mostrou sua cara por aqui e hoje os números são outros. Mostram a retomada da indústria. Se em 2016 tínhamos a certeza de que a crise cruzou a divisa de Mato Grosso do Sul, hoje sabemos que a retomada é real, consistente e promissora.

Na geração de empregos, em 2017, tínhamos 120 mil empregados, hoje, esse número já subiu para 123 mil e a projeção é entrar 2020 com mais de 125 mil trabalhadoers nas indústrias. O número de empresas também mostra recuperação. Se em 2017 baixamos a casa de 5.900 indústrias, a projeção para o próximo ano é ultrapassar os 6.200 estabelecimentos, ou seja, se aproximando do patamar do inicio de 2015. Nas exportações encontramos nossa maior recuperação. A perda de US$ 1 bilhão entre 2014 e 2016 foi plenamente recuperada e ultrapassada. Este ano, devemos fechar em US$ 3,74 bilhões, um crescimento de 6,55% em relação ao ano passado. É o maior valor alcançado em exportações de produtos industriais da história de Mato Grosso do Sul.

Depois da tempestade, sempre vem a bonança e, dessa forma, seguimos determinados em transformar a indústria de Mato Grosso do Sul como peça fundamental no desenvolvimento econômico e social do nosso Estado. As nossas perspectivas são sempre as melhores possíveis, afinal de contas, temos de acreditar em nós mesmos. Os números mostram isso.

 

Sérgio Longen é empresário, presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (FIEMS) e vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
Lei da liberdade econômica beneficia pequenos empreendedores
Opinião
Juiz de Garantias: Avanço necessário!
Opinião
Habitação: Um olhar para o futuro
Opinião
O que esperar da Eurocopa em 2020?
Opinião
Marquinhos Trad: O futuro em construção
Opinião
Afinal o que é o Cadastro Positivo ?
Opinião
Black Friday: como comprar sem cair em armadilhas
Opinião
Você conhece os seus Direitos como Consumidor?
Opinião
Caro Abílio,
Opinião
MS, Estado sem memória

Mais Lidas

Brasil
Embraer mantém férias coletivas de funcionários por mais três dias
Geral
Nova diretoria do Sindifisco define metas
Geral
Homem procura por familiares em Mato Grosso do Sul
Cidade
Programa da prefeitura se destaca no país após premiação