Menu
Busca segunda, 06 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Opinião

O mito da prisão em segunda instância

O advogado Benedicto de Figueiredo, diz que a PEC proposta pelo Congresso Nacional "já nasce inconstitucional"

06 fevereiro 2020 - 11h45Benedicto de Figueiredo

Nas civilizações antigas, como Grécia e Egito, costumou-se chamar mitos os contos que retratavam estórias alheias à realidade para causar temor ao povo, a fim de que as pessoas viessem a temer os governantes e os venerassem como se Deuses fossem para aquiescer a sua dinastia.

O mito sempre continuou a existir, assim como Osiris (no Egito antigo), criou-se o mito de que o papel jamais seria substituído (Johannes Gutemberg), e hoje temos a imprensa digital, que de forma velocíssima, traz a realidade nua e crua de fatos que causam por vezes aplausos e por vezes indignação às pessoas.

Mas o mito evoluiu e o consciente coletivo passou a pensar por si mesmo, e a questionar se mitos e estórias seriam dignos de credibilidade, e que a Revolução Francesa foi a principal responsável por introduzir na sociedade a ideia de democratização de um povo.
Criou-se o mito de que a prisão (ou o temor a ela) seria a responsável pela diminuição da criminalidade e que o povo temendo a punição não mais praticaria atos considerados como crimes e a sociedade estivesse liberta.

A falácia da teoria punição levou a democratização de criar mecanismos para demonstrar que o Estado necessita provar a culpa de quem aponta como criminoso, e àquele que é apontado como criminoso ter instrumentos de defesas para provar a sua inocência, pois se assim não o fosse estaríamos vivendo a mitologia da Santa Inquisição.

O mito da prisão em segunda instância nada mais é do que a reprodução moderna daqueles que foram “caçados” na Revolução Francesa, na Santa Inquisição, nas Cruzadas, ou onde quer que o leitor se lembre da história, onde sempre havia uma “estória” maniqueísta que havia de um lado o bem e de outro o mal, mas nunca havia o fiel da balança daquilo que se chama Justiça.

É preciso lembrar que no Brasil existe a figura da prisão preventiva (art 312 e 313 do Código de Processo Penal), que exige requisitos mínimos para que uma pessoa seja levada ao cárcere antes de ser provada definitivamente a sua culpa.

A ideia maniqueísta da prisão em segunda instância automática, sem quaisquer requisitos exigidos do artigo 312 e 313 do Código de Processo Penal, é uma invenção mitológica contrária ao Estado Democrático de Direito, que possui uma Constituição que garante àquele que responde um processo ter o seu direito de defesa ser esgotado em todas as instâncias, porque se assim não o for estaremos diante do mito que pretende, pela força, reproduzir os maiores crimes da história da humanidade que extirpou o direito de defesa, utilizando-se de argumentos falaciosos da punição a qualquer custo, e tendo como bancarrota o fiel da justiça. 

A decisão do Supremo Tribunal Federal em garantir ao réu o direito de esgotar todas as instâncias para provar a sua inocência, vem desmistificar o mito da culpa a qualquer custo, e garantir a aplicação plena da Constituição Federal, que é a expressão máxima da Democracia.

No entanto o Congresso Nacional vem reativar a ideia da prisão em segunda instância, e fazer com que os Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais venham a dar a palavra final, suprimindo o direito do réu em esgrimir suas teses defensivas nos Tribunais Superiores (STJ e STF).

Oras, em primeiro lugar o direito do réu não ser considerado culpado até que se transite em julgado por todas as instâncias é um direito e uma garantia individual previsto na Constituição Federal no seu art. 5º, LVII, e a partir daqui decorre o segundo fato desse direito se tratar de uma cláusula pétrea, ou seja, nunca poderá ser objeto de emenda à Constituição qualquer proposta tendente a abolir um direito e garantia individual conforme dispõe o art. 60, parágrafo 4º, IV da Constituição Federal.

Em sendo assim, a PEC proposta pelo Congresso Nacional para determinar a prisão em segunda instância já nasce inconstitucional por se tratar de um projeto de lei tendente a abolir uma cláusula pétrea. 
 

Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
Lixão e a oportunidade perdida
Opinião
E o Rio Piquiri?
Opinião
O papel do Fundeb para a educação brasileira
Opinião
UM ANTICLINAL
Opinião
ESTADO, ECONOMIA E A COVID-19
Opinião
Violência contra as mulheres em tempos da pandemia do Covid-19: uma doença social que se agrava
Opinião
O mundo pós Pandemia COVID-19
Opinião
Educação, Saúde e um mea culpa necessário
Opinião
Dúvidas e conclusões
Opinião
Como consultar a Tabela Fipe?

Mais Lidas

Saúde
Entenda porque exercícios físicos na quarentena talvez não seja tão bom assim
Polícia
Dezenas de presos fogem de cadeia na madrugada
Polícia
Fugindo de "tribunal do crime", homem invade casa e se tranca no banheiro
Geral
Vídeo: batida entre motos nas Moreninhas deixa jovem gravemente ferido