Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Opinião

Opinião - COALIZÃO JÁ!

Precisamos de calmaria. Nos momentos de tempestade, os rios transbordam e as águas vão para as margens.

20 agosto 2021 - 09h10Carlos Marun

Precisamos de calmaria. Nos momentos de tempestade, os rios transbordam e as águas vão para as margens. A direita e a esquerda. É a hora dos extremos. Passada a enchente o rio se acalma e as águas voltam a andar pelo leito do rio. Pois bem precisamos que este processo que é natural venha a acontecer também na política brasileira. 

Não vou neste artigo fazer críticas aos dois candidatos que hoje despontam nas pesquisas eleitorais. Nem ao primeiro e nem ao segundo colocado. Só vou afirmar que para para mim e para uma robusta parcela da nossa população “existe coisa melhor”. Ou “tem que existir coisa melhor”.

Muito menos vou dizer que ambos só tem defeitos. Não! Eles tem suas virtudes, mas estas são relativizadas diante de defeitos imensos. E o maior deles é a completa incapacidade de ambos de pacificar o Brasil. 

Vivemos a maior crise de exasperação do odio das últimas décadas. Não digo da história, porque não vivi as épocas da escravidão  das revoluções. Mas certamente não é possível encontrar nos meus 60 anos de vida um ambiente tão convulsionado como este que estamos vivendo agora. Amigos se afastando e não mais podendo conviver. Famílias que não mais conseguem sequer se reunir em um almoço dominical. Namoros e casamentos que se encerram. E tudo em  função de as pessoas pensarem de forma diferente em relação à política nacional. 

Faz-se necessário que as coisas se pacifiquem. Os candidatos que lideram a pesquisa nos oferecem a certeza da continuação deste festival de ódio que assola o país. penso que é imperativo que aqueles que pensam desta forma se organizem no sentido de cumprir o dever de apresentar uma alternativa viável, lúcida e pacificadora para o eleitorado nesta hora decisiva para a vida nacional. Também não vou fazer apologia de candidaturas.

Tenho minhas preferências, mas elas não vem ao caso. Como bem disse Bruno Araujo, Pres Nacional do PSDB com quem conversei longamente há poucos dias, quem quer buscar apoio não pode se recusar a eventualmente apoiar. O importante neste momento é a consciência de que é necessária uma união destes inconformados para que o sucesso possa ser alcançado. 

No Brasil muitos estão insistindo em fazer 2022 acontecer antes de 2021. Em disputar o Segundo Turno antes do Primeiro. Pois saibam que isto é impossível. Existe sim um rito a ser seguido que nos garante a possibilidade de termos tempo. Não precisamos definir nosso candidato agora. Porém, temos o dever de agir já. 

Por que a dificuldade em definirmos nosso candidato? Simples. Porque não temos um candidato natural. Alguém que desde já reúna potencial eleitoral e político para ser de pronto ungido a condição de “Nosso Candidato”. Se tivéssemos, tudo seria mais fácil, mas ele não existe ainda. Ou melhor, existe mas não sabemos quem é. 

Hoje os votos estão saindo do ex-líder e indo diretamente para o antigo 2o colocado. O resultado é que a situação se inverteu. E por que este “voo direto”, sem escalas no meio do caminho? Ou sem observância ao “caminho do meio”? Porque ali ainda não posicionamos ninguém. Vemos hoje vários pré-candidatos de alguns partidos se apresentando. Todos tem seus méritos, mas ninguem conseguiu até agora se destacar.

Então, já que não temos um candidato ou candidata que possa rapidamente ser ungido a tal situação, podemos ficar de braços cruzados? Penso que não. Temos que criar já um fato político que faça com que as pessoas reflitam se não há uma opção melhor durante esta migração de A para B ou de B para A. Qual seria este fato? Penso eu que este fato é a definição do nosso Grupo. Saber quais são os partidos que realmente estão dispostos a seguir juntos nesta luta.

Se não podemos apresentar o nosso Candidato ou Candidata, devemos dizer quem somos e, na sequência, a que viemos. Ou seja, devemos formalizar o mais rapidamente possível a Coalisão de Partidos que vai sustentar esta Candidatura alternativa e, na sequência, apresentarmos um Programa Mínimo de Governo que possa, este sim, ser desde já aprovado por parcela significativa  da nossa população. Este programa mínimo deve se iniciar pela Defesa inarredável da Democracia. Aqui, lá e acolá. E sempre. Trata-se de bom início que desde já nos diferenciará dos adversários. 

Mãos à Obra!

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
Opinião - OBRA INACABADA
Opinião
Índio não quer mais apito
Opinião
Opinião: o Relógio da 14 de Julho e Reginaldo Leme
Opinião
Opinião: Revolução de costumes: A pandemia mudou a rotina e nos aproximou da ciência
Opinião
Opinião: Reforma Tributária ou construção de um novo sistema 
Opinião
Opinião: Festas clandestinas 'celebram' a morte
Opinião
Opinião: Recusa do empregado em tomar vacina contra Covid-19 e a demissão por justa causa
Opinião
A VACINA DA ESPERANÇA

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju