Menu
Busca domingo, 08 de dezembro de 2019
(67) 99647-9098
TJMS Dezembro-19
Opinião

Os limites do sigilo da fonte jornalística

O juiz federal Pedro Luís Piedade Novaes comenta sobre materiais recebidos por jornalistas, é crime usar ou não?

25 julho 2019 - 09h52Pedro Luís Piedade Novaes

Desde o início de junho, o The Intercept está divulgando supostas mensagens trocadas por membros da Força Tarefa da Lava-Jato, no aplicativo Telegram. Segundo o site, o material foi obtido por fonte anônima. Provavelmente, quem entregou esse material aos jornalistas cometeu o crime de invasão de dispositivo informático (artigo 154-A, do Código Penal), sem prejuízo de outras condutas ilícitas. E os jornalistas? Cometeram algum crime ou estão protegidos pelo sigilo da fonte jornalística? A resposta não é simples.

O sigilo da fonte jornalística é uma garantia constitucional prevista no art. 5º, inciso XIV, in fine, da Constituição Federal. Se algum fato chegou até o profissional da imprensa, por meio de uma fonte, e aquele, após checagem prévia, verifica que se trata de notícia verdadeira e de interesse público, é esperada a divulgação da informação. E, por expressa determinação da Constituição Federal, o jornalista não é obrigado a revelar a sua fonte, mesmo que o material entregue seja objeto de crime. Não pode, também, por via indireta, quebrar-se o sigilo telefônico do jornalista e nem haver a busca e apreensão de seus instrumentos de trabalhos. Ora, se a autoridade policial quer saber quem é a fonte sigilosa, que investigue os fatos por outros meios lícitos, respeitando-se, assim, a garantia constitucional do sigilo da fonte jornalística.

No entanto, a responsabilidade pela veracidade do que for divulgado passa a ser do jornalista e do site. Nesse aspecto, a conduta do The Intercept é questionada, uma vez que nenhum dos envolvidos nas conversas divulgadas assume que seu conteúdo é verdadeiro e, por sua vez, existe um dever ético dos jornalistas para com a sua fonte, de não divulgar o seu nome.

Por outro lado, as razões que levaram o site a divulgar tal material não devem ser levadas em conta para afastar a garantia do sigilo da fonte jornalística, pois o material divulgado é de interesse público e possivelmente verdadeiro.

De outra forma, se as autoridades policiais conseguirem indícios de prova de que os jornalistas estavam mancomunados com a sua fonte (possível hacker), a garantia do sigilo da fonte é inaplicável e tais profissionais de imprensa devem também ser investigados. E a razão é simples: nenhuma garantia constitucional deve ser utilizada como escudo para cometimento de atos ilícitos. É um pressuposto básico de Direito Constitucional que é esquecido nos debates ideológicos radicais de hoje em dia. Logo, se os referidos jornalistas usarem a garantia do sigilo da fonte para cometer crimes, a Constituição Federal não irá protegê-los.

Finalmente, ao contrário do que se possa parecer, o sigilo da fonte jornalística não se trata de privilégio da imprensa. A Constituição Federal, ao proteger o trabalho do jornalista sério, garante, na verdade, o direito à informação e a preservação da liberdade de imprensa, a qual é oxigênio para a própria democracia, pois significa a existência de uma população bem informada sobre qualquer assunto de interesse público e verdadeiro.

Pedro Luís Piedade Novaes, Juiz Federal, professor nos cursos de direito e jornalismo na Unitoledo e autor do livro ‘Tutela do Direito de Sigilo da Fonte Jornalística’.

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Opinião
Marquinhos Trad: O futuro em construção
Opinião
Afinal o que é o Cadastro Positivo ?
Opinião
Black Friday: como comprar sem cair em armadilhas
Opinião
Você conhece os seus Direitos como Consumidor?
Opinião
Caro Abílio,
Opinião
MS, Estado sem memória
Opinião
MS: Um novo salto de desenvolvimento
Opinião
MS 42 anos: maturidade abre novos horizontes de desenvolvimento para o Estado
Opinião
A retomada da indústria
Opinião
Lição de Onoda

Mais Lidas

Saúde
Ação de prevenção ao cancêr de pele foi realizada em hospitais da Capital
Geral
Encontrado Gabriel, após dois dias desaparecido
Polícia
Criança de dois anos morre em acidente fatal
Política
Bolsonaro publica revogação de decisão que excluía atividades de MEI