Menu
Busca sexta, 17 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Oportunidade

Jedeão de Oliveira é condenado por desvio de dinheiro

Ele cumprirá 41 anos, três meses e oito dia de prisão e deverá pagar multa de seis mil reais

03 dezembro 2018 - 10h40Da Redação com Assessoria

Jedeão de Oliveira foi condenado a 41 anos, três meses e oito dias de prisão, ele foi chefe de gabinete por 21 anos do juiz federal Odilon de Oliveira, candidato a governador nas eleições deste ano.

A sentença do juiz Dalton Igor Kita Conrado, da 5ª Vara Federal de Campo Grande, foi publicada nesta sexta-feira (30). Além de cumprir a pena em regime fechado, ele deverá pagar multa de R$ 6,2 mil pelo desvio de dinheiro da 3ª Vara Federal Especializada em Crimes do Sistema Financeiro e Lavagem de Dinheiro.

Jedeão foi condenado por usar a função de confiança de servidor público federal para se apropriar de dinheiro apreendido pela Polícia Federal. Ele poderá recorrer contra a sentença em liberdade e só irá começar o cumprimento da pena quando a sentença transitar em julgado, que pode levar muitos anos.

O juiz o absolveu de três acusações, pelos desvios envolvendo os processos da Operação Vulcano, de Nilson Monteiro da Silva e Amauri Francisco da Silva. Além da prisão, o ex-assessor ainda pode ser condenado a devolver R$ 10,6 milhões aos cofres públicos, que inclui o ressarcimento do dinheiro desviado da Justiça e o pagamento de multa e indenização por danos morais coletivos.

O escândalo foi descoberto em junho de 2016, quando a juíza substituta Monique Leite Marchioli descobriu que Jedeão não tinha encaminhado para o banco dinheiro apreendido. Ele comunicou o titular da vara, o juiz Odilon de Oliveira, que denunciou o então assessor e primo à Polícia Federal.

Correção extraordinária do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, feita a pedido do magistrado, confirmou a denúncia. Jedeão foi exonerado do cargo e foi denunciado pelo MPF. Durante a campanha eleitoral, em julho deste ano, Jedeão de Oliveira procurou a Procuradoria da República em Campo Grande e propôs acordo de delação premiação contra o ex-chefe. No entanto, o MPF não viu provas das acusações e rejeitou a colaboração premiada.

Com a proposta recusada, o ex-assessor registrou carta com as denúncias em cartório no interior de São Paulo e o caso ganhou as manchetes dos jornais. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) usou as acusações para atacar o candidato do PDT no primeiro e no segundo turno.

Confira aqui a decisão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Oportunidade
Inscrição para cursos gratuitos na Funsat encerra nesta sexta-feira
Oportunidade
Funtrab oferece 200 vagas de emprego nesta sexta-feira
Oportunidade
Governo oferece cursos de capacitação gratuitos e online para servidores
Oportunidade
Gerente do Cinemark toma iniciativa para empregar LGBTQI+
Oportunidade
Prefeitura abre processo seletivo para desenhista cadista
Oportunidade
Sanesul abre prazo para envio de inscrições para 40 vagas de trabalho
Oportunidade
Prefeitura abre inscrição para programa de orientação vocacional
Oportunidade
Funtrab oferece 181 vagas de emprego na capital
Oportunidade
Sanesul: seleção com salários de até R$ 3,1 mil abre inscrições na quarta-feira
Oportunidade
Inscrição em curso de línguas do IFMS termina na sexta-feira

Mais Lidas

Cidade
Odilon Júnior participa de ato para regularização fundiária na “Favela do Linhão”
Economia
Campo Grande é campeã em novas empresas em 2019
Polícia
Quatro homens foram autuados em R$16 mil por exploração ilegal de madeira
Cidade
“Precisamos de eficiência para atrair grandes empreendimentos”