Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Polícia

Bases do Batalhão da PM são atacadas por manifestantes encapuzados

Grupos encapuzados levam viaturas, carros e esvaziam pneus da guarnição no Ceará

19 fevereiro 2020 - 14h14Sarah Chaves, com informações do G1

Um grupo de criminosos encapuzados atacaram Batalhões da Polícia Militar, na madrugada desta quarta-feira (19), no Ceará. Eles levaram viaturas policiais e furaram, rasgaram e esvaziaram pneus de veículos oficiais e particulares.

As ações na madrugada ocorreram no 17º Batalhão, no Bairro Conjunto Ceará, e no 22º Batalhão, no Bairro Papicu, ambos em Fortaleza.

Parte dos policiais e bombeiros militares organizam atos reivindicando melhoria salarial. A organização dessas manifestações foi proibida pela Justiça no início da semana. Também ficou decidido que, em caso de manifestação por aumento salarial, os policiais podem ser presos.

Em entrevista coletiva, o secretário da Segurança, André Costa, afirmou que os batalhões foram atacados por "pessoas que se autointitulam como policiais militares".

Na tarde de terça-feira (18), três policiais foram presos em Fortaleza, contrariando a decisão da Justiça que determina a proibição de movimentos e protestos por reivindicação salarial de militares no Ceará. Armados e usando balaclava, os agentes esvaziavam pneus de um carro da polícia no Bairro Antônio Bezerra quando foram presos, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública.

Os soldados, que atuam no 14º Batalhão da PM, em Maracanaú, na Grande Fortaleza, foram presos em flagrante por equipes do Comando de Polícia de Choque (CPChoque).

Representantes da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SPPDS) se reuniram hoje com o governador do Estado, Camilo Santana, para definir ações relacionadas aos atos. O órgão ainda não divulgou um posicionamento oficial sobre o que ocorreu nos Batalhões.

As ações foram realizadas após o início da tramitação, na Assembleia Legislativa do Ceará, da proposta de reajuste salarial de policiais e bombeiros militares do estado, na terça-feira (18). O texto estabelece o salário-base de um soldado de R$ 4,5 mil, com aumento progressivo até 2022. O salário atual da categoria é de R$ 3,2 mil. A proposta inicial, rejeitada pelos policiais, era de aumento para R$ 4,2 mil até 2022. O projeto tem gerado crise entre parte da categoria e o governo estadual.

De acordo com decisão da Justiça do Estado do Ceará (TJCE), agentes de segurança que promoverem manifestações e paralisações poderão ser presos. Ao todo, 150 policiais já tiveram inquéritos instaurados e três foram presos por furar pneus de carros da PM.

Inquéritos contra policiais envolvidos em crimes

O Governo do Ceará informou, na noite desta terça-feira (18), que irá instaurar inquérito policial militar, bem como processos administrativos disciplinares, contra todos os agentes de segurança que se envolverem em atos que configurem crime militar

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Dupla não respeita toque de recolher foge pela contramão e é presa
Polícia
Após tentar assaltar jovem em ponto, ladrão é amarrado em poste na capital
Polícia
Após seis boletins contra ex-marido, mulher é morta com tiro na cabeça
Polícia
Homem é baleado na axila e caminha até avenida para pedir ajuda
Polícia
"Se eu for preso eu te mato", diz marido após espancar e esganar a esposa
Polícia
Vítima de feminicídio, jovem é esfaqueada até a morte pelo marido
Polícia
Família procura adolescente de 16 anos desaparecido
Polícia
Homem é preso visitando mulher que ele mesmo agrediu
Polícia
Homem tenta matar mulher e é preso ao visitá-la em hospital
Polícia
Ladrão tenta roubar apartamento com arma de brinquedo e é preso por policial

Mais Lidas

Política
Eleições - Levantamento aponta renovação de 50% na Câmara da capital
Polícia
Dupla não respeita toque de recolher foge pela contramão e é presa
Internacional
EUA são acusados de desviar equipamentos que iriam para Brasil, Alemanha e França
Brasil
Brasil tem 431 mortes e 10.278 casos confirmados de coronavírus