Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 99647-9098
TJMS topo
Política

Aliança, partido de Bolsonaro, ficará fora das Eleições 2020

Constatação do advogado da legenda é que os “cartórios eleitorais não estavam preparados” para receber assinaturas

27 fevereiro 2020 - 07h12Priscilla Porangaba, com informações do Estadão

A nove meses das eleições municipais e cada vez mais convicto de que a Aliança pelo Brasil não sairá do papel a tempo de entrar na disputa, o presidente Jair Bolsonaro tem indicado uma guinada na estratégia que adotará na corrida deste ano. 

Ao vislumbrar um cenário em que não existirá um partido bolsonarista nas urnas, siglas de direita como Patriota, PL e Republicanos buscam filiar seguidores de Bolsonaro que pretendem abandonar o PSL.

Faltam pelo menos 40 dias do prazo limite estabelecido pela Justiça Eleitoral para que os partidos políticos obtenham registro para disputar as eleições municipais deste ano.

A coordenação do Aliança já indicou que, caso não consiga obter o registro até março, deve liberar seus pré-candidatos para entrarem nos partidos que quiserem.

Até ontem, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia validado apenas 3.334 assinaturas e são necessárias, no mínimo, 492 mil para obtenção do registro.

De acordo com o advogado Luís Felipe Belmonte dos Santos, segundo vice-presidente e principal operador do partido a ser criado, foram coletadas mais de 1 milhão de assinaturas, mas elas não foram reconhecidas nos cartórios eleitorais.
“Os cartórios eleitorais estão recusando todas as fichas com firma reconhecida, alegam que não houve regulamentação, o sistema cai toda hora”, disse Belmonte.

Na tentativa de se viabilizar, o Aliança mandou um pedido ao TSE perguntando se era possível dispensar a validação de assinaturas pela Justiça Eleitoral quando o apoio tivesse sido reconhecido por tabelião do registro de notas. O pedido ainda tramita na Corte Eleitoral.

“O presidente não quer quantidade, mas qualidade. Ele quer pessoas de confiança para evitar que se repita o que houve com o PSL”, afirmou o advogado, em referência ao partido PSL.

A avaliação de Belmonte é que a ausência do Aliança nas eleições de 2020 não terá peso relevante no projeto de reeleição de Bolsonaro em 2022. O presidente deve apoiar candidatos pontuais.

Assembleia - Mais ALEMS

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Empresários voltam as ruas para reabrir comércio da capital
Política
Ministro encaminha à PGR pedido de afastamento de Bolsonaro
Política
TJMS destina R$ 570 mil no combate ao coronavírus
Política
Após tratamento do coronavírus, Nelsinho participa de votação remota
Política
Suporte - Câmara segue com vacinação de idosos contra a gripe
Política
Por meio de Decreto, Marquinhos autoriza abertura de agências bancárias
Política
Senado vota hoje auxílio de R$ 600 para autônomos e informais
Política
Deputado Barbosinha pede suspensão de cobrança no pedágio da BR-163
Política
Marquinhos decreta barreira sanitária no aeroporto da capital
Polícia
Gerente de motel é preso por filmar clientes durante intimidades

Mais Lidas

Geral
Cachorro é resgatado após passar a noite preso em fossa
Geral
Defensoria de MS alerta para casos de violência contra a mulher na quarentena
Geral
Moro autoriza uso da Força Nacional para apoiar Ministério da Saúde
Política
Empresários voltam as ruas para reabrir comércio da capital