Menu
Busca sexta, 24 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Política

André continua à frente de Zeca, aponta pesquisa

26 setembro 2010 - 12h19
Apesar de toda a crise política que foi a tônica da campanha a partir de um vídeo onde são citados o governador André Puccinelli, o ex Zeca do PT, desembargadores e membros do Ministério Público e que foi o centro do noticiário da imprensa na última semana, o resultado da eleição em MS pode ser o mesmo segundo pesquisa IBOPE/REDE GLOBO/TV MORENA, divulgada na última sexta-feira. André oscilou de 52 para 51%, enquanto Zeca cresceu de 36% para 41%, o que é significativo. Porém até agora, a crise parece ter tirado de André muito menos do que seria necessário para uma virada. Os 41% de Zeca, refletem sua ascensão sobre os eleitores indecisos já que André teve sua intenção de votos reduzida em apenas um ponto percentual. Outra aposta, que chegou a ser ventilada por analistas, a de que o candidato do PSOL Nei Braga poderia ser o grande beneficiado pela crise como resultado de uma possível crise de desencanto do eleitor de MS com a classe política, também não se consumou. Braga chegou a 2%, um número pequeno para uma oportunidade como essa. Senadores Já para o senado, o quadro permanece com poucas alterações. Delcídio do Amaral(PT), segue disparado, liderando a corrida, e teria 63% segundo o IBOPE.Já na disputa pela segunda vaga, Dagoberto Nogueira(PDT) venceria seu principal oponente, Waldemir Moka(PMDB) que teria 32%.Quem mais cresceu foi Murilo Zauith (DEM), que na última pesquisa teve 19%, ou seja, um significativo crescimento de dez pontos percentuais. A pesquisa teve seu campo realizado entre 21 e 23 de setembro, captando portanto, os efeitos da crise política. Foram ouvidos 812 eleitores em todo o estado. Margem de erro 3 por cento.Registro número 40.152/2010 junto ao TER/MS. Já IPEMS mostra Moka com uma vantagem de 100 mil votos sobre Dagoberto: 40% a 34% Se as eleições fossem hoje, o deputado federal Waldemir Moka (PMDB) se elegeria senador por Mato Grosso do Sul, juntamente com Delcídio do Amaral. Pesquisa do Ipems mostra que Moka chegou a 40,20% das intenções de votos, seis pontos percentuais à frente de Dagoberto Nogueira (PDT) que tem 34,13%. Considerando que o estado tem 1,7 milhão de eleitores, a diferença garante a Moka uma vantagem superior a 100 mil votos na reta final da campanha. A pesquisa confirma a liderança do senador Delcídio do Amaral (PT) com 60,27% das intenções de votos. Murilo Zauith (DEM) aparece com 27,83% e Jorge Batista (PSOL) com menos de 1%. Não opinaram 16,03%, não responderam ao primeiro voto 13,02% e 7,67% disseram não votar em nenhum deles. Na avaliação do Ipems, todos os candidatos cresceram em relação à rodada anterior, realizada no início do mês. Moka foi quem apresentou melhor desempenho, passando de 31,05% para 40,20%, um avanço de 9,15 pontos percentuais. O segundo maior crescimento foi de Murilo que saltou de 20% para 27,83%. Dagoberto passou de 30% para 34,13% . Mesmo na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados, Delcídio e Moka lideram a corrida pelo Senado. Delcídio aparece com 40,20%. Moka tem 21,84%. Dagoberto aparece na sequência com 20,96%. Murilo foi escolhido por 17,47%. Jorge Batista ainda é citado por 0,33% e 0,17% falaram nomes de outras pessoas que não estão na disputa ao Senado. Não sabem ou não opinaram 55,96% dos entrevistados e não responderam a intenção de 1º voto 43,10%. Pela avaliação do Ipems, Moka está na frente de Dagoberto tanto na capital como no interior. Em Campo Grande, Moka tem 42,98% contra 38,36% de Dagoberto. No interior a disputa é de 38,91% para Moka contra 32,16% de Dagoberto. A disputa pela segunda vaga para o Senado traz vantagem para Moka em três das quatro mesorregiões abrangidas pela pesquisa no estado. Moka só perde para Dagoberto na Meso Pantanal (37,37% a 47,40). Nas demais mesorregiões Moka leva vantagem: Centro Norte (44,23 a 37,64), Meso Leste (40,09 a 34,97) e Sudoeste (36,28% a 25,88%). Moka ganha entre os homens e as mulheres: 40,77% do eleitorado feminino pretende votar em Moka e 32,13% em Dagoberto. Dentre os homens a disputa é mais apertada: Moka é o preferido de 39,59% e Dagoberto de 36,28%. Moka ganha de Dagoberto também na preferência dos eleitores em todas as faixas etárias. A exceção é para os jovens e adolescentes de 16 a 17 anos em que eles empatam. Na divisão dos eleitores por renda familiar (até 3 salários mínimos, de 3 a 8 SM e mais de 8 SM), Moka supera Dagoberto. 39,64% dos eleitores com até 3 salários mínimos de renda familiar votam em Moka, enquanto 34,19% votariam em Dagoberto; Dos que ganham de 3 a 8 SM, 42,52% preferem Moka contra 35,04% e dos que ganham acima de 8 salários mínimos, 44% contra 22% votam no candidato peemedebista. O trabalho foi registrado no TRE-MS, sob o protocolo Nº 40.179/2010. Foram entrevistados 3 mil eleitores em todos os municípios do estado. A margem de erro é de 1,79% para mais ou para menos.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Relatório da reforma administrativa é aprovado por Comissão da Câmera
Política
Diretor da Precisa nega participação nas negociações da Covaxin
Política
PEC da Reforma Administrativa deve ser votada pela Comissão especial
Política
Dono da Havan deverá explicar fraude em certidão de óbito da própria mãe à CPI
Política
IOF não irá financiar Bolsa Família em 2022, segundo secretário
Política
Bolsonaro e comitiva brasileira devem fazer quarentena por recomendação da Anvisa
Política
Nelsinho representa pauta ambiental do Brasil nos EUA
Política
Vídeo: André Puccinelli afirma que decide candidatura até dezembro
Política
Em MS "bandido não faz carreira", dispara Paulo Corrêa
Política
Auxílio Brasil é tema de audiência na Câmara com ministro da Cidadania

Mais Lidas

Polícia
Vídeo: Corpo seminu encontrado em córrego no Santo Eugênio é de uma mulher
Geral
'Zé Calango' tem mal súbito e morre enquanto pilotava moto
Geral
Corpo é encontrado em córrego perto da rodoviária de Campo Grande
Polícia
Polícia flagra adolescentes de 13 e 17 fazendo programa sexual em bar