Menu
Busca segunda, 13 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 03
Política

Após avisar que ficará calado, dono da Delta deve ser convocado por CPI

05 julho 2012 - 11h10Eduardo Knapp - 18.abr.12 / Folhapress

A CPI do Cachoeira deve aprovar nesta quinta-feira (05) a convocação de Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, para depor sobre a suspeita de que sua empresa financiou um esquema de corrupção comandado pelo empresário Carlinhos Cachoeira.

A base aliada vinha sendo criticada por adiar a convocação do empresário, mas aceitou convocá-lo após saber que ele pretende ficar em silêncio na CPI. Ao governo não interessa que fale pois, desde 2007, a empreiteira foi a maior recebedora de recursos federais.

Membros da CPI investigam se dinheiro da Delta financiou caixa dois de campanhas eleitorais. A PF averiguou que recursos da empreiteira abasteceram empresas fantasmas usadas pelo esquema de Cachoeira. A empresa nega irregularidades.

O acordo na base aliada para a convocação de Cavendish inclui a manutenção do rito pelo qual os depoentes que recorrem ao direito de permanecer calado não são questionados pelos parlamentares, permanecendo na sala da CPI apenas segundos, o que evita constrangimentos.

O DEM e parlamentares independentes queriam mudar o rito para terem direito de fazer questionamentos mesmo que o depoente se recuse a responder. O PSDB chegou a defender a mudança, mas recuou após ser avisado pelo PT e PMDB de que se assim for todos os depoentes que não foram questionados serão reconvocados. Isso inclui a vinda de pessoas ligadas ao governador Marconi Perillo (PSDB-GO).

Na manhã de hoje, a CPI decidiu manter o rito após 20 integrantes votarem a favor da continuidade e oito se posicionarem contra a mudança. A alteração estava sendo debatida e uma das consequências podia ser a não convocação de Cavendish com a ideia de mandar o depoente embora tão logo ele comunicasse que iria permanecer calado. A comissão adotou o modelo após a senadora Katia Abreu (PSD-TO) se irritar com a decisão de Carlos Cachoeira de não responder aos parlamentares quando esteve na CPI. Ela chegou a chamar o empresário de "múmia", o que levou a CPI a optar por dispensar quem não quisesse contribuir. O DEM prometia recorrer ao STF se perdesse na discussão hoje.

O embate na CPI deve ficar em torno da convocação de Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Dnit, considerado "incontrolável" pelos governistas.

A base aliada ao governo não quer a convocação de Pagot com o argumento de que o depoimento dele irá levar à CPI supostas irregularidades em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Se Pagot for convocado, os governistas, que têm maioria na comissão, ameaçam chamar o ex-diretor da Dersa (Departamento de Estradas de São Paulo) no governo de José Serra (PSDB), Paulo Vieira, o Paulo Preto. O órgão que ele comandava contratou a Delta.

Também ameaçam convocar Adir Assad, dono de empresas suspeitas de operarem para a Delta e outras grandes empreiteiras do país em São Paulo.

Via Folha

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação
Política
Movimento protesta contra Bolsonaro na Afonso Pena
Política
Alunos podem ter aferição de temperatura obrigatória na volta às aulas
Política
“Estou bem melhor”, diz Paulo Corrêa
Política
Na assembleia, Coronel David lamenta morte de PM
Política
Assembleia aprova estado de calamidade em Bodoquena, Bela Vista e Terenos
Política
Câmara aprova adicional de 40% a trabalhadores do combate ao coronavírus

Mais Lidas

Polícia
Homem é preso em flagrante após tentar matar conhecido com chave de fenda
Justiça
TJ-MS cria link para vítima pedir medida protetiva contra agressor pela internet
Polícia
Armado, homem ameaça matar família se ex não entrasse em carro e a sequestra
Educação
Resultado do Sisu sairá nesta terça