Menu
Busca domingo, 11 de abril de 2021
(67) 99647-9098
TJMS abril21
Política

Após conversa com prefeito, Siufi sinaliza mudança de prédio da Câmara

17 abril 2012 - 10h44João Garrigó

O vereador Paulo Siufi (PMDB) sinalizou nesta terça-feira, após conversar com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB), a mudança de prédio da Câmara Municipal de Campo Grande.

O presidente da Casa de Leis afirmou que, para receber os novos vereadores na próxima legislatura, continuar no atual prédio “não seria bom”.

Ele ainda revelou que, em conversa com o prefeito, uma “situação interessante” para a questão teria sido encontrada, sem dar pistas para “não atrapalhar as negociações”.

Mesmo com os sinais de mudança de prédio, Siufi garantiu que a situação segue indefinida e que as possibilidades de continuar no mesmo local serão esgotadas, já que seria necessário altera a atual estrutura de prédio para comportar o novo número de vereadores.

O peemedebista ainda garantiu que a população pode ficar tranquila, pois os vereadores vão cumprir o prazo para cumprir a mudança.

Entenda
Nelsinho Trad já descartou, publicamente, a construção de um novo imóvel para abrigar a Câmara Municipal. Uma ação na Justiça pede que os vereadores sejam despejados e que a prefeitura pague os aluguéis em atraso.

Uma das alternativas seria remanejar a Câmara para o prédio da rodoviária desativada. O local deveria receber o Juizados Especiais do Tribunal de Justiça, mas há um impasse diante da demora de desapropriação de parte do imóvel, que é privada.

Em dezembro do ano passado, a juíza da 3ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos de Campo Grande, Maria Isabel de Matos Rocha, julgou procedente o pedido da Haddad Engenheiros Associados solicitando a desocupação do imóvel no prazo máximo de 30 dias, sob pena de despejo. Além disso, considerou que a Prefeitura deveria restituir o valor.

Em janeiro, a Câmara conseguiu um recurso suspendendo a decisão. Já a Haddad entrou com outro recurso pedindo para a Justiça mude os critérios de cobrança dos valores, pedindo o pagamento dos juros desde o ano de 2005 e não desde a citação, em 2010.

O aluguel da Câmara, em vigor desde 2000, já teve direito a vários capítulos na Justiça. O valor mensal, que era de R$ 35 mil, foi considerado abusivo pelo MPE (Ministério Público Estadual) e em 2001 uma liminar reduziu o pagamento para R$ 15 mil.

O contrato acabou em 2005 e desde então o aluguel não foi pago. A construtora recorreu e obteve o aval da justiça para receber R$ 7 milhões pelos anos em que a Câmara não fez os depósitos pela locação. O argumento foi de que o contrato teve renovação automática.

Via Campograndenews

APP JD1_android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaristas fazem carreata "pela família" e "contra o comunismo"
Política
Reinaldo apresenta Reforma Administrativa na Assembleia
Política
Pessoas com saúde mental afetada pela pandemia podem ter amparo do SUS
Política
Marun está deixando o conselho de Itaipu
Política
Câmara quer imprensa entre prioridades na vacinação
Política
Câmara aprova texto-base de projeto que permite empresas comprarem vacinas
Política
Bolsonaro quer criar Dia de Conscientização sobre Riscos do Aborto
Política
Vereadores criam CPI para esclarecer gastos da prefeitura de Dourados na pandemia
Política
Bolsonaro pretende ligar para presidente da Rússia para falar sobre Sputnik V
Política
Reinaldo sanciona o "Mais Social", que dará R$ 200

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio