Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Política

Após fala de Nelsinho, senado flexibiliza patentes na pandemia

Projeto pretende facilitar o direito do Brasil em fabricar imunizantes contra o coronavírus

30 abril 2021 - 06h16Marcos Tenório, com informações da CNN Brasil

Por 55 votos a 19, o Senado aprovou nesta quinta-feira (29), um projeto de lei que permite a quebra de patentes de vacinas contra o coronavírus. A matéria, considerada polêmica, foi muito debatida entre parlamentares, Palácio do Planalto, além de empresas e países produtores de imunizantes.

Apesar das tentativas de acordo, a liderança do governo na Casa foi contra a aprovação do PL, enquanto a maioria dos partidos liberou seus parlamentares para votar da maneira que quisessem. O texto segue agora para a análise da Câmara dos Deputados antes de entrar em vigor. 

Segundo publicou a CNN Brasil, o projeto pretende facilitar o direito do Brasil em fabricar imunizantes contra o coronavírus. De acordo com o texto, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), será permitida, além da quebra temporária de patente de vacinas, a fabricação de testes de diagnóstico e medicamentos de eficácia comprovada contra a doença, enquanto vigorar o estado de emergência de saúde. Com isso, a matéria pretende liberar a produção de imunizantes, remédios e insumos, “sem necessidade de observância dos direitos de propriedade industrial”. 

O relatório do senador Nelsinho Trad (PSD-MS) cita nominalmente a quebra de patentes para a produção de vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 e suas variantes, bem como seus ingredientes ativos e quaisquer insumos, invenções ou modelos de utilidade necessários à sua produção, e o medicamento Remdesivir. Nelsinho alterou o texto original e deixou claro no substitutivo que as negociações coletivas junto a outras nações e organismos internacionais caberão ao Executivo, que “deve continuar a enviar esforços de forma a viabilizar a cooperação internacional para possibilitar o acesso universal aos produtos farmacêuticos, vacinas e terapias necessários para o combate ao coronavírus”.

De acordo com o texto aprovado no Senado, os titulares das patentes deverão disponibilizar ao poder público todas as informações necessárias à efetiva reprodução dos objetos protegidos, cabendo ao governo assegurar a proteção cabível dessas informações, “contra a concorrência desleal e práticas comerciais desonestas”.

Além disso, o governo deverá editar, no prazo de 30 dias a partir da publicação da lei, as regras a serem seguidas pelas empresas que irão fabricar as vacinas e remédios, após a quebra da patente.

Genetica 1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
"Não é favor, é missão nossa", diz Bolsonaro em entrega de títulos a assentados de MS
Política
Senado aprova redução de tarifa de energia com reembolso de tributos
Política
Rodolfo Nogueira com Bolsonaro amanhã em Terenos
Política
Após Datafolha, Bolsonaro chama Lula de 'ladrão de nove dedos'
Política
Câmara aprova titulo de "visitante ilustre" a Bolsonaro
Política
Riedel atuará com empresários em plano de recuperação econômica
Política
Câmara aprova projeto que institui Kit Merenda da Agricultura Familiar
Política
MDB se diz solidário a André
Política
Paulo Corrêa elogia trabalho e reafirma apoio à Polícia Civil em formatura
Política
Bolsonaro vem ao assentamento Santa Mônica na sexta-feira, às 10 horas

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio