Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Política

Bolsonaro sanciona lei de reeducação para agressores de mulheres

Projeto criado em 2016, já possui medidas similares que ocorrem em alguns Estados brasileiros

06 abril 2020 - 13h15Sarah Chaves, com informações da assessoria

Um projeto aprovado pelo Senado em fevereiro, foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na última sexta-feira (3), e determina que agressores de mulheres podem ser obrigados a frequentar centros de reeducação, além de receber acompanhamento psicossocial (Lei 13.984, de 2020).

A nova lei altera a Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006), o juiz já poderá obrigar eventuais agressores a frequentarem esses cursos a partir da fase investigatória de cada caso verificado de violência contra a mulher. Isso porque essas medidas estão no rol da proteção urgente das vítimas.

A reeducação não livrará o cumprimento da eventual pena ao final do processo, decidida contra o agressor no âmbito do processo judicial pela agressão. 

A autora do projeto, que é de 2016, é a ex-senadora Regina Sousa, hoje vice-governadora do Piauí. Na época, ela lembrou que alguns Estados já adotam estratégias de reeducação e acompanhamento psicossocial dos agressores, apresentando bons resultados, como em São Paulo, Mato Grosso e Rio Grande do Norte.

Para ela, incluir a medida na Lei Maria da Penha dá mais segurança jurídica a essas ações e poderá generalizar a adoção dessas estratégias por todo o país.

O relator da proposta, senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ), diz que a reeducação é para a proteção emocional do homem. “A frequência aos grupos de reeducação e apoio não apenas contribui para diminuir os casos de reincidências, mas concorre também para a proteção emocional do próprio agressor, com a oportunidade de se reeducar, para conviver melhor com a sociedade e com a sua família em particular”, falou.

Na ocasião, Arolde reforçou que é comum que casos de violência contra mulheres passem por escaladas, que começam com agressões verbais e psicológicas, avançam para a violência física até culminarem em assassinatos.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Coronel David visita novo Comandante da PM e reafirma apoio às forças de segurança
Política
Mansour rebate fala de Bolsonaro que contraria exame da OAB
Política
Paulo Corrêa tem melhor avaliação na Assembleia, diz pesquisa
Política
“Não faltará dinheiro”, afirma Simone sobre ajuda a estados e municípios
Política
“Não entendo o porquê a Energisa questiona a CPI se não existem irregularidades”, diz Orro
Política
Assembleia reconhece mais três municípios em estado de calamidade pública
Política
Reinaldo entrega cestas básicas que beneficiarão 1,6 mil idosos
Política
“Pessoas do interior vem a capital para fugir do surto da pandemia”, diz Marquinhos
Política
Prefeitos querem adiar eleições municipais para 2022
Política
"Fui gado, comi capim", diz deputado ex-bolsonarista

Mais Lidas

Justiça
Justiça obriga empresa a pagar r$ 2 mil à aluno que não recebeu aulas do curso
Polícia
Adolescente é flagrado com drogas e armas
Economia
Estados Unidos anuncia a doação de mais US$ 6 milhões ao Brasil
Internacional
Macacos 'assaltam' laboratório e levam exames de sangue com coronavírus