Menu
Busca segunda, 08 de março de 2021
(67) 99647-9098
governo março - Estado que Cresce
Política

Comissão que apura violência contra mulher ouve hoje autoridades de MS

13 novembro 2012 - 10h28Rachid Waqued/Notícias MS

A CPI mista que investiga a violência contra a mulher iniciou ontem intensa programação de trabalho em Campo Grande. As atividades se encerram com uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, hoje, a partir das 14h.

O estado ocupa o quinto lugar do país em número de homicídios de mulheres. A cada 100 mil mulheres de Mato Grosso do Sul, 6 são vítimas de assassinato, taxa acima da média nacional, que é de 4,4 a cada 100 mil.

A programação foi aberta ontem pela manhã, com uma audiência com o governador do estado, André Puccinelli.

Em seguida, a comissão iniciou diligências em órgãos especializados de atendimento à mulher. Foram visitados o Centro de Referência, a Delegacia da Mulher e, ainda, a Vara e a Promotoria de Violência contra a Mulher. À noite, houve reunião com o movimento de mulheres.

Para a manhã de hoje está prevista uma reunião com mulheres indígenas. À tarde, às 13h, haverá uma entrevista coletiva com a imprensa na assembleia legislativa. A partir das 14h, no auditório da assembleia, será realizada audiência pública para ouvir gestores públicos e representantes do Judiciário,  do Ministério Público, da Defensoria Pública, de movimentos sociais e da sociedade civil organizada.

Comissão
Em funcionamento no Congresso desde fevereiro, a CPI tem como objetivo investigar a situação da violência contra a mulher no Brasil e apurar denúncias de omissão do poder público. A comissão é presidida pela deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) e tem na relatoria a senadora Ana Rita (PT-ES). A vice-presidente é a deputada Keiko Ota (PSB-SP). A CPI já esteve no Espírito Santo (estado com a maior taxa de homicídios do país, 9,4 mulheres a cada 100 mil) e em Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Alagoas, Paraná, São Paulo, Bahia, Paraíba e Distrito Federal.

Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) apontam que a violência doméstica é a principal causa de lesões em mulheres de 15 a 44 anos no mundo. Segundo Ana Rita, o Brasil é o sétimo país onde mais mulheres são mortas. Nos últimos 30 anos, foram assassinadas mais de 92 mil mulheres, 43,7 mil só na última década. "Quase 70% dos homicídios ocorrem dentro de casa e são praticados pelos cônjuges" afirmou.

Via Jornal do Senado
 

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Câmara deve votar esta semana a proposta que libera auxílio emergencial
Política
Com covid, senador Major Olímpio está na UTI
Polícia
Contrabando avaliado em R$ 600 mil é apreendido
Política
Projeto quer transformar em lei norma de atividades religiosas como essenciais
Política
Senadores cobram da Anvisa agilidade na aprovação de mais vacinas
Política
Senado aprova texto-base da PEC Emergencial em 2º turno
Política
Mourão diz que Brasil acompanha ritmo de vacinação mundial
Política
Covid-19: Câmara aprova projeto para ajudar setor de eventos
Política
Senado aprova em primeiro turno PEC que permite volta do auxílio emergencial
Política
Simone Tebet deve ser escolhida como líder da bancada feminina no Senado

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio