Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99647-9098
TJMS julho20
Política

Congresso adia votação de vetos e do Orçamento para o ano que vem

20 dezembro 2012 - 11h06Reprodução

Os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, além dos líderes partidários, decidiram nesta quarta-feira (19) não votar nenhuma pauta conjunta das duas Casas até o próximo ano. A decisão foi anunciada pelo presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS). Segundo ele, o Congresso não votará os vetos presidenciais pendentes, nem o Orçamento Geral da União e os créditos extraordinários que estão na pauta deste ano.

“Estamos cumprindo a decisão de um ministro do Supremo Tribunal Federal [Luiz Fux], que impede o funcionamento do Congresso Nacional e do [Poder] Executivo”, disse Maia, ao sair da reunião. Ele se referia à determinação de Fux de que o Congresso só analisasse os vetos ao projeto de lei que altera a distribuição dos royalties do petróleo depois de votar, em ordem cronológica, todos os vetos presidenciais pendentes.

Desde que a liminar foi concedida, os parlamentares tentavam votar os 3.059 vetos pendentes em um único bloco para, então, chegar ao último deles que trata dos royalties. Os representantes dos estados produtores de petróleo, no entanto, não concordaram com o acordo e exigiram que os vetos fossem votados um a um, de modo a inviabilizar a votação do último item ainda este ano.

Após o impasse, os líderes chegaram à conclusão de que a decisão do ministro Fux tranca a pauta do Congresso para qualquer votação, uma vez que a Constituição determina que os vetos devem sempre ser votados prioritariamente. Por isso, decidiram que só irão retomar a agenda de votações no próximo ano, após o recesso parlamentar.

“A decisão tomada é não produzir nenhuma decisão até que seja superada a questão dos vetos”, disse Marco Maia. Para ele, “a questão ainda está inconclusa” e o assunto deve ser retomado na primeira sessão do Congresso no próximo ano, em 5 de fevereiro.

Com a decisão dos parlamentares, a votação do Orçamento Geral da União também ficou para o próximo ano. Os investimentos e o reajuste dos servidores públicos também ficarão aguardando a deliberação do Congresso.

Via Agência Brasil

Vacinne

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
TSE excluirá biometria nas eleições municipais para evitar contágio
Política
Publicada a exoneração de Mansueto da Secretaria do Tesouro
Política
“Caso de polícia”, diz Fábio sobre fake news de lockdown na capital
Política
Capital: Câmara testa plataforma de sessão remota nesta quarta
Política
Câmara aprova projeto de proteção às mulheres em bares e casas noturnas
Política
Paulo Corrêa se recupera do coronavírus e retoma atividades na Assembleia
Política
PL exige formas alternativas de educação à alunos do ensino médio
Política
Hidroxicloroquina é tema de debate na Câmara
Política
Michelle Bolsonaro testa negativo para Covid-19
Política
Simone e Nelsinho avaliam como positiva escolha do novo ministro da Educação

Mais Lidas

Polícia
Proprietária de fazenda é multada em R$ 91,5 mil por desmatamento
Polícia
Criança baleada pelo ex-marido da avó morreu nesta quarta-feira
Cidade
Marquinhos recomenda que igrejas façam cultos on line
Saúde
APAE apresenta projeto para diagnóstico e tratamento precoce do autismo