Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Fauzi e promotor podem ter sido vítimas de uma 'farsa' eleitoreira

09 abril 2011 - 15h57Divulgação
“Só falei porque me deram R$ 50 mil reais em duas vezes” disse Péricles Garcia Santos, advogado, ex-servidor da Procuradoria da Prefeitura de Aquidauana, que teria sido usado como o estopim das denúncias formuladas pelo Vereador Wezer Lucarelli (PPS) para afastar o prefeito de Aquidauana Fauzi Suleiman. As informações chegaram a imprensa pelo depoimento do promotor, José Maurício Albuquerque da 2ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social de Aquidauana que também pode ter sido enganado no complo político.

Entenda o caso

O promotor procurou o site “Aquidauana Online”, tido como “berrante” da antiga administração da cidade e mantido pelo vereador com recursos pessoais para denunciar que “o prefeito Fauzi teria desviado a milionária quantia de R$ 2.95 milhões em três anos” e acusou uma agência de publicidade de Campo Grande como “responsável por organizar o desvio”.

O promotor não observou que a agência está legalmente contratada para a prestação de serviços, e que o movimento anualmente não ultrapassa 900 mil reais, aproximadamente. Em contato com a agência, nesta Capital, fomos informados que a verba é repassada aos credores – imprensa, gráficas, fornecedores, empresas de brindes, outdoors, sites, etc – em que são veiculados os materiais publicitários para divulgar os atos da municipalidade. As publicações abrangem todas as secretarias e informam a população de como está sendo gerenciada a cidade pelo atual prefeito.

Desmentido

Péricles Garcia dos Santos foi usado pelo vereador para prejudicar o prefeito. Ele veio a Campo Grande, dia 25 de fevereiro, onde depôs, na presença do promotor Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, da 30ª Promotoria do Patrimônio Público e social, declarando que “havia aceitado R$ 50 mil para denunciar o prefeito". E que tambémm estava "magoado pela demissão do cargo num momento de grande aflição familiar”.

Havia, perdido sua filha recém-nascida (Jéssica) que nascera com um problema congênito, e em seguida, seu pai sofrera um enfarto do miocárdio, o que o obrigou à abandonar o cargo na prefeitura para dar assistência à família. Por consequência, ele abandonou o trabalho e foi demitido do cargo.

No bolso

“Wezer me deu R$ 50 mil. Era pouco, mas para quem estava com uma dívida de R$ 112 mil contraídos na operação do pai; tratamento da filha, e até com o motor do carro fundido, a ajuda era bem vinda. Só não sabia que estava vendendo a minha alma para o diabo”, diz Péricles.

Em depoimento ao promotor, ele disse que ficou sabendo que sua gravação teria sido usada para chantagear o prefeito e que o vereador passou a reunir formadores de opinião para exibir a gravação, "como forma de criar um ambiente ruim para o prefeito Fauzi".

Política aquidauanense

A gravação começou ser usada politicamente. “Eu estava psicologicamente abalado pela perda familiar”, disse o advogado ao MPE de Campo Grande. Hoje é público e notório o interesse político embutido na falsa denúncia, até porque, a “noiva” do vereador, Cinthia Carla Lemos é assessora especial (cargo em comissão) na Promotoria, e segundo Péricles acusou o prefeito de forma leviana.

Wezer é um adversário político rancoroso que já moveu mais de 40 ações contra o atual prefeito, e não foram comprovadas. Ele financiou uma rádio comunitária, - já fechada pela Justiça-, para promover denúncias diárias contra a administração do atual prefeito.

População

Fauzi Suleiman é fruto da persistência política. Havia tentado ser prefeito da cidade por três vezes consecutivas, só conseguindo na eleição passada. Ele não demitiu nenhum funcionário deixado pela administração anterior, -o que pode explicar o alto preço político que está pagando-.

Na cidade há um clima de solidariedade ao prefeito pela sua humildade. Filho de tradicional família libanesa, é um homem simples, desportista e que se dirige ao povo de forma respeitosa. As denúncias iniciais causaram euforia nos adversários, mas está se revertendo com a publicação do “outro lado” que não contrapõe ao que foi falado com o intuito de desgastar politicamente o prefeito. Na pressa, o tiro pode ter saído pela culatra.

MPE

O promotor José Maurício Albuquerque pode ter sido enganado, o que pode ter forçado ele a imputar a culpa ao prefeito. A peça do promotor, assinada e colocada no site Aquidauana Online foi uma irresponsabilidade.

Não saber como funciona uma agência de Publicidade é estar desinformado quanto aos volumosos recursos que passam por essas empresas, cuja missão é tornar os investimentos com publicidade do setor público transparentes e assertivos. Todos esses processos são montados com notas fiscais de fornecedores e veículos de comunicação, com os devidos comprovantes dos serviços prestados, bem como – no caso de fornecedores – três orçamentos que comprovam a lisura das compras.

Não sabia o promotor que “são os veículos de comunicação que remuneram as agências”, logo, não possuem elas, poder para sacar dinheiro conforme o descrito ou imaginado no corpo da reportagem.

Isso está previsto na Lei Federal nº.12.232, que regulamenta a lei de publicidade e propaganda no Brasil, além do CENP (Conselho Executivo de Normas Padrões) que regulamenta o relacionamento comercial e ético entre as partes: clientes, veículos, fornecedores e agências.

Publicidade A MK3 Publicidade foi uma agência montada para “golpear” a prefeitura de Aquidauana, na gestão de Felipe Orro em substituição à Agência Consenso Publicidade de propriedade de Nádia Gonzaga, esposa de Natalino Gonzaga (Natal), ex-secretário de Planejamento do primeiro mandato de Orro. De vida efêmera, nasceu, viveu apenas durante a segunda administração de Felipe, fechando as portas ao seu término.

O comentário é de que a MK3 era de propriedade do “superman” da prefeitura de Felipe Orro, o atual vereador Wezer, que foi ex-procurador jurídico, ex-secretário de Saúde e de Finanças.

A agência era coordenada pelo Sr. Natalino Gonzaga e estava em nome de Kaio César Resende dos Santos e Jona Flávia Rocha de Arruda, que transferiram as cotas para Carla Simone Resende Hermes dos Santos, 42 anos, Caroline Resende dos Santos, 15 anos, e Marco Antonio Pereira dos Santos, 46.

Natalino Gonzaga, ex-secretário de Planejamento do primeiro mandato de Felipe Orro, chegou ser sócio de um jornal da cidade e é um dos atuais arrendatários da FM Pan, do ex-prefeito Raul Freixes, e assessor do deputado Felipe Orro.

A MK3 sacava quantias milionárias com nota fiscal em cheque. O banco era a Prefeitura. As notas não tinham orçamento ou descrição dos serviços, e ordenava o “pague-se” que era prontamente obedecido pelo ex-prefeito da cidade, atual deputado da Assembléia Legislativa. Sem respaldo capaz de comprovar o que estava sendo pago, a MK3 não foi denunciada até hoje. Também não foram apuradas as denúncias fartamente comprovadas com documentos.

Com informações do Correspondente de Aquidauana.

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Ramos afirma que pretende manter boas relações com parlamentares
Política
Presidente tucano assegura apoio a Marquinhos na capital
Política
Reinaldo vai à fronteira nesta sexta-feira
Política
"Governo não vai criar novos impostos", diz Bolsonaro
Política
Câmara define comissão para atuar durante o recesso
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Política
Tucanos discutirão estratégias para 2020 neste sábado
Política
Marun fala sobre “overdose de política” e André no governo
Política
“Aviação é pauta prioritária e MS está incluso”, diz secretário nacional
Política
Após pedido de Marquinhos, ministro investe na saúde da capital

Mais Lidas

Geral
Quatro capivaras amanhecem mortas próximo ao shopping
Justiça
Rigo entra com recurso baseado em decisão de Toffoli
Geral
Jovem perde perna em acidente e pede ajuda em "Vaquinha Solidária"
Polícia
Incêndio criminoso deixa pelo menos 16 mortos