Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Política

Julgamento do mensalão tem hoje defesa de ex-ministro e de três ex-deputados

14 agosto 2012 - 11h14Sérgio Lima / Folhapress

Mais cinco réus - entre eles um ex-ministro e três ex-deputados - terão duas defesas apresentadas hoje (14) no Supremo Tribunal Federal (STF), durante o julgamento do mensalão. Na relação estão o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto e os ex-deputados Professor Luizinho (PT-SP), Paulo Rocha (PT-PA) e João Magno (PT-MG), além Anita Leocádia Pereira da Costa, assessora parlamentar.

Como nos dias anteriores, os advogados terão até uma hora para apresentar suas sustentações orais em defesa dos clientes. É a penúltima etapa do julgamento dedicada à defesa. Depois, começa a etapa dos votos dos 11 ministros da Suprema Corte.

A expectativa é que a fase das defesas acabe amanhã (15). O primeiro a apresentar o voto será o relator do processo, o ministro Joaquim Barbosa, que adiantou que seu voto tem mais de mil páginas.

A primeira defesa de hoje será feita pelo advogado Márcio Luiz da Silva, cujo cliente é o ex-deputado Paulo Rocha, que responde por crime de lavagem de dinheiro. Pelo mesmo crime respondem ainda o ex-deputado Professor Luizinho e João Magno, defendido pelo advogado Wellington Alves Valente, além de Anita Costa, defendida por Luís Maximiliano Leal Telesca Mota.

A última defesa do dia será a do ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto, que responde pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa. Na denúncia, ele é citado como operador do esquema do mensalão - organizado para comprar o apoio de parlamentares e para saldar dívidas de campanha com dinheiro não contabilizado, o chamado caixa 2.  Adauto será defendido por Castellar Modesto Guimarães Filho.

Nos últimos dias, as defesas dos réus insistiram na inocência de seus clientes, mas vários advogados admitiram a existência de caixa 2 embora não tenham reconhecido a existência do esquema do mensalão.

Ao apresentar a denúncia, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu a condenação de 36 dos 38 réus. Ele exclui da condenação por falta de provas o ex-ministro da Comunicação Social da Presidência da República Luiz Gushiken e o assessor do PL (atual PR) Antonio Lamas.

Para Gurgel, é fundamental a justa aplicação de penas, marcando o que chamou de “paradigma histórico”.  Para cada situação, ele apontou um crime. Os delitos citados na denúncia, variando conforme o réu, são formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato, evasão de divisas, gestão fraudulenta de instituição financeira e lavagem de dinheiro.

Via Agência Brasil

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Acesso livre à internet em órgãos públicos municipais agora é lei
Política
Bolsonaro diz ter “total confiança” em Guedes e afirma que o ministro irá continuar
Política
Saúde e segurança da Capital prontos para possível vendaval
Política
Pesquisa mostra intenção de votos e rejeição para eleição suplementar em Bandeirantes
Política
Simone e Fábio recebem prêmio em Brasília
Política
Quebra do teto de gastos faz equipe de Paulo Guedes se demitir
Política
Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência
Política
Ministro anuncia novo Bolsa Família de R$ 400 a partir do próximo mês
Política
Veja a lista dos indiciados pela CPI da Pandemia
Política
MS terá CNH social

Mais Lidas

Polícia
Homem pula o muro e flagra a ex-mulher com outro e transtornado agride ela e tranca os dois
Brasil
Vídeo: Homem se desespera ao ver que racha com os amigos acabou em morte
Geral
Com oito filhos, mãe anuncia gravidez de gêmeos e dispara: 'queremos mais'
Geral
Pastor embolsa R$ 30 milhões da Igreja Universal e foge