Menu
Busca sábado, 06 de junho de 2020
(67) 99647-9098
Política

Lula defende fim de arsenais nucleares e critica ações pós-crise

29 maio 2010 - 10h30Divulgação
Em um discurso duro na abertura do 3º Fórum Mundial de Aliança de Civilizações na manhã desta sexta-feira (28) , o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o Brasil manterá seus esforços pela paz no Oriente Médio, iniciativa que foi criticada pela diplomacia americana na quinta-feira (27). Lula também fez nova análise do comportamento dos países desenvolvidos durante e após a crise financeira mundial. "A existência de armas de destruição em massa torna o mundo mais inseguro", disse Lula, cujo pronunciamento vai na direção oposta aos comentários da secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton. Na quinta-feira (27), ela disse que as ações tomadas por países para ajudar a encontrar uma solução diplomática para a crise nuclear iraniana tornaram o mundo mais perigoso. Lula começou seu pronunciamento criticando as afirmações de que existam diferenças inconciliáveis entre nações. Para ele, essas teses só servem de pretextos para ações bélicas preventivas, enquanto a diplomacia brasileira aposta no "entendimento que faz calar as armas". "O mundo precisa de um Oriente Médio em paz. O Brasil não está alheio a essa necessidade. Defendemos um planeta livre de armas e o cumprimento do Tratado de Não-Proliferação (Nuclear)", disse Lula na abertura do evento. O presidente foi duro também ao falar dos países desenvolvidos que, para ele, resistem a promover mudanças que deem maior protagonismo ao mundo em desenvolvimento após a crise financeira global. "A crise financeira que se abateu sobre todos mostrou o quão necessário será contar com organizações multilaterais poderosas, à altura de um mundo cada vez mais diverso e multipolar. Mas constatamos grande resistência à mudança", disse. "Incapazes de assumir seus próprios erros, alguns governantes buscam transferir o ônus da crise para os mais fracos. Adotam medidas protecionistas que oneram bens e serviços e, ao mesmo tempo, se mostram lenientes com os paraísos fiscais, responsabilizam imigrantes pela crise social. A comunidade internacional precisa reagir". disse. Ele defendeu mais oportunidade para os países em desenvolvimento para que haja crescimento econômico num mundo globalizado. Segundo o presidente, este fórum é a oportunidade para reformar mentalidades. "É necessário oferecer oportunidade de crescimento econômico para quem já não tem esperanças", disse o presidente que lamentou que ainda existam governos resistentes às mudanças e atribuem o ônus da crise mundial aos países mais fracos, em desenvolvimento. Para Lula, a tolerância e a igualdade de oportunidades são fundamentais para um ambiente de concórida e de paz. "A exclusão, o preconceito e a pobreza só alimentam cenários de tensão e de conflito", disse o presidente.
Totem_Alcool Gel

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Senado aprova projeto que obriga uso de máscara em todos os locais públicos do país
Política
Acordo para reabertura de rodoviária não permite demissões, diz Marquinhos
Política
Ao vivo: Subsecretaria fala sobre violência contra mulher
Política
“Abertura em feriados ficará a critério dos lojistas”, diz Marquinhos
Política
Convenções partidárias serão virtuais nas eleições deste ano
Política
Geraldo Resende e Pedrossian Neto ficam nas secretarias
Política
Coronel David solicita manutenção em rodovias que ligam Três Lagoas à Brasilândia
Política
LDO estima impacto da pandemia e receita orçada é de R$ 16,17 bilhões
Política
Bolsonaro veta uso de R$ 8,6 bilhões no combate ao coronavírus
Política
Deputados pedem reabertura do Parque das Nações Indígenas

Mais Lidas

Geral
Jamil Name voltará para presídio federal de Campo Grande
Saúde
Prefeitura aborda 2.800 pessoas durante blitz sanitárias na capital
Saúde
Campo Grande é a capital com menos casos e mortes por coronavírus
Geral
Agepan aborda 122 veículos fazendo transporte clandestino