Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Política

Marco Civil da Internet volta à pauta da Câmara nesta terça

18 março 2014 - 11h40Via Terra com Agência Brasil
O Marco Civil da Internet, projeto que estabelece direitos e deveres para usuários e provedores da rede mundial de computadores no país, deve voltar ao plenário da Câmara dos Deputados para discussão nesta terça-feira.

O debate e votação do projeto - que tranca a pauta da Casa desde outubro de 2013, quando venceu o prazo do regime de urgência constitucional para sua tramitação - tem sofrido vários adiamentos. Na semana passada, o texto foi retirado da pauta a pedido do governo após dissentimentos com a base aliada, especialmente o PMDB.

O líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), já se posicionou contrariamente ao atual texto do Marco Civil e apresentou proposta alternativa. O principal ponto de crítica tem sido o princípio da neutralidade de rede, que assegura não haver discriminação ou privilégio no tráfego de dados.

A previsão para a obrigatoriedade do armazenamento de dados de navegação em data centers localizados no Brasil também é um motivo de discordância dos críticos, que alegam aumento de custos para as empresas e repasse ao usuário final da conexão.

O governo defende a neutralidade de rede e a obrigação de armazenamento de informações no país. Esse último ponto passou a ser considerado questão de honra após as as denúncias de espionagem do governo americano feitas pelo ex-consultor da Agência Nacional de Segurança (NSA , na sigla em inglês) Edward Snowden. Ativistas também consideram que a retirada do princípio pode colocar em risco o acesso livre aos conteúdos da internet.

O relator do projeto, Alessandro Molon (PT-RJ), argumenta que a proposta foi construída em conjunto com a sociedade civil e que a neutralidade pretende impedir que haja prioridade para tráfego de dados de empresas ligadas aos provedores de conteúdo ou de conexão, em detrimento de concorrentes.

Molon refutou o argumento contrário à neutralidade e lembrou que o projeto explicita que os provedores podem oferecer diferentes velocidades de acesso, mas que veda a discriminação no que diz respeito ao acesso a conteúdos, ou seja, ao tráfego de informações.

Para o deputado, caso a neutralidade da rede não seja aprovada, o acesso à internet vai acabar ficando similar ao que ocorre atualmente com os planos de TV por assinatura, em que o acesso a determinados pacotes é condicionado ao pagamento de planos mais caros. "Isso vai criar uma exclusão digital para mais de 100 milhões de brasileiros", argumentou Molon.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Relatório da reforma administrativa é aprovado por Comissão da Câmera
Política
Diretor da Precisa nega participação nas negociações da Covaxin
Política
PEC da Reforma Administrativa deve ser votada pela Comissão especial
Política
Dono da Havan deverá explicar fraude em certidão de óbito da própria mãe à CPI
Política
IOF não irá financiar Bolsa Família em 2022, segundo secretário
Política
Bolsonaro e comitiva brasileira devem fazer quarentena por recomendação da Anvisa
Política
Nelsinho representa pauta ambiental do Brasil nos EUA
Política
Vídeo: André Puccinelli afirma que decide candidatura até dezembro
Política
Em MS "bandido não faz carreira", dispara Paulo Corrêa
Política
Auxílio Brasil é tema de audiência na Câmara com ministro da Cidadania

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju