Menu
Busca sexta, 19 de agosto de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Agosto 22
Política

CPI na Educação é "palanque eleitoreiro", diz Nelsinho

Senador não assinou documento que permite instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito

27 junho 2022 - 11h11Sarah Chaves

Contra a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura corrupção no Ministério da Educação, o senador Nelsinho Trad, conta que decisão vem de sua experiência política. “Toda CPI que participei não acabou bem”.

A possibilidade da CPI, começou a ser levantada no Senado Federal, após a prisão do ex-titular da pasta Milton Ribeiro e o pastor Gilmar Santos em uma investigação da Polícia Federal sobre a intermediação indevida na liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

No Senado, a instalação da CPI depende de 27 assinaturas, que já foram feitas, mas articulação agora é para reverter. “Eu não assinei a CPI e não vou assinar, porque eu entendo que todas as investigações já estão sendo feitas por órgãos de controle”, ele ressaltou a ação em conjunto da Polícia Federal, Procuradoria-Geral de República, Tribunal de Contas da União, Controladoria-Geral da União. “Uma CPI dessa a quatro meses da eleição tem um viés todo de palanque eleitoreiro, e eu não concordo com isso, uma CPI teria que ter um viés investigativo”, afirmou ao JD1.

Ainda segundo o senador, essa CPI tem um viés totalmente deformado. “A minha decisão é puramente da minha experiência política, já tive cinco mandatos no legislativo e toda CPI que participei, não acabou bem, principalmente aquelas que eram próximas a períodos eleitorais”, ressaltou.

Nelsinho ressalta que todas as questões de investigação desse caso já estão sendo tomadas. “Se não houvesse investigação aprofundada como tem , eu assinaria. Isso está sendo feito para poder prejudicar o andamento livre e democrático do processo eleitoral, coisa que eu não concordo", ainda conforme ele, a CPI vai ficar “Na boca da eleição”.

A partir do momento em que for apresentada na mesa as 27 assinaturas, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco  tem 30 dias para poder instalar a CPI.

JD1 No Celular

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Paraná Pesquisas mostra briga pelo segundo turno
Política
Ministro do STF suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível
Política
Eleições 2022: treinamento de mesários é prioritariamente a distância
Política
Cresce número de pessoas com mais de 70 anos aptas a votar
Política
Riedel diz que irá levar curso de medicina para Dourados
Política
Veja por onde anda seu candidato
Política
TSE informa tempo de propaganda eleitoral dos candidatos à Presidência
Política
Datafolha mostra Lula com 47% e Bolsonaro com 32%
Política
Nelsinho tenta reverter atraso do 5G na capital
Política
TSE decide divulgar informações detalhadas sobre os bens de candidatos

Mais Lidas

Polícia
Dupla é indiciada por tentativa de triplo homicídio no Aero Rancho
Polícia
Filhos de idosa abandonada em casa cheia de fezes são encontrados
Polícia
Mulher é resgatada antes de ser queimada por facção em 'micro-ondas humano'; vídeo
Polícia
Morre encanador que caiu em buraco de obra em Campo Grande